Seguidores

Arquivo do blog

sexta-feira, 30 de abril de 2010

ELEIÇÕES 2010

Félix sonha com um governo estadual mais republicano; pode começar orientando aliados a não repetir o papelão da Tribuna Livre da Câmara
No último sábado, dia 24, o senador Aloízio Mercadante teve sua pré-candidatura lançada pelo PT para concorrer ao governo de São Paulo no próximo outubro, em mais uma tentativa do partido derrubar a hegemonia tucana, que governa o Estado há 16 anos. O prefeito Sílvio Félix, integrante do diretório estadual do PDT, partido aliado do PT no plano federal, discursou, e sua fala está exposta em texto publicado no site do diretório estadual do PT, intitulado "Prefeitos reivindicam outro modelo de governo em São Paulo". Félix disse, segundo o site: "O que tenho visto é que o governo Lula mudou muito a relação com os prefeitos e com os municípios, na distribuição de verbas do PAC, no atendimento e no respeito aos Prefeitos. Sonho com um governo no Estado que tenha a mesma postura republicana". O texto está, obviamente, bem petista. Os demais depoimentos de prefeitos citados, como os leitores poderão observar, vão na mesma linha do que foi creditado ao administrador de Limeira. É uma fala que não se coaduna muito com que o prefeito diz publicamente por aqui, em Limeira. Pelo cargo que ocupa, Félix manteve nos últimos anos uma relação bastante cordial com Serra, tendo o recebido muitas vezes, como no lançamento do câmpus da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA/Unicamp) e, mais recentemente, na inauguração do Ambulatório Médico de Especialidades (AME). Conseguiu verbas importantes do governo Serra, como a do novo Fórum e a que vai ajudar na duplicação do Anel Viário. A imposição de um presídio, talvez, foi uma das raras estranhezas que Félix teve com o governo Serra. A política é, sem dúvida, uma área intrigante. Ainda há algumas semanas, o presidente da Câmara, Eliseu Daniel dos Santos, que é do mesmo PDT de Félix, cometeu, na tribuna da Casa, um deslize ao sugerir a rival do tucano, Dilma Rousseff, como uma assaltante de banco - pediu desculpas depois - e elogiar a biografia de Serra, governante do Estado ao qual Félix quer ver mais republicanismo. Félix sonha com um Estado mais republicano, mas poderia, primeiramente, cobrar mais postura republicana dos vereadores da base aliada na Câmara, para que não façam mais o papelão que fizeram na última segunda-feira, quando substituíram o consultor Celso Leite da Tribuna Livre por uma mulher de Araraquara desconhecida e que nada tinha a dizer ou a fazer ali, exceto pelo fato de que, noticiada pelos dois jornais da cidade, ganhou as primeiras referências no Google. Extraído: http://ow.ly/1Folz .

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
O segundo livro desta secção é 111 AiS, do escritor Curitibano Dalton Trevisan. Trata-se de mais uma colêtanea de textos, micro contos, retirados de obras do autor: Ah é?, 234, e pico na veia. Dono de textos que em sua maioria tratam do cotidiano e de sua bela cidade natal, Dalton Trevisan, tem no curriculo obras do calibre de: Morte na Praça (1964), Cemitério de Elefantes (1964) e O Vampiro de Curitiba (1965), seu livro mais famoso.
TEXTO 35. - Que vergonha, meu filho. Chamada ao colégio pela tua professora. O que você disse para duas meninas da classe. - Ela que é uma bruxa. - Quer fazer amor, docinho? - Não fui... - Eu pago bem. Só não vale papai e mamãe. -.... - E eu, cara, já pensou? Queimada viva na fogueira. A mãe do maníaco sexual precoce. O docinho das meninas e, olhe aqui, três e meio em Português.

