Seguidores

Arquivo do blog

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

AÇÕES GOVERNAMENTAIS

Resultado da Ordem do Dia da Sessão da Câmara Municipal de Limeira Dia 31 de Agosto I - Redação Final do Projeto de Lei nº. 98/09, de autoria da Vereadora Nilce Segalla, que dispõe sobre a obrigatoriedade aos estabelecimentos comerciais que comercializarem produtos acondicionados em embalagens descartáveis, a fixarem placas educativas ao publico consumidor, com os seguintes dizeres: “NÃO JOGUE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS ÀS MARGENS DE ESTRADAS, RIOS E LAGOAS, PRESERVE O MEIO AMBIENTE”, e dá outras providências. (Aprovado) II – Redação Final do Projeto de Lei nº. 124/09, de autoria do vereador Raul Nilsen Filho, que dispõe sobre a necessidade de apresentação anual de diagnóstico ambiental das Áreas de Preservação Permanente e Áreas Verdes inscritas em condomínios fechados residenciais no município de Limeira. (Aporovado) III – Redação Final do Projeto de Lei nº. 212/09, de autoria da Vereadora Nilce Segalla, que institui o Dia do Bombeiro a ser comemorado no Município de Limeira, e dá outras providências. (Aprovado) IV – Redação Final do Projeto de Lei Complementar nº. 267/09, de autoria do Prefeito Municipal, que torna responsabilidade das concessionárias de serviços públicos do município, o nivelamento do solo através da pavimentação das vias públicas por ocasião dos serviços por elas executados e dá outras providências. (Aprovado) V - Projeto de Lei nº. 270/09 de autoria do Vereador Carlinhos Silva, que altera o artigo 1º. Da Lei nº. 4246 de 12 de fevereiro de 2008, que institui a Semana Educativa Pipas sem Mortes no Município de Limeira. (Aprovado) VI – Projeto de Lei Complementar nº. 278/09, de autoria do Senhor Prefeito Municipal que dispõe sobre a jornada de trabalho dos ocupantes de cargos de provimento em comissão da Prefeitura Municipal de Limeira e dá outras providencias. (Retirado) Carla Pizani Depto. Assessoria de Imprensa http://br.mc511.mail.yahoo.com/mc/compose?to=imp_presidencia@camaralimeira.sp.gov.br 19 3404.7529Rua Pedro Zaccaria, 70 Fone/Fax: 19 3404.7500 CEP: 13484.350 LIMEIRAS

MOVIMENTOS SOCIAIS EM MOVIMENTO

Sem proposta: GM de Limeira completa 25 dias de greve Os guardas municipais de Limeira se reuniram nesta segunda-feira, dia 31, às 8h, em frente à prefeitura, para aguardar uma posição da administração municipal. Em assembleia, às 13h, a categoria decidiu continuar em greve até que haja uma proposta satisfatória por parte da prefeitura. Depois, os guardas municipais foram dispensados. De acordo com a presidente do Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos Municipais de Limeira (Sindsel), Eunice Ruth Araújo Lopes, a categoria se manterá concentrada, sem outras manifestações, durante os dois dias que antecedem a reunião entre o Executivo e o Legislativo, marcada para acontecer na quarta-feira, dia 2. “A pedido de alguns vereadores, nos próximos dias a categoria irá apenas aguardar uma posição da prefeitura, sem outras manifestações, para cooperar com a reunião de quarta-feira”, disse Eunice. Essa medida foi aprovada em assembleia pelos guardas municipais. A notícia de que o prefeito Silvio Félix irá atender os vereadores, para discutir a questão dos guardas municipais em greve, foi anunciada pela vereadora Elza Tank, durante a sessão extraordinária da Câmara Municipal do dia 27 de agosto. Reunião com vereadores O Sindsel, uma comissão de guardas municipais e vereadores se reúnem nesta terça-feira, dia 1, às 11h, na Câmara Municipal, para discutir a pauta de reivindicações da categoria. Segundo Eunice, o objetivo do encontro é fornecer aos vereadores dados que possam contribuir quando o prefeito atendê-los para tratar da questão da GM. “Vamos explanar os itens da pauta para demonstrar que é possível alcançar uma proposta satisfatória para todos”, ressaltou Eunice. Na parte da tarde, às 13h, os guardas municipais se reunirão em frente à prefeitura. Histórico
A greve da Guarda Municipal de Limeira teve início no dia 7 de agosto, após negociações frustradas com a prefeitura no dia 6 de agosto. Servidores e prefeitura voltaram a se reunir no dia 12 de agosto, mas não houve nenhuma proposta por parte da administração municipal. Na ocasião, o Sindsel propôs à prefeitura a incorporação gradativa das quatro horas-extras praticadas, ou seja, a prefeitura incorporaria duas horas-extras de imediato e as outras duas em março de 2010, data-base da categoria. A prefeitura se comprometeu a estudar a proposta, porém, ainda não ofereceu nenhuma resposta. Um levantamento financeiro realizado pelo Sindsel aponta que se a prefeitura incorporasse essas duas horas-extras de imediato, isso não representaria nem 0,5% (meio por cento) de aumento na folha de pagamento da prefeitura. O movimento grevista conta com a adesão de gms dos diversos seguimentos da Guarda Municipal, tais como: Pelotão Rural, Ambiental, Operacional, Esquadrão Tático, Escolar e Ações Especiais. As atividades do movimento grevista têm mobilizado cerca de 200 guardas municipais. As principais reivindicações da categoria são: incorporação das horas-extras, escala de trabalho de dois dias de trabalho por dois dias de folga e escolha das chefias.
Atenciosamente,
Nádia Pêrego
Assessora de Comunicação do Sindsel
(19) 3702-8447(19) 9157-3575

DEBATE MIDIATICO

Manchetes de jornais e beques de futebol 29-Ago-2009 Se as diversas partes de um jornal correspondessem às posições do futebol antigo, as manchetes dos jornais jogariam na bequeira (hoje se diz na zaga). Naquele tempo, a função do beque era simplesmente "limpar a área": mandar a bola para fora desse espaço perigoso com um chutão. As manchetes dos jornais (escritos, falados, televisados, telefônicos e internéticos) cumprem a mesma função para a burguesia. Entrou algo perigoso para o interesse dela na "área perigosa" da agenda política ou administrativa, uma manchete escandalosa a afasta com um "chutão". O mecanismo baseia-se numa constatação empírica: a grande maioria das pessoas lê apenas as manchetes, tanto que é muito comum verificar que o que está escrito na manchete não corresponde ao texto da matéria. Mentir na manchete não cria os problemas que causa a matéria mentirosa. A bequeira da burguesia está em plena ação. O perigo a ser afastado é a entrada dos índices de produtividade das fazendas na pauta administrativa. É que o Ministro do Desenvolvimento Agrário deu declarações à imprensa dizendo que logo anunciará uma tabela dos índices de produtividade, atualizados de acordo com as novas médias nacionais proporcionadas pelos dados estatísticos mais recentes. Essa declaração não quer dizer muita coisa, porque a publicação das novas tabelas dependente também da assinatura do Ministro da Agricultura e este já deu declarações evasivas, mas inequívocas: não quer assinar a atualização. Como o ministro do desenvolvimento agrário nem sequer pensa em dizer uma palavra sem ordem do Lula, é preciso saber por que este deu tal ordem, quando sua atual política agrícola é congelar a reforma agrária e apoiar totalmente o agronegócio. Uma possibilidade é que a declaração do ministro seja um balão de ensaio, um "chega pra lá" na bancada ruralista, que avançou o sinal ao aprovar um projeto de lei que elimina praticamente os índices de produtividade como critérios de desapropriação de imóveis improdutivos: "Calma, companheiros! Se esticarmos a corda além de um limite, podem surgir problemas desnecessários". O presidente está com a tabela atualizada (agora já desatualizada) em cima da mesa desde 2003, quando o ministro Roberto Rodrigues, representante do agronegócio no primeiro governo de Lula, deixou o ministro Rosseto falando sozinho ao se recusar a assinar conjuntamente a tabela que atualizaria índices baseados no Censo de 1975. Entretanto, as manchetes dos jornais falam em aumento dos índices (e logo acrescentam: que pode prejudicar os produtores) o que constitui uma mentira deslavada. As tabelas que estão na mesa do presidente há mais de sete anos constatam apenas que atualmente a tecnologia agrícola evoluiu um pouco e a média de produtividade das fazendas elevou-se ligeiramente. Como a Constituição determina que só podem ser desapropriadas as fazendas improdutivas, a vigência de índices mais de trinta anos defasados tem o efeito de anular a possibilidade de desapropriar qualquer fazenda para efeito de reforma agrária. Talvez o desfecho do episódio confirme a hipótese do "balão de ensaio". Talvez não. Mas duas coisas já podem ser dadas como certas:

CADERNOS DE SARAMAGO

"Publicarei todo dia um texto do mestre do realismo fantastico na literatura, o prêmio Nobel e comunista José Saramago. Os textos quase todos crônicas, são originalmente do blog do escritor, http://caderno.josesaramago.org/ ."
Agosto 31, 2009 por José Saramago
Diz o refrão que não há bem que sempre dure nem mal que ature, o que vem assentar como uma luva no trabalho de escrita que acaba aqui e em quem o fez. Algo de bom se encontrará neste textos, e por eles, sem vaidade, me felicito, algo de mal terei feito noutros e por esse defeito me desculpo, mas só por não tê-los feito melhor, que diferentes, com perdão, não poderiam eles ser.
Às despedidas sempre conveio que fossem breves. Não é isto uma ária de ópera para lhe meter agora um interminável adio, adio. Adeus, portanto. Até outro dia? Sinceramente, não creio. Comecei outro livro e quero dedicar-lhe todo o meu tempo. Já se verá porquê, se tudo correr bem. Entretanto, terão aí o “Caim”.
P. S – Pensando melhor, não há que ser tão radical. Se alguma vez sentir necessidade de comentar ou opinar sobre algo, virei bater à porta do Caderno, que é o lugar onde mais a gosto poderei expressar-me.