MALU MADER APRESENTA CURTAS EM LIMEIRA

Oficina Tela Brasil trará Malu Mader para Limeira neste sábado Vinte jovens de Limeira tiveram a chance de produzir seus próprios curtas-metragens coordenados pela dupla de cineastas Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi. Patrocinados pela CCR AutoBAn em parceria com a Fundação Telefônica, as Oficinas Tela Brasil, que contam com o apoio da Secretaria de Cultura de Limeira, foram realizadas de 17 a 28 de abril, sob supervisão de Moira Toledo na Emcea (Escola Municipal de Cultura e Artes). Jovens de até 16 anos puderam se candidatar a uma das 20 vagas. O projeto, criado em 2007, é uma realização da Buriti Filmes, e já passou por várias cidades do país. O objetivo é levar educação audiovisual aos jovens de comunidades do país, gratuitamente. As oficinas oferecem conteúdos, equipamentos e prática de realização cinematográfica, abrangendo todo o processo de criação de um filme: roteiro, direção, produção, fotografia, arte, som e montagem. A estreia dos curtas-metragens produzidos nas oficina será neste sábado, dia 1° de maio às 16h, acompanhada de perto pela atriz Malu Mader, que dividirá com os alunos suas experiências no cinema. A exibição dos filmes será no Teatro Vitória, aberta ao público e gratuita, dando a chance aos alunos de apresentarem aos amigos e à família os trabalhos produzidos em 68 horas de aulas práticas. Malu tem quase 30 anos de carreira, tendo feito filmes, novelas e minisséries. As próximas Oficinas Itinerantes de Vídeo Tela Brasil serão realizadas em Divinolândia/SP e no Jardim Ângela, em São Paulo. Dezenas dos vídeos produzidos nas oficinas foram selecionados em importantes festivais, e 32 dos 161 vídeos selecionados para o CineCufa - Festival Internacional de Filmes de Periferia, realizado em 2009 no Rio de Janeiro, são frutos do projeto. Para obter mais informações, é necessário ligar no (19) 3441.5493 ou acessar o Portal Tela Brasil - www.telabr.com.br . Serviço: Estreia dos curta-metragens feitos pelos alunos do projeto “Oficinas Tela Brasil” com Malu Mader Data: sábado, 1° de maio Horário: 16h Local : Teatro Vitória - Praça Toledo Barros, Centro – Limeira/SP. Entrada: Gratuita Thayla Ramos – Estagiária de Jornalismo Prefeitura de Limeira/ SP Secretaria Municipal de Cultura (19)3451.0502 www.limeira.sp.gov.br

INCLUSÃO DIGITAL

Ontem (29-04) fui surpreendido com uma boa notícia. Fiquei sabendo durante a programação da TV Câmara (Câmara dos Deputados) do lançamento da Rede Legislativa de TV Digital. Esta rede irá ocupar o canal 61, do sistema de TV Digital que está sendo implantado no pai. Este canal será ocupado simultaneamente pela TV Câmara, TV Senado, TV legislativa de cada estado e TVs das câmaras municipais.Segundo dados, mais de 20 grandes centros urbanos do país, entre eles a cidade de São Paulo, já estão operando o sistema digital e mais de 74 emissoras estão incluídas nessa fase de implantação.A partir de junho de 2016 deixa de existir oficialmente o sistema analógico e todos os televisores deverão, obrigatoriamente, possuir o transformação/codificador ou ser um aparelho digital, que já começa chegar às lojas.Isso quer dizer que com os canais públicos e estatais se antecipando na utilização da nova tecnologia, os brasileiros vão deixar de ser prisioneiros da mídia comercial e quem quiser poderá acompanhar a exibição de muita coisa boa nesses canais estatais e/ou públicos.Vejo isso como um passo bacana no processo de democratização da comunicação, que passa pela necessidade do oferecimento de uma programação alternativa para os telespectadores.
Extraído: http://ow.ly/1Fezn .

IMPRENSA DECENTE

Anos de luta pela informação No seu 13º aniversário, Caros Amigos respira coerência Por Renato Pompeu Mesmo sem contar há dois anos com o dinamismo de Sérgio de Souza, seu criador e esteio de sempre – falecido prematuramente –, a revista Caros Amigos mantém a postura idealizada por ele. Ao completar 13 anos desde o seu lançamento – longevidade raramente alcançada por periódicos independentes – a revista procura manter o padrão que a consagrou e que a caracteriza no meio jornalístico. O diretor geral Wagner Nabuco, responsável pelas áreas administrativa, comercial e editorial da Caros Amigos, que se ligou à revista como sócio cinco meses após o primeiro número de abril de 1997, em setembro daquele ano, destaca o papel importante que a revista representa desde o seu início, de ser um contraponto ao conservadorismo que predomina na mídia brasileira. A revista começou com um grupo de amigos, que incluía jornalistas, publicitários, profissionais liberais, profissionais da comunicação, que discutiam como criar um veículo que se contrapusesse ao jornalismo predominante naquela época, e ainda hoje, não só em termos de conteúdo mais questionador e mais crítico, progressista, mas também em outros aspectos. Queriam a volta do texto de qualidade e o cultivo dos aspectos artísticos da forma gráfica da revista, numa época em que a mídia grande promovia o modelo da revista alemã Focus e do jornal americano USA Today, com seus textos tatibitates e suas ilustrações cheias de cores e vazias de ideias. Alguns nomes desse grupo, além de Sérgio de Souza, eram os dos jornalistas Alberto Dines, Juca Kfouri, José Carlos Marão, Roberto Freire, Mylton Severiano, Francisco Vasconcelos, João de Barros, Sérgio Pinto de Almeida, Oswaldo Luiz Vita (conhecido como Colibri), do jornalista e editor João Noro, do publicitário Oscar Colluci, do executivo de marketing Jorge Luís Brólio. Montaram a Editora Casa Amarela, que conseguiu recursos para fazer o novo lançamento ao prestar serviços editoriais para o Banco Francês e Brasileiro e para a Accor (Ticket-Restaurante). Com produtos editoriais para esses dois grandes clientes, foram obtidos os fundos necessários ao pesado investimento necessário a um projeto editorial desse porte. A revista foi lançada em abril de 1997, sempre sob a liderança de Sérgio de Souza, com a capa tendo como tema uma entrevista com Juca Kfouri, e foi um sucesso de bancas, em relação ao tamanho do projeto, e ao inusitado da fórmula – um formato desconhecido, papel offset, impressão preto e branco inclusive na capa, no primeiro momento –, tendo vendido perto de 20 mil exemplares. Êxito nas bancas, a revista porém não tinha assinaturas e anúncios. Ainda no primeiro mês, a jornalista Marina Amaral, colaboradora da revista, convidou Wagner Nabuco, que tinha sido diretor de marketing da Veja e tinha o sonho de fundar uma publicação – “eu era um revisteiro apaixonado”, lembra ele – para reunir-se com Sérgio de Souza e João Noro, principais responsáveis pela execução do projeto da Caros Amigos. Do encontro participaram também Roberto Freire, Jorge Luís Brólio e Frederico Vasconcelos, que com Sérgio de Souza e João Noro formavam a sociedade que editava a revista. “Fizemos um acordo, entrei como sócio em setembro e a partir de janeiro de 1998 começamos a implantar o projeto de assinaturas”, diz Wagner Nabuco. A carteira de assinantes cresceu muito durante os três anos seguintes, o que facilitou muito o financiamento do projeto. Mas no último trimestre de 1998, as grandes fontes de verbas da revista, o Banco Francês e Brasileiro e a Accor, deixaram de comprar os serviços da editora. A revista tinha poucos anúncios e desde então enfrenta dificuldades, mas as venceu e continua vencendo por causa de esforços denodados. “Sem a ajuda de muitos jornalistas, ilustradores, fotógrafos e amigos solidários que são colaboradores com textos e ilustrações sem receber pagamento, e sem o empenho entranhado das equipes internas, das muitas pessoas que trabalharam para a revista, e fundamentalmente sem o apoio dos nossos leitores, o projeto não teria sobrevivido”, afirma Wagner Nabuco. Ele destaca como momentos mais importantes da trajetória da revista o lançamento, a capa no terceiro aniversário sobre o filho fora do casamento de Fernando Henrique Cardoso (a maior venda da revista), a capa sobre o apagão de força e luz durante o governo FHC, uma matéria sobre a repressão da Polícia do Paraná contra militantes do MST (que deu à revista o seu primeiro Prêmio Vladimir Herzog), as entrevistas de ano Brown, Chico Buarque, Tom Zé, Lula e a filósofa Marilena Chauí. Wagner Nabuco aponta essas cinco entrevistas como “paradigmáticas da nossa história”. Continua: “Muitos previram o nosso fim nos primeiros seis meses e um ano. Mas, 13 anos depois, estamos aqui. Provamos que é possível e necessária uma plataforma de produção de conteúdo que consiga reunir a imensa criatividade, diversidade e talentos de jornalistas, escritores, artistas, pensadores, militantes, sindicalistas, que seja um lugar onde possam convergir os democratas e progressistas. E que há uma demanda por uma cultura de qualidade. Entregamos cultura seja no meio impresso, seja em meios digitais, audiovisuais, o que for, inclusive em livros impressos tradicionais. Se um dia houver chip nas cabeças, alguém tem de enviar conteúdo decente para esses chips”. Renato Pompeu é jornalista e escritor Para ler a reportagem completa e outras matérias confira a edição de abril da revista Caros Amigos, já nas bancas, ou clique aqui e compre a versão digital da Caros Amigos.
OLA PESSOAL SERÁ MUITO LEGAL::: UM DOS CURTA FOI PRODUZIDO SOBRE O ECA E CONTA A HISTÓRIA VIVIDA POR DOIS ADOLESCENTES QUE PASSARAM PELO CEDECA LIMEIRA: COM A PARTICIPAÇÃO DE ZILKA, RAQUEL E ISABEL, ADOLESCENTES: CLEIDIANE E DILAN, VAI SER SHOU DE BOLA E IMPORTANTE SE FOREM PRESTIGIAREM NOSSO TRABALHO.ABRAÇOS E ESPERO VCS.
RAQUEL NUNES- CEDECA/LIMEIRA