FOTOPOEMA

“Encantado estamos com sua ternura e pureza, capazes de romper preconceitos”

FOTO: Luciano Garcia

"Mais uma parceria com um artista. Desta feita um artista das lentes, do registro de imagens. Luciano Garcia é um garoto da Capital São Paulo que conhecí na Militancia Política. Mesmas origens que as minhas, este católico de esquerda, começou na fotografia clicando pessoas em movimento, pessoas em luta por condições melhores de vida. Cada imagem deste menino, que despertou para a arte de fotografar em 1997, traz sofrimentos, angustias, esperanças e solidariedade do povo pobre, trabalhador e excluído de oportunidades. Suas fotos despertou em mim o desejo de escrever poesia, sobre cada foto de Luciano. Mas versos e frases livres, tiradas de minhas impressões sobre as imagens. È lindo e revela milhões de sensações o que venho extraindo de cada trabalho de Luciano. Se você quiser conhecer mais o trabalho deste artista acesse os seguintes endereços: http://www.lucianofotos.com/ e http://www.flickr.com/photos/lucianogarcia/ ."

DICA DE FILMES

Feira de Filmes é uma loja de DVDs voltados para as lutas populares e sociais. A loja tem um acervo enorme de filmes alternativos, independentes e de temáticas de esquerda e revolucionária. Quem quiser adquirir, o endereço eletrônico é: feiradefilmes@gmail.com ou pelo telefone:11-6621-5033. Vou publicar aqui sinopse de dois DVDs por dia, mas a lista completa é só pedir que a loja envia".
“Linha de Montagem” de Renato Tapajós
Documentário sobre as greves em São Bernardo do Campo, em São Paulo, de 1979 á 1981, momento onde foi revelado o o líder sindicalista Luís Inácio “Lula” da Silva, que mais tarde se tornaria o presidente do Brasil. Também foi o momento em que o PT se transformou numa força política relevante para o Brasil.
"A Morte do Trabalhador" de Michael Glawogger
Da Ucrânia à Indonésia, passando pela Nigéria, China e Paquistão, esta é a viagem ao mundo dos trabalhos precários. O documentário propõe revelar o trabalho manual, e muitas vezes invisível, realizado nas mais extremas condições. As imagens, impressionantes, lembram as fotografias de Sebastião Salgado. São cinco histórias: os “Heróis” de Donbass, na Ucrânia, onde um grupo de pessoas passa os dias arrastando-se em minas de carvão ilegais; os “Fantasmas” de Java, na Indonésia, onde homens enfrentam um vulcão, ainda ativo, em troca de enxofre; os intrépidos “Leões” nigerianos convivem diariamente com sangue, fogo e odores nauseabundos no matadouro onde trabalham; os “Irmãos” de Gaddani, no Paquistão, desmantelam um gigante petroleiro abandonado e, a esperança de um “Futuro” radioso na China, onde os trabalhadores metalúrgicos receiam ser uma espécie em extinção. Cinco retratos do trabalho manual pesado, cada vez menos visível neste tecnológico século XXI.

A PERSONALIDADE

" Esta seção tem o objetivo de prestar homenagem a personalidades, culturais, políticas e sociais, do País, publicando obras ou biografias. Cada personalidade, ficará por uma semana com sua História na tela. O Blog aceita contribuições, é só manda-las para: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com ".
BIOGRAFIA PAULO LEMINSKI
Paulo Leminski nasceu aos 24 de agosto de 1944 na cidade de Curitiba, Paraná. Em 1964, já em São Paulo, SP, publica poemas na revista "Invenção", porta voz da poesia concreta paulista. Casa-se, em 1968, com a poeta Alice Ruiz. Teve dois filhos: Miguel Ângelo, falecido aos 10 anos; Áurea Alice e Estrela. De 1970 a 1989, em Curitiba, trabalha como redator de publicidade. Compositor, tem suas canções gravadas por Caetano Veloso e pelo conjunto "A Cor do Som". Publica, em 1975, o romance experimental "Catatau". Traduziu, nesse período, obras de James Joyce, John Lenom, Samuel Becktett, Alfred Jarry, entre outros, colaborando, também, com o suplemento "Folhetim" do jornal "Folha de São Paulo" e com a revista "Veja". No dia 07 de junho de 1989 o poeta falece em sua cidade natal. Paulo Leminski foi um estudioso da língua e cultura japonesas e publicou em 1983 uma biografia de Bashô. Sua obra tem exercido marcante influência em todos os movimentos poéticos dos últimos 20 anos. Seu livro "Metamorfose" foi o ganhador do Prêmio Jabuti de Poesia, em 1995. Em 2001, um de seus poemas ("Sintonia para pressa e presságio") foi selecionado por Ítalo Moriconi e incluído no livro "Os Cem Melhores Poemas Brasileiros do Século", Editora Objetiva — Rio de Janeiro.
Bibliografia:- Catatau (prosa experimental). Curitiba, Ed. do Autor, 1975.- Quarenta clic's de Curitiba. Poesia e fotografia, com o fotógrafo Jack Pires. Curitiba, Etecetera, 1976.- Polonaises. Curitiba, Ed. do Autor, 1980.- Não fosse isso e era menos/ não fosse tanto e era quase. Curitiba, Zap, 1980.- Tripas. Curitiba, Ed. do Autor, 1980.- Caprichos e relaxos. São Paulo, Brasiliense, 1983.- Agora é que são elas (romance). São Paulo, Brasiliense, 1984.- Hai Tropikais (com Alice Ruiz). Ouro Preto, Fundo Cultural de Ouro Preto, 1985.- Um milhão de coisas. São Paulo, Brasiliense, 1985.- Guerra dentro da Gente. São Paulo, Scipione, 1986.- Caprichos e relaxos. São Paulo, Círculo do Livro, 1987.- Distraídos venceremos. São Paulo, Brasiliense, 1987.- A lua foi ao cinema. São Paulo, Pau Brasil, 1989.- La vie en close. São Paulo, Brasiliense, 1991.- Metaformose, uma viagem pelo imaginário grego (prosa poética/ ensaio). Iluminuras, São Paulo, 1994. (Prêmio Jabuti de Poesia, 1995)- Winterverno (com desenhos de João Virmond). Fundação Cultural de Curitiba, Curitiba, 1994.- Szórakozott Gyozelmunk (Nossa Senhora Distraída) — Distraídos venceremos, tradução de Zoltán Egressy.- Coletânea organizada por Pál Ferenc - Hungria, ed. Kráter, 1994.- Descartes com lentes (conto). Col. Buquinista, Fundação Cultural de Curitiba, Curitiba, 1995.- O ex-estranho. Iluminuras, São Paulo, 1996.- Melhores poemas de Paulo Leminski. (seleção Fréd Góes) Global, São Paulo, 1996.- Aviso aos náufragos. Coletânea organizada e traduzida por Rodolfo Mata. Coyoacán - México, Eldorado Ediciones, 1997.- Agora é que são elas (romance). Fundação Cultural de Curitiba, 1999.
O POEMA DO DIA

Arte do chá

ainda ontem

convidei um amigo

para ficar em silêncio comigo

ele veio meio a esmo

praticamente não disse nada

e ficou por isso mesmo

Extraído: http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspcmm=404739&tid=1898281&na=3&nst=11&nid=404739-1898281-16135652

CURIOSIDADE

Tentando provar de uma vez por todas que assistir filmes não é só cultura inútil, lhes trago esta bela e engraçada lista de muitas coisas que aprendemos assistindo filmes e mais filmes.
• Durante toda e qualquer investigação policial será necessário visitar ao menos uma vez um puteiro ou clube onde garotas fazem striptease. • A maioria dos números de telefone dos Estados Unidos começam com 555. • O sistema de ventilação de qualquer prédio é sempre um esconderijo perfeito. Além de ninguém procurar o ladrão por lá, ele ainda leva para qualquer parte do prédio sem dificuldade alguma. • Para você fingir que é um alemão não é necessário falar a língua do país, basta falar português com sotaque alemão. • Quando qualquer homem levar uma surra ele não mostrará dor na hora, mas quando uma mulher for limpar as suas feridas ele fará as maiores caras de dor já vistas no universo. • Não existe interruptores em nenhum cozinha. Quando for preciso ir até lá à noite, em uma total escuridão, basta abrir a porta da geladeira que tudo se resolverá. • Dentro de uma casa mal assombrada sempre existem mulheres gostosas que, mesmo que com medo, passarão o tempo todo só com suas roupas íntimas. • Todo e qualquer acidente de carro acaba com uma explosão pra lá de legal. • Usar um colete a prova de balas, ao contrário do que todos pensam, protege todo o seu corpo e torna você invencível. • Se algum mal entendido acontecer e deixar você em uma péssima situação, mesmo que a explicação para tudo aquilo seja muito simples, nunca tente explicar ela pra ninguém. • Todo mundo que tem pesadelos acorda com muito medo, suado e totalmente confuso. • Tossir, normalmente, é sinal de uma doença terminal. • As bombas sempre tem um grande cronômetro com números vermelhos para que você possa saber quanto tempo ainda falta para elas explodirem. • Todos os terroristas fazem piadas muito ruins. • Um homem atirando em vinte homens tem mais chances de sucesso do que vinte homens atirando em um homem. • Todos os computadores portátil tem capacidade para substituir os sistemas de comunicação de qualquer civilização alienígena que tentar invadir a Terra. • Pilotos de helicóptero que trabalham como autônomos sempre estão dispostos a ajudar qualquer organização terrorista, mesmo que precise matar pessoas, esconder fatos, matar mais pessoas e ainda, no final, morrer em uma bela explosão. • Todas as pessoas normais tem um arquivo cheio de recortes de jornais, ainda mais se um primo ou irmão morreu em um estranho acidente de barco. • Os programas de computador funcionam em qualquer computador, independente do sistema operacional. • Normalmente as duplas de policiais tem personalidades completamente diferentes. • Quando estão sozinhos os estrangeiros com linguagem estranha costumam falar entre si em inglês. • Os heróis nunca são acusados de homicídio ou dano criminal, mesmo depois de destruir toda a cidade para prender apenas um bandido. • Se você parar para procurar agora, em menos de oito segundos terá achado uma serra. • Todas as portas podem ser abertas apenas com um cartão de crédito ou com um clipe de papel, a não ser no caso de um incêndio onde uma criança pode morrer. • Você pode dizer se um homem é britânico só de olhar pra ele. Todos os britânicos usam gravata borboleta. • Quando você estiver dirigindo não é necessário prestar atenção na estrada, e sim para as pessoas que estão no banco de trás e ao seu lado. • Serra elétrica: Suficientemente forte para matar um dinossauro e inofensiva para uma criança de oito anos. • Todo e qualquer emprego fará o pai esquecer o aniversário do seu filho, é inevitável. • Policiais honestos e trabalhadores morrem sempre três dias antes de se aposentar. • Se você é loira, bonita e tem 22 anos, basta colocar um óculos para se tornar uma especialista em fissão nuclear. • Quanto mais um homem e uma mulher se odeiam, mais chances eles tem de se apaixonar um pelo outro. • É fácil perceber que seu carro está sendo seguido, basta olhar pelo retrovisor por menos de três segundos. • Todos os cachorros de família não morrem, se for preciso eles saltam por buracos enormes, correm por três dias seguidos, nunca dormem, ajudam você e ainda matam a bola de fogo que queria matar todo mundo por causa daquele jogo estranho que você jogou na infância. • Heróis nunca tem um dia de folga e sempre amam o que fazem.