MOVIMENTOS SOCIAIS EM MOVIMENTO

PARA ENTENDER A CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS NO PARÁ
Ontem, dia 27 de Abril, durante a programação do Seminário Nacional da Amazônia, promovido pelo Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo (FNRA), no Hotel Beira Rio às 19:30 foi lançada a cartilha: Para Entender a Criminalização dos Movimentos Sociais e Defensores de Direitos Humanos no Estado do Pará.
O evento contou com a participação das entidades presentes no Seminário, que reúne aproximadamente 20 organizações e entidades atuantes na Amazônia, entre comunidades tradicionais, estudiosos, universitários, ambientalistas, agentes públicos e representantes de entidades da sociedade civil, movimentos e pastorais sociais que atuam em prol da reforma agrária e da justiça no campo e em defesa da floresta Amazônica. Além desses, estiveram presentes entidades da cidade, tais como Conlutas, Intersindical e Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos, os quais compõem a coordenação da Campanha junto a movimentos da Via Campesina.
O objetivo da publicação é que seja propagandeada e discutida pelas organizações populares as novas formas de ofensivas do capital e que seja divulgada a possibilidade de um canal de denúncia por meio do envio de materiais para a construção de um dossiê sobre a criminalização no Estado do Pará, que servirá como base para um diagnóstico mais amplo sobre a situação dessa forma de repressão em nosso território.
A iniciativa da cartilha vem de uma produção coletiva e acúmulo de análises que entendem o processo da criminalização como uma nova forma de reprimir a luta por meio de diversas frentes e formas, unindo uma nova fase de configuração do avanço do neoliberalismo, onde o suposto “Estado Democrático de Direito” é o discurso legitimador dessa onda de perseguição aos lutadores/as.
O evento e a cartilha, assim como outras iniciativas que virão como ações da campanha contra criminalização são formas de afirmarmos que: lutar não é crime, mas uma necessidade de um dever de todos.! Local de distribuição: Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (Av. José Malcher, entre Generalíssimo e 14 de Março, 1381). Fone: (91) 32251950. Coordenação da Campanha Contra Criminalização dos Movimentos Sociais no Pará.