GLOBO VERSUS RECORD

Embate Globo X Record é "disputa comercial"
Abertura dos telejornais nas duas maiores emissoras do país. Começa mais um capítulo da batalha televisiva iniciada um dia antes entre as redes Globo e Record. Para além da disputa pela audiência, o incidente desnuda o uso indevido de espaços públicos para disputas particulares. A avaliação é de Laurindo Leal Filho, doutor em ciências da comunicação pela USP (Universidade de São Paulo) e professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade.
- São duas empresas comerciais que se utilizam do espaço público – que não é delas, é da sociedade – para resolver pendências comerciais e empresariais. Isso é absolutamente incompatível com o Estado democrático. Autor de diversos livros sobre o assunto ("A TV sob controle, a resposta da sociedade ao poder da televisão" e "A melhor TV do mundo, o modelo britânico de televisão", dentre outros), Laurindo avalia, nesta entrevista a Terra Magazine, que a disputa comercial entre os dois canais tem como ponto positivo a exposição da história de "relações promíscuas" da Rede Globo.
Além de evidenciar a defasagem e a falta de legislação para o setor de telecomunicações. O estopim da luta de foice entre os dois canais foi a publicação de reportagem com mais de 10 minutos de duração pelo Jornal Nacional na terça-feira, 11, repercutindo denúncia do Ministério Público de São Paulo que incriminou o bispo Edir Macedo e outros nove membros da Igreja Universal por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. No dia seguinte, o revide.
Em reportagem de cerca de 15 minutos veiculada pelo Jornal da Record, a emissora – controlada pela Universal – recorreu a imagens de arquivo para vincular a Globo à ditadura militar e aos escândalos Time-Life e Proconsult. E destacou que a emissora carioca ignorou o movimento Diretas-Já, em 1984. Nesta quinta-feira, novo round, com os mesmíssimos ingredientes.
Em nota enviada a Terra Magazine, a Central Globo de Comunicação afirma que está dando ao caso Universal "tratamento equivalente" ao que deu a outros fatos jornalísticos, como a deflagração da Operação Satiagraha, em julho de 2008. A central de comunicação da Rede Record afirmou, por sua vez, que a emissora "não está atacando ninguém, apenas respondendo às acusações feitas e aos ataques que partiram da Rede Globo".
"O que o cidadão em casa tem a ver com a briga entre a empresa Record e a empresa Globo? Ele não tem nada a ver com isso", critica Laurindo. " Ele tem que receber um serviço público correto de rádio e TV, que atenda aos seus interesses e as suas necessidades". Confira a entrevista:
TERRA: Terra Magazine – Como o senhor avalia o embate entre Globo e Record observado nos últimos dias?
Laurindo Leal Filho – Sem dúvida é uma luta pela audiência, o fato de a Record a cada momento subir mais aceleradamente no Ibope, com resultados que nunca foram obtidos desde o surgimento da Globo. Desde que ela assumiu a liderança, nunca sofreu um abalo de audiência tão grande. Essa, sem dúvida alguma, é a razão central da investida da Globo contra a Record, ampliando e amplificando a manifestação do Ministério Público contra os proprietários da Record. Essa é a realidade. Agora, o problema que me parece mais grave para o Brasil e para o setor de comunicações é o fato de que duas empresas se utilizam do espaço público, já que ambas são concessões públicas, para fazerem trocarem acusações e fazerem ataques em defesas de seus interesses empresariais.
TERRA: Sim… LEAL: Ou seja: são duas empresas comerciais que se utilizam do espaço público – que não é delas, é da sociedade – para resolver pendências comerciais e empresariais. Isso é absolutamente incompatível com o Estado democrático, onde o espaço público de rádio e televisão tem de ser organizado em função dos interesses da sociedade, e não dos interesses particulares e comerciais de Globo e Record. Esse é o grande problema que não está sendo discutido. O que o cidadão em casa tem a ver com a briga entre a empresa Record e a empresa Globo? Ele não tem nada a ver com isso. Ele tem que receber um serviço público correto de rádio e TV, que atenda aos seus interesses e as suas necessidades.
TERRA: A Record diz que, por conta do domínio da Globo, o Brasil hoje vive um "monopólio" na TV… Isso é real? Essa disputa não dá sinais de que estejamos caminhando para uma espécie de duopólio?
LEAL: É verdade. Se há algo positivo nessa crise, é o fato de o monopólio da Globo estar sendo arranhado. Isso acontece tanto do ponto de vista da audiência… O fato de o reality show A Fazenda estar derrotando a Globo no domingo mostra que o monopólio está abalado. Esse é um fato importante, embora eu acredite que poderia ter sido abalado com outras armas, não com instrumentos semelhantes aos da Globo. O outro aspecto positivo é o fato de que a Record esta colocando no ar, para milhões de brasileiros, informações sobre a história da Rede Globo que poucas pessoas conheciam. Todos nós na área de comunicação e na Universidade sabíamos desses fatos, mas a grande maioria da população com certeza não sabia quais eram as relações promíscuas que marcaram toda a história da Globo com todos os governos da República. Esse é um fato positivo: colocar para o grande público a história real da Globo.
Leia a matéria na integra aqui: http://zequinhabarreto.org.br/?p=2323 .

O SENADO FEDERAL DEVE SER EXTINTO?

O fim do Senado precisa ser discutido. Entrevista com Dalmo Dallari
São centenas de atos secretos apurados e a contagem continua. Conforme avança a investigação das ordens administrativas que beneficiaram sigilosamente parentes e amigos de senadores, descobre-se que agir em segredo já não era o bastante: até atos "ultrassecretos" foram assinados pela mesa-diretora do Senado.
Acuado, o presidente da Casa, José Sarney, cujos parentes se espalham por gabinetes de colegas, anunciou a instalação de uma comissão de sindicância para apurar as denúncias, a criação de um portal de transparência para que se publique tudo o que acontece ali e uma auditoria externa na folha de pagamento. Mas não sem antes dividir a responsabilidade com os outros senadores e com a instituição: "A crise do Senado não é minha, é do Senado", disse Sarney em discurso aos pares, que aceitaram calados sua parte de culpa.
A reportagem e a entrevista é de Flávia Tavares e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 21-06-2009. "O modelo bicameral brasileiro não se justifica", provoca o jurista Dalmo Dallari, que trabalha em um livro sobre o constitucionalismo em que analisa a necessidade de duas casas legislativas. "Para que, além dos representantes do povo, que são os deputados, precisamos de representantes dos Estados, se eles são tão dependentes do governo federal?", questiona o professor da Faculdade de Direito da USP, colocando em xeque uma casa parlamentar que controla um orçamento de R$ 3 bilhões. Em Fundamentos do Constitucionalismo – História, Política e Direito, a ser publicado ainda este ano, Dallari busca paralelos com os modelos americano, francês e inglês para sustentar que um Legislativo forte não é necessariamente dividido em dois.
Mas admite que, isolada, a extinção do Senado não é viável. "É aí que uma reforma política que adote o sistema distrital se faz fundamental", diz. "Esse é o início de uma discussão. É preciso entender que, com um Legislativo melhor, a democracia se fortalece." Eis a entrevista
Estado: Em seu novo livro, o senhor critica o modelo bicameral do Legislativo brasileiro. Por quê?
DALLARI: É fundamental recuperar a história para entender como nasceu o sistema bicameral. No mundo moderno, há três modelos básicos de Constituição. Um é o inglês, que tem uma peculiaridade: a Constituição é parcialmente escrita e se baseia em grande parte em decisões judiciais, que criam parâmetros para temas importantes. Por esse motivo não é tão imitada. O segundo modelo é o americano, a primeira Constituição escrita da história. E o terceiro é o francês, que se baseou em teorias filosóficas e políticas de pensadores como Rousseau e Montesquieu e foi influenciado pelos EUA, pois também é escrito.
Estado: Como surge o bicameralismo em cada um dos casos? DALLARI: Na Inglaterra, que firmou sua Constituição no final do século 17, o grande desafio da nobreza decadente era conter a burguesia ascendente. Por isso, o parlamento britânico é, ainda hoje, dividido em duas casas: uma é a Câmara dos Lordes, que é a dos nobres. A outra é a Câmara dos Comuns, dos burgueses. Nos EUA, em 1787, nasceu a ideia de uma Constituição para as antigas colônias que, a partir dali, foram chamadas de Estados, mas com o pressuposto de que não perderiam a independência. Os americanos, também influenciados por Montesquieu, defendiam a separação dos poderes. Decidiram num primeiro momento que se criaria um Legislativo em que os membros seriam eleitos pelo povo e que o número de representantes de cada Estado seria proporcional ao número de eleitores.
Estado: Por que criaram o Senado então?
DALLARI: Porque surgiu um grave problema: os Estados do norte não tinham escravos. Seu número de eleitores era maior e, portanto, maior seria o número de representantes. Já o Sul, escravista, ficaria com menor representação. Para conter os abolicionistas, criou-se o Senado, com número igual de representantes dos Estados, que deveria confirmar tudo o que fosse aprovado na primeira Casa. Assim, a escravatura durou mais 80 anos nos EUA. A partir daí, houve uma busca de justificativa mais nobre para a existência do Senado: os senadores seriam embaixadores dos Estados junto ao governo central.
Leia a matéria na Integra aqui: http://zequinhabarreto.org.br/?p=2389 .