GUERRA DAS MALVINAS

Episódios Neocoloniais - O caso do arquipélago de Malvinas Escrito por Grupo São Paulo 30-Abr-2010 Sem consultas ou negociações, a Inglaterra, no início de 2010, resolveu iniciar a prospecção de petróleo em solo marítimo onde se situa o arquipélago das Malvinas. A plataforma de exploração "Ocean Guardian" foi enviada para área a 160 km ao norte das Malvinas com o objetivo de explorar gás e petróleo. Segundo o diário inglês The Sun, estima-se a existência de 60 milhões de barris nessa plataforma marítima. Há estimativas maiores. A Argentina, em defesa de seus recursos naturais, reagiu afirmando que se trata de exploração ilegítima em águas de sua plataforma continental, argumento correto tanto do ponto de vista político como geológico. Desta forma, iniciou-se uma guerra, por ora verbal e diplomática, entre os países, somada a declarações de vários governos, inclusive o estadunidense representando a grande potência imperialista mundial. Paralelamente (final de fevereiro), ocorreu a Cúpula da Unidade da América Latina e Caribe, em Cancún (México) — segunda reunião do Grupo do Rio e da Cúpula da América Latina e Caribe (CALC) —, com a presença dos chefes de Estado de todas as nações da região, exceto Honduras, suspensa pela Organização dos Estados Americanos (OEA). Nesta reunião, a Argentina recebeu o apoio, sem exceções, dos 32 países participantes – inclusive aqueles de passado colonial inglês. Assim, foi reafirmada a soberania Argentina sobre as ilhas Malvinas. O Brasil manteve sua posição histórica de solidariedade com a Argentina e criticou a ONU por não decidir a respeito da soberania do arquipélago.
Leia a Matéria na Integra aqui: http://ow.ly/1FdrU .