DITADURA NUNCA MAIS

Ministro Tarso Genro pede julgamento de torturadores da ditadura
Julgar os torturadores que agiram durante o regime militar não é revanchismo, mas um ato de justiça e de respeito aos direitos humanos, disse no sábado (22/08) o ministro da Justiça, Tarso Genro, durante a comemoração dos 30 anos da Lei de Anistia no Brasil. "Tortura é crime imprescritível e inanistiável.
Julgar esses casos representa a continuidade do processo de democratização do país", disse o ministro em evento realizado no Arquivo Nacional, no centro do Rio. Segundo o ministro, levar os torturadores aos tribunais é fundamental para que, aos poucos, os direitos fundamentais e a dignidade humana sejam internalizados pelas instituições e pela sociedade brasileira. "Para que nunca mais haja tortura no país, seja contra presos políticos, seja contra presos comuns que ainda são torturados no Brasil".
Para Tarso Genro, o STF (Supremo Tribunal Federal) deve considerar procedente a ação [Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental - ADPF 153] que foi apresentada para responsabilizar civil e penalmente as pessoas que cometeram tortura durante a ditadura. "Aqueles que alegam que o governo exige o julgamento dos responsáveis por crimes de tortura na época da ditadura no Brasil para desmoralizar o Exército são os mesmos que estiveram a serviço da tortura nesse período", afirmou o ministro sob aplausos de pé de centenas de pessoas que participaram do evento.
A ação contesta a validade do Artigo 1º da Lei da Anistia (6.683/79), que considera como conexos e igualmente perdoados os crimes "de qualquer natureza" relacionados aos crimes comuns praticados por motivação política no período de 2 de setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979. Para o advogado Modesto da Silveira, um dos homenageados por Tarso Genro no evento, crimes de tortura não se enquadram no artigo primeiro da Lei de Anistia. "Tortura não é crime político. Estupro não é crime político nem crime conexo. O que há é uma má interpretação da lei", acredita. (Agência Brasil)

domingo, 30 de agosto de 2009

FOTOPOEMA

“Duas Gerações, mesmos objetivos, derrubar cercas e muros”

FOTO: Luciano Garcia

"Mais uma parceria com um artista. Desta feita um artista das lentes, do registro de imagens. Luciano Garcia é um garoto da Capital São Paulo que conhecí na Militancia Política. Mesmas origens que as minhas, este católico de esquerda, começou na fotografia clicando pessoas em movimento, pessoas em luta por condições melhores de vida. Cada imagem deste menino, que despertou para a arte de fotografar em 1997, traz sofrimentos, angustias, esperanças e solidariedade do povo pobre, trabalhador e excluído de oportunidades. Suas fotos despertou em mim o desejo de escrever poesia, sobre cada foto de Luciano. Mas versos e frases livres, tiradas de minhas impressões sobre as imagens. È lindo e revela milhões de sensações o que venho extraindo de cada trabalho de Luciano. Se você quiser conhecer mais o trabalho deste artista acesse os seguintes endereços: http://www.lucianofotos.com/ e http://www.flickr.com/photos/lucianogarcia/ ."

DICA DE FILMES

"Feira de Filmes é uma loja de DVDs voltados para as lutas populares e sociais. A loja tem um acervo enorme de filmes alternativos, independentes e de temáticas de esquerda e revolucionária. Quem quiser adquirir, o endereço eletrônico é: feiradefilmes@gmail.com ou pelo telefone:11-6621-5033. Vou publicar aqui sinopse de dois DVDs por dia, mas a lista completa é só pedir que a loja envia".
“2001: Uma Odisséia no Espaço” de Stanley Kubrick
Desde a "Aurora do Homem" (a pré-história), um misterioso monolito negro parece emitir sinais de outra civilização interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas liderados pelo experiente David Bowman (Keir Dullea) e Frank Poole (Gary Lockwood) é enviada à Júpiter para investigar o enigmático monolito na nave Discovery, totalmente controlada pelo computador HAL 9000. Entretanto, no meio da viagem HAL entra em pane e tenta assumir o controle da nave, eliminando um a um os tripulantes.
“Alphaville” de Jean-Luc Godard
A população da cidade futurista de Alphaville é dominada pelo computador Alpha 60 que aboliu os sentimentos. O agente Lemmy Caution é enviado à cidade com a missão de encontrar seu inventor, o Professor Von Braun, e convencê-lo a destruir a máquina.

MOVIMENTOS SOCIAIS EM MOVIMENTO

ENCONTRO EM LIMEIRA VII Encontro de Associações Sócio-Educacionais busca por melhorias na qualidade das ações e debate a legislação do aprendiz O VII Encontro de Associações Sócio-Educacionais promovido pela Febraeda (Federação Brasileira de Associações Sócio-Educacionais de Adolescentes) em parceria com o CAMPL (Centro de Aprendizado Metódico e Prático de Limeira) reuniu cerca de 150 pessoas, entre dirigentes, coordenadores e técnicos de entidades de todo o país. Com uma participação de pelo menos 30 municípios dos 58 representados pela Federação.
O encontro, realizado nos dias 28 e 29 de agosto, debateu temas relacionados ao atendimento sócio-educativo desenvolvido nas entidades, na busca por melhorar a qualidade das ações e a integração entre os profissionais da área.
A abertura do encontro aconteceu na Câmara de Limeira numa solenidade em que foi apresentado para os participantes o trabalho do CAMP local. Representantes de diversos segmentos da sociedade e autoridades como o deputado federal Marco Aurélio Ubiali, o deputado estadual Francisco Sardelli e vereadores municipais - Eliseu Daniel dos Santos e Nilce Segalla - participaram da abertura.
A solenidade foi presidida por Guilherme Teodoro Mendes (presidente da Febraeda) que destacou a importância do trabalho realizado pelos profissionais que atuam na área do atendimento sócio-educativo.
Já o vice-presidente da Febraeda, Paulo César Junqueira Hadich, que também preside o Conselho Deliberativo do CAMPL relatou parte da trajetória da entidade em Limeira. “O trabalho realizado pelo CAMP local é uma história de conquistas e sucesso. A nossa meta é ampliar ainda mais o número de adolescentes atendidos por estes projetos”, afirmou Hadich.
Atualmente o CAMP Limeira oferece capacitação profissional para 150 adolescentes, criando oportunidades de qualificação educacional, além de acompanhamento psicológico, atendimento odontológico e atividades de lazer.
O presidente do CAMP Limeira, Adalto Rossetto Pacheco, esteve presente nas principais discussões do encontro. “Hoje estamos juntos para ajudar a resolver os problemas dos adolescentes. Levar este projeto a frente é a nossa missão”, disse.
O encontro de dirigentes, coordenadores e técnicos ocorreu durante toda a sexta-feira (28/08) e na manhã do sábado (29/08) com uma programação bastante extensa e diversificada. Grupos de trabalhos foram formados visando a troca de experiências entre os profissionais e a discussão dos relatos de dificuldades enfrentadas pelas associações com as mudanças na legislação do aprendiz, principalmente no que se refere a adequação da carga horária de trabalho.
“O encontro em Limeira representou um passo importante para a consolidação de laços entre as entidades associadas e favoreceu a troca de experiências e aprendizado tão fundamentais para as práticas desenvolvidas no atendimento sócio-educativo dos adolescentes e jovens”, concluiu o presidente da Febraeda, Guilherme Mendes. Talita Requena Assessora de Imprensa E-mail: imprensa@campl.org.br (19) 3039-4297 / 9719-3532

SECÇÃO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Poemas sobre a fé Por Constâncio Negaro
Orações
ajoelhado
diante de lençol nácar
no silêncio do espaço sacro
enquanto os irmãos dormem
eu me masturbo
diante do crucifixo
que ejacula orações mudas
Relance
vi de relanceas nádegas do irmão
ao sair da cela
e a imagem me persegue
dia e noite me persegue esta maldita
imagem
e as rezas não bastam...
Pão
na cozinha
ao sovar a massa na madeira
transpiro o suor dos virgens sedentos
de sexo
depois...é ver o pão
esculpido pelo calor do forno
ser mastigado
junto ao vinho tinto de mesa
como se o vermelho – resíduo nos lábios –
fosse sangue extraído da própria carne
Sons
sexta-feira
é dia de coral
eu nos sons que vêm da rua
mas a musicalidade
que sai de minha boca é sacra
e mistura-se ao hálito de homens
que se acreditam anjos
Anjos
à noite
cada um entra em sua cela
túmulo de gestos obscenos e ejaculações noturnas
cedo
junto ao ar morno do sexo reprimido que vaza pelas frestas
das portas
anjos saem soerguidos como os amantes de um quarto
de motel
e atravessam o longo e frio corredor com trajes negro
se femininos – cruz no peito
seguem na direção do confessionário Leia o poema na Integra aqui: http://www.cronopios.com.br/site/poesia.asp?id=4163 .

BELA NOTICIA

ROBERTO CARLOS E PAUL MCCARTNEY EM BRASILÍA
O cantor brasileiro Roberto Carlos e o ex-beatle Paul McCartney podem dividr os palcos em 2010, se depender do vice-governador do Distrito Federal, Paulo Octávio. A informação é da colunista da Folha Mônica Bergamo (a íntegra da coluna está disponível para assinantes do jornal e do UOL). Segundo a colunista, a ideia é dos organizadores da festa de 50 anos de Brasília, no ano que vem. Paulo Octávio vai se encontrar hoje com o Rei e fazer o convite para que ele abra o show de McCartney que está sendo negociado como atração principal do evento.