quinta-feira, 29 de abril de 2010

JOSUÉ DE CASTRO

“A Importância de Josué de Castro para a formação de novas consciências”.
Por José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo, Prof. Adjunto do Departamento de Geografia da UERN. É Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente. (Fonte: e-mail pessoal, em 27/04/2010). Certas “louvações” a homens da estirpe de Virgulino Ferreira da Silva, pernambucano como Josué de Castro, mas que não possuiu nenhum requisito necessário para ser exemplo. Indubitavelmente a juventude de hoje reflete preocupante inversão de valores, quando não raro constatamos a ausência desses, pois as preocupações mais enfáticas são norteadas pela pregação que a mídia efetiva cotidianamente, cujo fomento é para determinado padrão a ser seguido, de acordo com os interesses, geralmente capitaneados pelas exigências do capital, presentes em telenovelas, veículos de comunicação diversos e outros recursos que ditam modas e regras de conduta. Josué de Castro se destacou pelo esforço e pela perseverança. Formado em medicina, primeiro cursou na Bahia, indo concluir no Rio de Janeiro, aos vinte e um anos de idade. Com vinte e nove anos formou-se em filosofia. O único romance que escreveu, intitulado “Homens e Caranguejos”, publicado em 1968, quando do exílio na França, revela a influência filosófica do autor, pois destaca personagem que parece ter sido inspirado no “Mito da Caverna”, contido na obra de Platão. Superar a pobreza, as privações e as provações, acreditando que a educação e a cultura são importantes fatores que propiciam a ascensão humana, tornou Josué de Castro respeitado em sua época, pois seu exemplo de vida, suas idéias impecavelmente defendidas em livros, relatos, discursos, etc., ganharam o mundo, traduzidos em mais de vinte e cinco idiomas. Quando da aplicação do projeto de extensão que coordenamos, intitulado “Discutindo a importância e a atualidade do pensamento de Josué de Castro em Escolas Públicas Municipais e Estaduais de Mossoró/RN” pressentimos de imediato que a mensagem positiva que corrobora os objetivos da proposta extensionista do Departamento de Geografia do Campus Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte tem aceitação plena perante o público-alvo assistido. O exemplo de Josué de Castro deve ser seguido pela juventude, pois só com ênfase à educação e á cultura conseguir-se-á driblar as aviltantes formas assumidas pelas injustiças sociais que assolam imemorialmente a sociedade brasileira. Fazer com que o público-alvo se identifique com Josué de Castro é uma das metas prioritárias que embasam o trabalho desenvolvido em unidades educacionais públicas mossoroenses, razão pela qual pretendemos expandir ao máximo o desenvolvimento do projeto. A juventude necessita de uma referência positiva, pois constatamos que personagens que deixaram marcas desagradáveis possuem mais respaldo do que homens como Josué de Castro. Caso referente a esta premissa encontramos em certas “louvações” a homens da estirpe de Virgulino Ferreira da Silva, pernambucano como Josué de Castro, mas que não possuiu nenhum requisito necessário para ser exemplo, não obstante verdadeira campanha que alguns desavisados realizam no sentido de inverter a real dimensão do mito, pois comprometido de corpo e alma com o banditismo rural, deixou seqüelas desagradabilíssimas na sociedade de sua época, matando, roubando, extorquindo, estuprando e fazendo todo tipo de maldades que não precisam de nenhuma apologia para referendar exemplo para a juventude dos dias de hoje. Os jovens de hoje precisam se pautar na honradez de um homem como Josué de Castro, tendo em vista que a vida desse grande brasileiro, cidadão do mundo, foi e sempre será modelo de conduta, sendo necessário que se espelhem no exemplo afirmado sobre o amor ao próximo e o respeito às condições e dignidade humana. Extraído: http://ow.ly/1EEUQ .

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
O segundo livro desta secção é 111 AiS, do escritor Curitibano Dalton Trevisan. Trata-se de mais uma colêtanea de textos, micro contos, retirados de obras do autor: Ah é?, 234, e pico na veia. Dono de textos que em sua maioria tratam do cotidiano e de sua bela cidade natal, Dalton Trevisan, tem no curriculo obras do calibre de: Morte na Praça (1964), Cemitério de Elefantes (1964) e O Vampiro de Curitiba (1965), seu livro mais famoso.
TEXTO
34. Seu João, perdido de catarata negra nos dois olhos: - Meu consolo que, em vez de nhá biela, vejo uma nuvem.

CONVITE

DICA DE RÁDIO NA NET

Na 44ª edição do Mundo Rock de Calcinha, melhor programa de rádio da atualidade, que já faturou três prêmios importantes nessa categoria, a locutora Gisele Santos aprensenta músicas das bandas que acabam de lançar CDs: Hole, Natalie Merchant, Sabrina Sanm, Spinnerette, Lipstick. Você também confere pedidos musicais dos ouvintes: Lacuna Coil e Pitty. OUÇA www.mundorockdecalcinha.com twitter @mrcalcinha @giselesantos_