NOTICIA TRISTE

Morre o cantor Nelson Roberto Perez, o Bob Nelson
O cantor Nelson Roberto Perez, mais conhecido como Bob Nelson, morreu nesta sexta-feira (26), aos 91 anos, vítima de uma parada cardíaca. O corpo do músico foi enterrado no cemitério São João Batista, na manhã deste sábado (29).
Bob Nelson foi o primeiro artista brasileiro a misturar o ritmo regional caipira com o country americano. TrajetóriaBob Nelson nasceu em Campinas, em 12 de outubro de 1918. Na cidade, estudou para ser ferroviário, como o pai, mas se recusou a seguir a profissão por muito tempo. No lugar disso, tentou a vida na capital paulista, em 1944, com a ajuda da irmã, Dalva, participando de programas de calouros.
Em recente entrevista, Bob Nelson afirmou que a primeira coisa que comprou com o dinheiro que ganhou cantando foi um maço de cigarros. No auge da carreira, quando já fazia a mistura do caipira com o country, Bob Nelson chegou a compor músicas para Luiz Gonzaga.
Sua importância musical foi homenageada por Erasmo e Roberto Carlos, com a canção A Lenda de Bob Nelson. O músico continuou a fazer shows até chegar aos 90 anos. Em entrevista recente, ele disse que "não conseguiria parar até morrer."

sábado, 29 de agosto de 2009

FOTOPOEMA

“O Tambor vai bater forte, e trazer dança e festa, nunca a guerra”

FOTO: Luciano Garcia

"Mais uma parceria com um artista. Desta feita um artista das lentes, do registro de imagens. Luciano Garcia é um garoto da Capital São Paulo que conhecí na Militancia Política. Mesmas origens que as minhas, este católico de esquerda, começou na fotografia clicando pessoas em movimento, pessoas em luta por condições melhores de vida. Cada imagem deste menino, que despertou para a arte de fotografar em 1997, traz sofrimentos, angustias, esperanças e solidariedade do povo pobre, trabalhador e excluído de oportunidades. Suas fotos despertou em mim o desejo de escrever poesia, sobre cada foto de Luciano. Mas versos e frases livres, tiradas de minhas impressões sobre as imagens. È lindo e revela milhões de sensações o que venho extraindo de cada trabalho de Luciano. Se você quiser conhecer mais o trabalho deste artista acesse os seguintes endereços: http://www.lucianofotos.com/ e http://www.flickr.com/photos/lucianogarcia/ ."

DICA DE FILMES

"Feira de Filmes é uma loja de DVDs voltados para as lutas populares e sociais. A loja tem um acervo enorme de filmes alternativos, independentes e de temáticas de esquerda e revolucionária. Quem quiser adquirir, o endereço eletrônico é: feiradefilmes@gmail.com ou pelo telefone:11-6621-5033. Vou publicar aqui sinopse de dois DVDs por dia, mas a lista completa é só pedir que a loja envia".
"Memórias do Saque" de Fernando Sollanas
Um registro da histórica revolta dos argentinos em 2001. O filme faz a genealogia da pior crise da história argentina e aponta os principais responsáveis por essa situação dramática. Em dezembro de 2001, os argentinos saíram às ruas para protestar contra o governo de Fernando de la Rúa, já que a maior parte da população se encontrava em situação de penúria. Nas manifestações, que foram reprimidas pelas forças policiais, 34 pessoas morreram e o presidente De la Rúa acabou renunciando. As altas dívidas, o ultraliberalismo, a corrupção e as privatizações foram resultado de uma política de terra arrasada empregada pelo presidente, com a ajuda de empresas multinacionais e a cumplicidade de organizações internacionais, como o Banco Mundial e o FMI.
"México Rebelde"
Este documentário vai ao interior do estado de Chiapas, no México, para detalhar e denunciar a situação de penúria, abandono e violência contra as comunidades indígenas e pobres, que começaram á se levantarem através do EZLN (Exército Zapatista de Libertação Nacional). Além da extrema pobreza, o povo mexicano das áreas como Chipas, ainda enfrenta a repressão sangrenta dos paramilitares que não exitam em assassinar idosos, mulhreres e crianças. Mas, os zapatistas lutam contra essa opressão, liderados pelo auto-intitulado SubComandante Marcos e organizados em municípios “autônomos” e de “bom-governo”. Lutam pela terra, pelo reconhecimento da diversidade das culturas indígenas e contra sua discriminação, além de fazerem parte do denominado “povo de Porto Alegre” (em alusão ao Fórum Social Mundial de 2002) e por seus princípios universalistas. Muitos jovens do mundo todo vão até Chiapas prestar apoio aos zapatistas, e estes não deixam de lado uma nova ferramenta de luta: a internet.

JORNALISMO PANFLETÁRIO?

CASO LINA & DILMA
Imprensa joga a toalha Por Luciano Martins Costa em 28/8/2009 Comentário para o programa radiofônico do OI, 28/8/2009
As edições online dos jornais informavam, desde o final da tarde de quinta-feira (27/8), que durante a curta gestão da ex-secretária Lina Vieira a Receita Federal reduziu sua ação contra grandes empresas.
O Estado de S.Paulo parece ter jogado a toalha que vinha mobilizando a imprensa nas últimas semanas. Ao publicar entrevista do líder do governo no Senado Romero Jucá, desmentindo uma série de especulações que procuravam dar verossimilhança à denúncia de Lina Vieira de que havia sofrido pressões da ministra Dilma Rousseff para "agilizar" a fiscalização sobre o empresário Fernando Sarney, o jornal paulista parece estar tentando se redimir de uma enorme barrigada.
Para preservar algum respeito pela imprensa, convém considerar a controvérsia entre a ex-secretária e a ministra como um equívoco, porque a outra alternativa – a hipótese de que os principais jornais do país estão engajados numa campanha para desacreditar a provável candidata situacionista à Presidência da República – soa absurda demais, pelo risco que representa para a própria imprensa.
História inconsistente
Algumas informações divulgadas por outros meios oferecem claros indícios de que a versão apresentada com insistência pelos jornais não sobreviveria à mais simples investigação.
Uma dessas informações circula pela internet, com origem no portal Terra, que entrevistou o ex-secretário da Receita Everardo Maciel, que por haver ocupado o cargo durante todos os dois períodos do governo Fernando Henrique Cardoso, não pode ser visto como figura suspeita de tentar favorecer a ministra petista. Maciel afirma que toda essa história, bem como a acusação de irregularidades com que a oposição tenta alimentar a CPI da Petrobras, não passam de factóides sem fundamento.
Ao apostar numa história inconsistente que pode ser desmentida cabalmente a qualquer momento, os principais meios da imprensa brasileira colocam sua reputação na linha de tiro.

UMA NOTICIA ESTRANHA

"O texto abaixo foi publicado na edição de hoje do jornal A Gazeta de Limeira. Aparentemente nos leva crer que seu conteúdo seja ao mesmo tempo de denuncia e de utilidade pública. Até aí nada demais. O que me estranhou é o fato do jornal não divulgar o nome da emissora de TV, que teria cometido o erro de anunciar o horário de encerramento da Feira de folheados equivocadamente. Se há provas do fato, porque não levou ao conhecimento dos leitores?. Porque o Jornal nãoouviu a emissora, para a mesma esclarecer o que houve?. O fato é mesmo relevante?."
ENGANO
Emissora divulga horário errado da Aljoias e causa transtornos
Cláudia Trento
Uma emissora de TV divulgou que o horário de funcionamento da Aljoias, Feira Internacional de Joias Folheadas, Brutos, Máquinas, Insumos e Serviços, ontem, era até as 20h. No entanto, o evento, que estava em seu último dia, terminou às 17h30.
Em decorrência disso, muitas pessoas chegaram ao Centro de Eventos depois do horário de encerramento e ficaram irritadas ao serem impedidos de entrar no recinto. “Tinha gente que chegou a ligar para a organização do evento e disse que a feira iria até as 21h”, disse a administradora de empresas, Regina Catalano.Segundo Regina, havia pessoas que vieram de outras cidades para prestigiar o evento e deram com a “cara na porta”. “Eu ouvi um homem dizer que dirigiu cerca de 20 quilômetros para visitar a feira e não pôde entrar.
Tudo porque informaram o horário de fechamento errado”, reclamou.A administradora de empresas também ficou descontente com a situação. “Me arrumei, saí de casa para chegar no local e não pude ver nada”, desabafou Regina, que deixou para visitar a feira em seu último dia. Extraído: http://www.gazetadelimeira.com.br/Noticia.asp?ID=26819 .

25 anos do MST

"O Link abaixo dá acesso a um vidêo preparado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, sobre o seus vinte e cinco anos de contribuição a luta pela Reforma Àgraria e na defesa de Direitos Humanos dos pobres e excluídos. Elaborado a partir da Marcha Estadual da Reforma Àgraria, realizada em São Paulo no mês passado, o trabalho tem depoiemento de trabalhadores, parceiros e personalidades, que falam sobre a importancia deste movimento, para a Democracia Brasileira".