VIRADA CULTURAL PAULISTA 2010

Virada Cultural de SP terá de atrações internacionais a cosplay e suspensão corporal; veja destaques Barbarito Torres do Buena Vista Social Club, faz show que abre a 6ª Virada Cultural A 6ª Virada Cultural, que ocorre entre os próximos dias 15 e 16 de maio, terá de atrações internacionais, como a banda norte-americana Living Colour, o músico Booker T. e integrantes do grupo cubano Buena Vista Social Club, até apresentações de grupos de fantasias medievais e suspensão corporal, cosplayers e exibições de filmes de terror. A maior parte das atrações, como em anos anteriores, está concentrada na região central de São Paulo. O orçamento deste ano é de R$ 8 milhões, contra R$ 5 milhões (2009) e R$ 6,8 milhões (2008), anunciou o prefeito Gilberto Kassab em entrevista para a imprensa realizada nesta terça (27) em São Paulo. Entre as novidades desta Virada há a criação de um palco para o reggae, na Barão de Limeira, que terá shows de músicos jamaicanos, como Pablo Moses e Clinton Fearon, e a primeira formação da banda Cidade Negra, com Ras Bernardo nos vocais. Na praça Roosevelt haverá diversas atrações “nerds”: apresentações de grupos de fantasias medievais, mesas de RPG e parada cosplay. Como tem acontecido nas últimas edições, a Virada terá sessões de cinema e mostras organizadas para a ocasião, como uma retrospectiva da Mostra Internacional de Cinema. A organização também prevê a exibição de filmes clássicos de monstros e longas de terror. Na área gastronômica, uma novidade: a Virada contará com uma seleção de barracas de pastel de São Paulo, espalhadas pelo centro da cidade. Leia a matéria na Integra aqui: http://ow.ly/1EAWs .

quarta-feira, 28 de abril de 2010

MOVIMENTOS SOCIAIS EM MOVIMENTO

Líderes comunitários criticam remoção de favelas no Rio GABRIELA MOREIRA - Agência Estado Lideranças de 13 comunidades localizadas em área de risco se reuniram hoje no Morro dos Prazeres, em Santa Tereza, para protestar contra a remoção de favelas anunciada pela Prefeitura do Rio de Janeiro. Para os presidentes de associações presentes, as remoções são ilegais, já que não estão baseadas em laudos técnicos. Segundo as lideranças, a proposta da prefeitura fere a Lei Orgânica do Município, que prevê a existência de laudos técnicos para comprovar a situação de risco das construções. "Algumas residências estão em risco, mas não a comunidade inteira. A prefeitura não pode remover casas baseado em imagens aéreas", disse a presidente da Associação de Moradores do Morro dos Prazeres, Eliza Brandão. Na comunidade, onde dezenas de pessoas morreram nos deslizamentos da última chuva, 946 casas foram interditadas pela Defesa Civil, mas, segundo a presidente da associação, menos de 100 casas estão, de fato, em área de risco de desabamento. A Defensoria Pública do Estado também estava presente. De acordo com um dos defensores, Alexandre Mendes, do Núcleo de Terras e Habitação, a Defensoria cobrará a apresentação dos laudos técnicos. "Vamos conversar com as autoridades, mas sem laudos não há discussão. A prefeitura não pode fazer remoções ferindo a Lei Orgânica do Município", disse.

OFICINA DE TEATRO

Já estão abertas as inscrições para a: OFICINA de TEATRO (toda quinta-feira) com Cláudio Lopes (ex integrante da Cia. Quanta de Teatro) Data de início: 20 de maio das 19:00 às 22:00h. Local: Estúdio Corvo - Escola de Desenhos (frente ao antigo Micro Preço Supermercados, que hoje é Enxuto) Rua 04, 2720 Avs 32 e 34 Vila Operária - Rio Claro-SP. Maiores informações: 19 35338990 / 30230272 Obs: Desta oficina serão selecionado alguns alunos para integrar o novo grupo de teatro de Cláudio Lopes e para participar de alguns curtas metragens do grupo Kino-Olho de estudos cinematográficos, coordenado por João Paulo Miranda. Abração... Cláudio Lopes 19 35326094 19 97034640 19 98541758

SAMBA ROCK EM RIO CLARO

OS TONELADAS -SAMBA ROCK DIA 01 DE MAIO -sábado -22:30hs PEPPER BAR RIO CLARO-SP -avenida 14, 2161 RENÊ MAINARDI -artista multimídia- artes plásticas, música e cinema 19 - 92008908 renemainardi@hotmail.com