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

O PT MORREU? III

O DESMANCHE DO PT - E DE LULA
Por: Laerte Braga
Há um pensamento dominante entre petistas que qualquer crítica ao governo Lula signifique apoio, ou consentimento, ou ajuda, a manobras tucano/democratas para eleger José Serra em 2010. Ou o tresloucado governador de Minas Aécio Neves. Petistas não têm o hábito de olhar para o próprio umbigo e perceberem os equívocos cometidos pelo governo Lula e pelo partido numa trajetória errática que, mesmo com os altos índices de aprovação do presidente, não o exime de críticas.
Uma coisa são as alianças podres do governo e outra coisa são os podres tucanos e fétidos democratas. Eu não votaria em Aluísio Mercadante para nada. Mas entendo sua decisão de renunciar à liderança da bancada do partido no Senado. Não votaria nele, mas há diferenças abissais entre Mercadante e Jereissati ou qualquer tucano. Mercadante é um sujeito decente, tucano não sabe o que é isso.
O problema é que Sarney é um dos cânceres da política nacional e como todo câncer precisa ser extirpado. Do contrário todo o organismo fica comprometido. E não há nenhum milagre no fato de Lula ser mais popular que FHC. Qualquer um que não seja tucano ou democrata em qualquer canto do mundo.
O xis da questão é que quando os eleitores se libertaram do jugo corrupto dos tucanos, do governo FHC, elegeram Lula para fazer o contrário. Lula não fez. Dourou a pílula, evitou uma ou outra das costumeiras besteiras de FHC, o caráter entreguista do governo, mas não foi além do "capitalismo a brasileira", perfeita definição de Ivan Pinheiro.
E isso, evidente, porque há uma diferença de caráter entre o atual presidente e o ex-presidente. Lula não é bandido. Mas também não é mocinho.
A senadora Marina da Silva viveu na pele, sofreu, agüentou, tentou de todas as formas, que políticas ambientais - era o que lhe cabia no governo enquanto ministra - obedecessem ao programa do seu partido, o PT.
Esbarrou no pragmatismo de setores do governo e do partido, numa aliança inacreditável que levou, por exemplo, o norte-americano Henry Meireles (algumas pessoas chamam de Henrique) à presidência do Banco Central.
Em busca de uma "governabilidade" que não tinha nada a ver com os anseios e aspirações dos brasileiros que o elegeram, Lula juntou-se a partidos e políticos inaceitáveis em qualquer circunstância.
O que foi o mensalão? A jogada perversa, mas fria, planejada e pensada de um político ligado à ditadura militar, com postura de extrema-direita, mas corrupto confesso, Roberto Jéferson, em favor de tucanos.
Por detrás da postura de Jéferson havia apenas um jogo de interesses e o ex-deputado não fez nada daquilo por acesso de bom caratismo, até porque nada do que disse ficou provado até hoje. Ao contrário da compra de votos para aprovar a emenda constitucional da reeleição no primeiro governo de FHC. Mas Lula deixou-se enredar e cada vez mais foi atolando seu governo e seu partido num PMDB tucano, sob a batuta de Michel Temer e noutra faceta, a do coronelismo, sob a regência de José Sarney.
Existe algo maior que Lula e o PT. Não inventaram nem a esquerda e nem a luta popular. Se faz parte do governo uma figura com a estatura de Celso Amorim, ou do secretário geral do Itamaraty, embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, do ministro da Saúde, que por sinal é do PMDB, José Carlos Temporão, fez parte até pouco tempo um embuste chamado Mangabeira Unger. Está no Ministério das Comunicações um político no mínimo complicado, Hélio Costa.
Quais os avanços reais e efetivos na reforma agrária? Por que a entrega de ponderável parte do pré sal?
A opinião pública foi iludida no governo FHC com a conversa fiada que privatizando o governo teria mais dinheiro para a saúde, a educação e políticas sociais de reais e efetivos avanços, na prática, o programa bolsa família, tocado com a competência e a seriedade do ministro Patrus Ananias (uma das exceções positivas), mas e daí?
O governo Lula caiu na armadilha da política rasteira de Brasília, uma espécie de ilha da fantasia e os aspectos positivos acabam se perdendo nessa "arraia miúda", pagando o preço de defender um dos mais corruptos e venais políticos do Brasil contemporâneo, exatamente José Sarney.
O Senado todo é uma desnecessidade como afirma o jurista Dalmo Dalari de Abreu? Num projeto político de governo popular é sim. Não importa que existam cinco ou seis senadores decentes. A chamada Câmara Alta pratica a mais baixa forma de política. Lula pensou pequeno.
A senadora Marina da Silva, à frente do Ministério do Meio-ambiente, tratou de defender interesses nacionais para além dos específicos de sua pasta.
A Amazônia é talvez o maior desafio para o País, ao lado do problema da Comunicação em poder de grupos controlados de fora. Por gente de fora. De olho na Amazônia.
Quando candidato a presidente Lula falava em projeto Brasil. Onde está? Nos acordos feitos com a MONSANTO para a produção de transgênicos? Na VALE privatizada? Na EMBRAER em mãos do capital estrangeiro?
Na PETROBRAS acossada dia e noite por bandidos do porte de Jereissati, FHC, Arthur Virgílio, de olho nas contas bancárias e nas contribuições das empresas estrangeiras do setor petrolífero? Há dias a Marinha brasileira divulgou um comunicado oficial repudiando e desmentindo o jornal THE GLOBE (alguns conhecem como O GLOBO) sobre a questão dos submarinos movidos a propulsão nuclear. Já poderíamos ter pelo menos três desses submarinos tomando conta das costas, do litoral do Brasil e não o temos por conta do jogo de empurra e entrega do governo FHC e da falta de decisão do governo Lula. A decisão veio agora e como compensação política. Não como parte de um projeto de defesa da soberania nacional e da integridade de nosso território que passa pelo mar territorial brasileiro. São indispensáveis, os submarinos.
Pior ainda. A Aeronáutica brasileira está a mercê de interesses norte-americanos e de Israel no que diz respeito a ser reequipada com caças à altura das reais necessidades da segurança nacional. É um problema que rola desde os tempos de FHC e Lula não resolveu. Só procurou equilibrar-se na conversa de uma no cravo e outra na ferradura, ou em soluções paliativas.
Segurança não pode confundido com empregado do CARREFOUR levando um negro para um quartinho (a empresa é cúmplice, é bandida) pelo fato de ser negro e, portanto, suspeito de ser ladrão. Uai! FHC é branco. Sarney apesar de pintar cabelos e bigodes de preto é branco. E nunca ninguém levou os dois para quartinho escuro.
A política de Lula para a Amazônia, para além da questão ambiental, inexiste. Ou o que existe é um outro exercício de equilibrismo entre as mega concessões feitas a setores e grupos privados e as palhaçadas do ministro Minc com dados estatísticos que não comprovam coisa alguma no essencial.
Falta decisão política efetiva de uma integração latino-americana que exclui tropas no Haiti. E um monte de outras coisas. Onde o governo Lula consegue avanços - e existem - é onde estão figuras que na verdade garantem o mínimo de credibilidade e visibilidade desses avanços. Do contrário seria só uma exibição fantástica de carisma de Lula, inegável, mas compreensível se comparado com alguém como FHC, uma figura que tipifica o ser amoral. Sem escrúpulos.
Ou você acha que Obama chama Lula de "o cara" por que?
O governo dá a sensação, outro ponto, que não atinou para a grave ameaça à soberania nacional e especificamente a Amazônia, no que diz respeito ao acordo militar entre a Colômbia e os Estados Unidos. Sete bases militares para "combater o narcotráfico"? Ora, o narcotráfico, segundo o departamento de combate às drogas do governo dos EUA, está no governo colombiano. Em Álvaro Uribe.
E é o que menos importa. Importa o controle da Amazônia. Quando a GLOBO e outros se referem às FARCs como "terroristas" estão apenas tentando criar na opinião pública - e criaram - o monstro que devora criancinhas, mata idosos, não permite a democracia, quando no duro, as FARCs são um ponto de resistência ao avanço dos EUA sobre a Amazônia brasileira ou não.
Em seguida ao cancelamento da visita do presidente do Irã ao Brasil, o líder sionista (sinônimo de fascismo) que ocupa o ministério das Relações Exteriores de Israel apareceu por aqui para deitar falas sobre cooperação, de olho em comunidades palestinas no sul do País e na água, no controle da tríplice fronteira, onde agem às escancaras terroristas do MOSSAD.
Por que o governo brasileiro não rompeu relações diplomáticas com o governo golpista de Honduras? Qual a razão da presença de tropas brasileiras no Haiti num processo de ocupação e repressão ao sabor dos interesses dos EUA?
Marina da Silva não é a ponta de um iceberg. É o próprio. Não agüentou digerir tantos sapos assim. E existem diferenças fundamentais entre ela e Heloísa Helena. A senadora Marina tentou de todas as formas resistir dentro do PT. Não é uma temperamental como a alagoana. E não vai aqui nenhuma crítica sobre conduta em relação a Heloísa Helena, só a forma, ao jeito.
A decisão de deixar o partido foi consciente. Pensada e pesada. O que vai fazer daqui para a frente é outra conversa. Se se deixar ludibriar pelo canto de tucanos e democratas joga fora sua história. Não creio que faça isso. A senadora não dá mostras, nunca, de assimilar a convivência com pústulas padrão José Serra.
O problema Marina da Silva não é só Marina da Silva, o tamanho da perda (imenso). É o processo autofágico de Lula e do PT.
Isso significa que presidente e partido são absolutamente irresponsáveis no que diz respeito à luta popular e pensam apenas e tão somente na política menor de um institucional carcomido pela corrupção e pelo entreguismo.
Não se pode exigir das pessoas que fechem os olhos a isso e apóiem incondicionalmente o governo e seu partido.
Apoio incondicional, um político mineiro dos velhos tempos dizia que a gente "só presta a mãe". O que está em jogo é bem maior que Lula e o PT.
Os caminhos são outros. Ou esse País vira estado norte-americano, república de bananas, com bases militares no Nordeste como querem os EUA, sob a batuta de bandidos tucanos democratas à frente José Serra e toda a corte FIESP/DASLU.
Na luta pelo Brasil soberano, independente e justo, Lula e o PT são episódicos. Essa construção está acima deles. E a resistência se estende a atitudes e posturas como a de aliar-se a figuras como Sarney. Não se trata de sobreviver a nada, mas tão somente de criar condições de governabilidade dentro de um processo corrupto e anti-nacional. É abrir as portas para José Serra em 2010. Ou pior, o irresponsável do governador de Minas. O tal que não tem dinheiro, mas compra apartamento de 12 milhões de reais.

CIÊNCIAS SOCIAIS EM DEBATE

1 A 3 DE SETEMBRO Colóquio debate contribuição das ciências sociais para a globalização Jeverson Barbieri Fotos: Antoninho Perri Edição das imagens: Everaldo Silva [28/8/2009] As possíveis contribuições das ciências sociais para a compreensão da globalização e na elaboração de políticas públicas são os objetivos principais a serem debatidos durante o Colóquio “A internacionalização das ciências sociais francesas e a cooperação científica com o Brasil”. Organizado pelo Grupo Focus, da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, em parceria com o Réseau thématique pluridisciplinaire, Société en évolution, Sciences Sociales en mouvements (RTP) do Centre national de la recherche scientifique (CNRS) de Paris, o evento, que é parte integrante das comemorações do ano da França no Brasil, será realizado no auditório da Biblioteca Central "Cesar Lattes" (BC-CL), de terça-feira (1) a 3 de setembro.
De acordo com a professora Letícia Bicalho Canêdo, uma das coordenadoras do Focus, o mote principal surgiu a partir da origem do projeto temático financiado pela Fapesp e coordenado por ela, que trata de uma grande preocupação com a questão da mundialização. “Percebemos que grande parte dos trabalhos acadêmicos estuda a globalização sempre no registro da economia. A nossa preocupação está no papel das ciências sociais”, observou.
“Mas que globalização é essa e o que as ciências sociais têm a oferecer para a compreensão disto?” questionou Letícia. Para ela, longe de ser imediatista, as ciências sociais, principalmente a sociologia e a história, têm muito a oferecer. E a ligação com o grupo francês tem a ver com o trabalho realizado por eles, que é uma campanha pelas ciências sociais e como elas podem oferecer reflexões menos imediatistas que podem ajudar as políticas públicas e, também, pensar qual é o papel das ciências sociais no mundo de hoje.
“A gente procura saber quem são as pessoas que fazem essa globalização, como as idéias são difundidas e a partir de quem são difundidas. Existe um trabalho interessante, que será apresentado no colóquio, que exemplifica bem isso. É sobre o trabalho de edição e como, através dessa atividade, essas idéias de globalização vão se espalhando, de que forma, quem e quais são os interesses. No entanto, vale ressaltar que são trabalhos empíricos”, concluiu Letícia.

MOVIMENTOS SOCIAIS EM MOVIMENTO

Limeira: Reunião entre servidores e prefeitura é cancelada A reunião entre membros do Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos Municipais de Limeira (Sindsel), guardas municipais e prefeitura foi cancelada. O encontro estava previsto para acontecer hoje, dia 28, às 10h, na Secretaria Municipal da Segurança Pública e contaria com a presença dos secretários municipais da Administração, João Batista Bozzi, e da Segurança Pública, Siddhartha Carneiro Leão. De acordo com a direção do Sindsel, o compromisso foi cancelado em virtude da reunião entre o prefeito Silvio Félix e vereadores, marcada para a próxima quarta-feira, dia 2. A notícia de que o Félix irá atender os vereadores para discutir as reivindicações dos guardas municipais foi anunciada pela vereadora Elza Tank, durante a sessão extraordinária da Câmara Municipal de ontem, dia 27 de agosto. Sem negociação e sem propostas do governo municipal, os guardas municipais continuam em greve. Nesta tarde, a categoria irá se reunir, às 13h, em frente à prefeitura. Depois, por volta das 14h, os gms sairão em caminhada pelo centro da cidade, distribuindo carta aberta à população. Sábado
Os guardas municipais irão participar neste sábado, dia 29, às 19h30, do culto realizado pela Igreja Presbiteriana da Vila Rosália, em homenagem aos soldados, cuja data comemorativa foi dia 25 de agosto. Esse evento está sendo realizado pela primeira vez pela Igreja, que está localizada na Rua Pará, 458 - Vila Rosália Domingo
Os guardas municipais uniformizados distribuirão no domingo, dia 30, às 7h, carta aberta aos fiéis na entrada da Igreja Matriz e depois irão participar da missa. A categoria também irá pedir apoio aos representantes religiosos da Igreja Católica na cidade, para que o prefeito abra negociações. Na parte da tarde, às 17h, a categoria se encontrará em frente à Igreja Filadélfia para participar do culto às 18h, também com intuito de esclarecer a situação vivida pela GM de Limeira e pedir apoio à comunidade evangélica. A Igreja Matriz está localizada na Rua Boa Morte, 976 – Centro da cidade. Enquanto que a Igreja Filadélfia está instalada na Av. Dr. Lauro Correa da Silva, 3800 - Jd. Adélia Cavichia Grota em Limeira. Segunda-feira
A categoria se reunirá, às 8h, em frente à prefeitura e depois se dividirá em dois grupos. Os grupos vão visitar as Escolas Estaduais Brasil, às 10h, e Prof. William Silva, às 13h, onde ministrarão uma palestra de combate às drogas, além de distribuir às crianças panfletos sobre o assunto e cartas informando a situação da GM de Limeira. Lembrando que os gms normalmente realizam palestras contra as drogas quando estão em atividade. De acordo com o Sindsel o objetivo dessa ação é informar à população dos problemas que levaram à greve e oferecer uma contrapartida à sociedade, pelos transtornos causados. “A categoria gostaria de estar trabalhando, mas continua em greve devido à intransigência do governo municipal em negociar. Para minimizar os transtornos da falta desses profissionais, o sindicato tem desenvolvido atividade em prol da cidade e para que a população se conscientize da dura realidade dos guardas de Limeira”, explicou a presidente do Sindsel, Eunice Ruth Araújo Lopes. A Escola Estadual Brasil está localizada Largo José Bonifácio, 150 – Centro da cidade, enquanto que a Escola Estadual Prof. William Silva fica na Rua Dario Roland, 234 - Parque Novo Mundo
Histórico A greve da Guarda Municipal de Limeira teve início no dia 7 de agosto, após negociações frustradas com a prefeitura no dia 6 de agosto. Servidores e prefeitura voltaram a se reunir no dia 12 de agosto, mas não houve nenhuma proposta por parte da administração municipal. Na ocasião, o Sindsel propôs à prefeitura a incorporação gradativa das quatro horas-extras, ou seja, a prefeitura incorporaria duas horas-extras de imediato e as outras duas em março de 2010, data-base da categoria. A prefeitura se comprometeu a estudar a proposta, porém, ainda não ofereceu nenhuma resposta. Um levantamento financeiro realizado pelo Sindsel aponta que se a prefeitura incorporasse essas duas horas-extras de imediato, isso não representaria nem 0,5% (meio por cento) de aumento na folha de pagamento da prefeitura. O movimento grevista conta com a adesão de gms dos diversos seguimentos da Guarda Municipal, tais como: Pelotão Rural, Ambiental, Operacional, Esquadrão Tático, Escolar e Ações Especiais. As atividades do movimento grevista têm mobilizado cerca de 200 guardas municipais. As principais reivindicações da categoria são: incorporação das horas-extras, escala de trabalho de dois dias de trabalho por dois dias de folga e escolha das chefias. Atenciosamente, Nádia Pêrego Assessora de Comunicação do Sindsel (19) 3702-8447 (19) 9157-3575

AÇÕES GOVERNAMENTAIS

Ordem do Dia da Câmara Municipal de Limeira Sessão Ordinária Dia 31 de Agosto – 18h Plenário “Vereador Vitório Bortolan” I - Redação Final do Projeto de Lei nº. 98/09, de autoria da Vereadora Nilce Segalla, que dispõe sobre a obrigatoriedade aos estabelecimentos comerciais que comercializarem produtos acondicionados em embalagens descartáveis, a fixarem placas educativas ao publico consumidor, com os seguintes dizeres: “NÃO JOGUE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS ÀS MARGENS DE ESTRADAS, RIOS E LAGOAS, PRESERVE O MEIO AMBIENTE”, e dá outras providências. II – Redação Final do Projeto de Lei nº.124/09, de autoria do vereador Raul Nilsen Filho, que dispõe sobre a necessidade de apresentação anual de diagnóstico ambiental das Áreas de Preservação Permanente e Áreas Verdes inscritas em condomínios fechados residenciais no município de Limeira. III – Redação Final do Projeto de Lei nº. 212/09, de autoria da Vereadora Nilce Segalla, que institui o Dia do Bombeiro a ser comemorado no Município de Limeira, e dá outras providências. IV – Redação Final do Projeto de Lei Complementar nº. 267/09, de autoria do Prefeito Municipal, que torna responsabilidade das concessionárias de serviços públicos do município, o nivelamento do solo através da pavimentação das vias publicas por ocasião dos serviços por elas executados e dá outras providências. V - Projeto de Lei nº. 270/09 de autoria do Vereador Carlinhos Silva, que altera o artigo 1º. Da Lei nº.4246 de 12 de fevereiro de 2008, que institui a Semana Educativa Pipas sem Mortes no Município de Limeira. VI – Projeto de Lei Complementar nº. 278/09, de autoria do Senhor Prefeito Municipal que dispõe sobre a jornada de trabalho dos ocupantes de cargos de provimento em comissão da Prefeitura Municipal de Limeira e dá outras providencias. Júnia Mariano Depto. Assessoria de Imprensa http://br.mc511.mail.yahoo.com/mc/composeto=imp_presidencia@camaralimeira.sp.gov.br 19 3404.7522Rua Pedro Zaccaria, 70 Fone/Fax: 19 3404.7500 CEP: 13484.350 LIMEIRASP
PS: Pauta vazia, exceto o ultimo item, quanto a redução do horário de atendimento na Prefeitura. Penso que os Vereadores, deveriam antes de votar, convidar o chefe do executivo para explicar os motivos do corte na jornada de trabalho dos servidores, embora sem redução salarial, a medida tem prejudicado a população, e as razões até agora alegadas, são insuficientes.

FOTOPOEMA

“ Rei és, Rei serás, para sempre, do tesouro do populus"

FOTO: Luciano Garcia

"Mais uma parceria com um artista. Desta feita um artista das lentes, do registro de imagens. Luciano Garcia é um garoto da Capital São Paulo que conhecí na Militancia Política. Mesmas origens que as minhas, este católico de esquerda, começou na fotografia clicando pessoas em movimento, pessoas em luta por condições melhores de vida. Cada imagem deste menino, que despertou para a arte de fotografar em 1997, traz sofrimentos, angustias, esperanças e solidariedade do povo pobre, trabalhador e excluído de oportunidades. Suas fotos despertou em mim o desejo de escrever poesia, sobre cada foto de Luciano. Mas versos e frases livres, tiradas de minhas impressões sobre as imagens. È lindo e revela milhões de sensações o que venho extraindo de cada trabalho de Luciano. Se você quiser conhecer mais o trabalho deste artista acesse os seguintes endereços: http://www.lucianofotos.com/ e http://www.flickr.com/photos/lucianogarcia/ ."

DICA DE FILMES

"Feira de Filmes é uma loja de DVDs voltados para as lutas populares e sociais. A loja tem um acervo enorme de filmes alternativos, independentes e de temáticas de esquerda e revolucionária. Quem quiser adquirir, o endereço eletrônico é: feiradefilmes@gmail.com ou pelo telefone:11-6621-5033. Vou publicar aqui sinopse de dois DVDs por dia, mas a lista completa é só pedir que a loja envia".
"Cartola - Música para os olhos" de Lírio Ferreira e Hilton Lacerda
Esta é a história de Angenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola. Um dos mais importantes compositores da música brasileira de todos os tempos, Cartola é o autor de obras-prias como "O Mundo é um Moinho", "As Rosas não Falam", entre outras. Os diretores Lírio Ferreira e Hilton Lacerda mostram a importância de Cartola para a música brasileira, traçando um emocionante painel do autêntico samba de origem e seus principais expoentes.
"Noel, Poeta da Vila" de Ricardo Van Steen
A cinebiografia de Noel Rosa, que mudou a história da música popular brasileira. Aos 17 anos Noel Rosa (Rafael Raposo) é um jovem engraçado, que possui um defeito no queixo e gosta de improvisar quadras debochadas para os amigos. Noel estuda medicina e toca numa banda regional, com outros garotos do bairro. Noel gosta da companhia de operários, negros favelados e prostitutas, com quem rapidamente faz amizade. Até que um dia conhece Ismael Silva (Flávio Bauraqui), compositor que o desafia a compôr um samba. Noel usa uma paródia ao Hino Nacional para compôr "Com Que Roupa?", que faz grande sucesso nas rádios de todo país. A partir de então ele se dedica de vez ao mundo do samba, mudando a história da música popular brasileira.

NOTICIAS DO VELHO CONTINENTE

Um olhar nas ruas de Paris Aqui, no centro do “velho mundo”, é possível observar o que a imprensa omite 13 de julho. Eram passados pouco mais de 10 minutos da meia noite. Ao voltar para a casa de um amigo, economista e militante francês que reside no 18° distrito (arrondissement) de Paris, vejo as ruas ardendo em chamas. Em várias esquinas, carros são queimados. Perguntei a alguns jovens o que ocorria, ao que me responderam que era um protesto contra a violência policial e contra a política do governo. A juventude da periferia aproveitava a comemoração do dia 14, (Queda da Bastilha) para organizar um fortíssimo movimento que se estendeu até às 3h da madrugada e que era impossível não ser notado. No Brasil, pouco ou quase nada se falou na imprensa. Naquela noite, quase 500 carros foram incendiados.
Experiência a compartilhar Estar em uma cidade européia com a importância que tem Paris, no momento em que vivemos a maior crise do capitalismo desde 1929, além de ser marcante experiência política, é também um grande desafio. A França é parte do que acontece no resto da Europa. Mas, também é exceção. Andando pelas ruas dessa que é uma das mais belas cidades do mundo, conversando com as pessoas, visitando entidades e acompanhando a dinâmica política do país, tem-se a exata noção de que as coisas por aqui são resolvidas, para o bem e para o mal, nas ruas e no calor da luta de classes. A cidade do Iluminismo, da Revolução Francesa, da Comuna de Paris e do Maio de 68, mantém viva a tradição de grandes lutas sociais. Não pude ver, porque ainda não havia chegado, mas o Jornal do Unificados fez uma matéria que ilustrou bem como os franceses reagiram energicamente às primeiras medidas dos capitalistas, no inicio de 2009.
Quais os impactos da crise na Europa? Segundo importante entidade francesa, o L’INSEF – Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos, o desemprego real no primeiro semestre de 2009 atingiu a marca de 8,7%. De acordo com o mesmo estudo, nos primeiros meses de 2009, próximo de 3.000 franceses foram demitidos por dia. Qual o impacto de tantas demissões na vida dos europeus? Como isso influencia o Brasil? Pretendo, a partir do acompanhamento de fatos e da tomada de depoimentos, em Paris e em outras cidades européias, buscar informações que possam ajudar a responder essas questões. O drama dos imigrantes
A insistência dos governos europeus em fazer os trabalhadores pagarem pela crise tem gerado reações contraditórias na população. Se de um lado este conflito de classes gera lutas importantes em parte da Europa, ela também gera perigosas reações, mesmo entre os trabalhadores europeus. A xenofobia (ódio aos estrangeiros) e o racismo são fenômenos cada vez mais comuns. Observei isso nos aeroportos, nos serviços públicos, no tratamento dado no dia-a-dia àqueles que têm fisionomia latina, africana ou asiática. Esse sentimento é alimentado por forças políticas que se aproveitam da situação para propagar suas ideologias. Também se manifesta em políticas de estado. Um claro exemplo disso é a cada vez mais difícil concessão de vistos de permanência. O que é pior, muitos dos que são nascidos na Franca, ou que já possuem o tempo que permitiria sua legalização, têm esse direito negado. Essa política produz a organização de um movimento social muito interessante e bem organizado e que não temos no Brasil: o Movimento dos Sem-Papel (Les Sans-Papiers). Acompanhar os Sem-Papel é hoje tarefa essencial para entender para onde caminha a França e a Europa (foto) As próximas matérias Entre outras questões que nortearão as próximas matérias estão: Como se comportam os governos, bancos, empresas e suas forças políticas? E de outro lado, como atuam e respondem os trabalhadores e suas organizações? Como é a vida de brasileiros e de outros imigrantes que vivem por aqui? Como funcionam os jornais, os partidos, os movimentos sociais? O que pensam as direções sindicais? Como estão conduzindo as lutas de resistência? Que experiências podem ser aproveitadas?
Como se diz por aqui, voilà! Rodrigo Paixão, cientista político, vive atualmente em Paris

CADERNOS DE SARAMAGO

"Publicarei todo dia um texto do mestre do realismo fantastico na literatura, o prêmio Nobel e comunista José Saramago. Os textos quase todos crônicas, são originalmente do blog do escritor, http://caderno.josesaramago.org/ "
Agosto 28, 2009 por José Saramago
Desde há mais de sessenta anos que eu deveria saber conduzir um automóvel. Conhecia bem, naqueles remotos tempos, o funcionamento de tão generosas máquinas de trabalho e de passeio, desmontava e montava motores, limpava carburadores, afinava válvulas, investigava diferenciais e caixas de mudanças, instalava calços de travões, remendava câmaras de ar furadas, enfim, sob a precária protecção do meu fato-macaco azul que me defendia o melhor que podia das nódoas de óleo, efectuei com razoável eficiência quase todas as operações por que é obrigado a passar um automóvel ou um camião a partir do momento em que entra numa oficina para recuperar a saúde, tanto a mecânica como a eléctrica.
Só faltava que me sentasse um dia atrás do volante a fim de receber do instrutor as lições práticas que deveriam culminar no exame e na sonhada aprovação que me permitiria ingressar na ordem social cada vez mais numerosa dos automobilistas encartados.
Contudo, esse dia maravilhoso nunca chegou. Não são apenas os traumas infantis que condicionam e influem a idade adulta, também os que se sofrem na adolescência podem vir a ter consequências desastrosas e, como no presente caso sucedeu, determinar de maneira radicalmente negativa a futura relação do traumatizado com algo tão quotidiano e banal como é um veículo automóvel.
Tenho sólidas razões para crer que sou o deplorável resultado de um desses traumas. Mais ainda: por muito paradoxal que a afirmação vá parecer a quem das íntimas conexões entre as causas e os efeitos somente tiver ideias elementares, se nos meu verdes anos não tivesse trabalhado como serralheiro-mecânico numa oficina de automóveis, hoje, provavelmente, saberia conduzir um carro, seria um orgulhoso transportador em lugar de um humilde transportado.
Além das operações que comecei por referir, e como parte obrigatória de algumas delas, também substituía as juntas dos motores, essas finas placas forradas de folha de cobre sem as quais seria impossível evitar fugas da mistura gasosa de combustível e ar entre a cabeça do motor e o bloco dos cilindros.
(Se a linguagem que estou a usar parecer ridiculamente arcaica aos entendidos em automóveis modernos, mais governados por computadores do que pela cabeça de quem os conduz, a culpa não é minha: falo do que conheci, não do que desconheço, e muita sorte que não me ponha aqui a descrever a estrutura das rodas dos carros de bois e a maneira de atrelar estes animais ao jugo. É matéria igualmente arcaica em que também tive alguma competência).
Ora, um dia, depois de ter acabado o trabalho e colocado a junta no seu sítio, depois de ter apertado com a força dos meus dezanove anos as porcas que sujeitavam a cabeça do motor ao bloco, dispus-me a realizar a última fase da operação, isto é, encher de água o radiador.
Desenrosquei pois o tampão e comecei a deitar para a boca do radiador a água com que tinha enchido o velho regador que para esse e outros efeitos havia na oficina. Um radiador é um depósito, tem uma capacidade limitada e não aceita nem um mililitro mais do que a quantidade de água que lá caiba.
Água que continue a deitar-se-lhe é água que transborda. Algo de estranho, porém, se estava a passar com aquele radiador, a água entrava, entrava, e por mais água que lhe metesse não a via subir dançando até à boca, que seria o sinal de estar acabado o enchimento. A água que já vertera por aquela insaciável garganta abaixo teria bastado para satisfazer dois ou três radiadores de camião, e era como se nada. Às vezes penso que, sessenta e muitos anos passados, ainda hoje estaria a tentar encher aquele tonel das Danaides se em certa altura não me tivesse apercebido de um rumor de água a cair, como se dentro da oficina houvesse uma pequena cascata. Fui ver.
Pelo tubo de escape do carro saía um avultado jorro de água que, pouco a pouco, diante dos meus olhos estupefactos, foi diminuindo de caudal até ficar reduzido a umas derradeiras e melancólicas gotas. Que se passara? Tinha colocado mal a junta, tapara entre a cabeça do motor e o bloco o que deveria ter aberto, e, muito mais grave do que isso, facilitara passagens e comunicações onde não deveria havê-las.
Nunca cheguei a saber que voltas teve de dar a pobre água para ir sair ao tubo de escape. Nem quero que mo digam agora. Para vergonha bastou. Possivelmente terá sido nesse dia que comecei a pensar em tornar-me escritor. É um ofício em que somos ao mesmo tempo motor, água, volante, mudanças de velocidade e tubo de escape. Talvez, afinal, o trauma tenha valido a pena.