AÇÕES GOVERNAMENTAIS

Prova para professor de educação infantil e procurador jurídico será neste domingo A nova prova para os candidatos aos cargos de professor de educação infantil e de procurador jurídico do concurso público nº 01/10 da Prefeitura de Limeira irá ocorrer neste domingo, 2 de maio, na FAC (Faculdade Anhanguera de Limeira). Os portões serão fechados às 8h30, e a prova começa assim que todos os candidatos estiveram nas salas de aula, após a conferência da coordenação do Ibam, instituto responsável pela aplicação das provas. É importante que os candidatos estejam no local com meia hora de antecedência, às 8h, sendo que os portões serão abertos neste horário. Como o estacionamento da FAC é particular, ele estará fechado. Por isso, a orientação aos candidatos é que estacionem seus veículos nas ruas do entorno da faculdade, sempre respeitando as leis de trânsito e as garagens das residências. A convocação para a nova prova já foi publicada no Jornal Oficial do Município, e será publicada novamente na edição desta quarta-feira, 28 de abril. A prova que ocorreu no dia 18 de abril precisou ser cancelada para esses dois cargos porque os fiscais abriram o lacre das provas antes do horário determinado. No total, são 1.437 candidatos a professor e mais 656 a procurador. Para a realização da prova, é necessário levar um documento oficial de identidade com foto – como RG ou CNH – e caneta azul ou preta, além de lápis preto e borracha. A FAC fica na rua Clarino Peixoto de Oliveira, 280, Jardim Maria Busch Modeneis. Mais informações podem ser obtidas no site www.ibamsp-concursos.org.br, no link “área do candidato”. Ricardo Wollmer – Diretor de Imprensa, Rádio e TV (Mtb. 46.243) Assessoria Geral de Comunicações Prefeitura de Limeira/SP (19) 3404-9622 imprensa@limeira.sp.gov.br www.limeira.sp.gov.br

A LINGUAGEM DO IMPÉRIO

Programação São Paulo (USP) – 03/05, 18h Com a participação de Ruy Braga (USP) e Antonio Carlos Mazzeo (Unesp) Local: Casa de Cultura Japonesa (USP). Av. Prof. Lineu Prestes, 159 - Cidade Universitária. Organização: Boitempo e Cenedic-USP Marília – 04/05, 20h Apresentação e coordenação de Marcos Del Roio (Unesp) Local: Anfiteatro I da FFC- UNESP / Marília. Av. Hygino Muzzi Filho, 737 Organização: Boitempo; GP Cultura e Política do Mundo do Trabalho; Programa de PG em Ciências Sociais ; Departamento de Ciências Políticas e Econômicas da UNESP Campinas – 05/05, 14h Debatedor: João Quartim de Morais (Unicamp) Local: Auditório do IFCH. Rua Cora Coralina S/N. Cidade Universitária “Zeferino Vaz” Organização: Boitempo e Cemarx/IFCH-Unicamp Belo Horizonte – 06/05, 15h Debate “Nietzsche e o marxismo”, com: Antonio Julio Menezes, Rosemary Dore, Rogério Antonio Lopes Local: Sala de Teleconferência da Faculdade de Educação da UFMG. Av. Antônio Carlos, 6627 Organização: Linhas de pesquisa Política, Trabalho e Formação Humana e Políticas Públicas de Educação: Concepção, Implementação e Avaliação do Programa de Pós- Graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFMG São Paulo (PUC) – 10/05, 19h30 Apresentação de Maria Margarida Cavalcanti Limena (PUC) Local: Auditório 239 - Prédio Novo. Entrada Rua Ministro Godoi, 969, Perdizes. Organização: Boitempo e “Núcleo de Estudos de História: trabalho, ideologia e poder”, da graduação e pós da História, das Faculdades de Ciências Sociais e Serviço Social da PUC-SP Fortaleza – 12/05, 17h30 Conferência de Domenico Losurdo Local: Mercado dos Pinhões - Pça. Visconde de Pelotas Promoção: Prefeitura Municipal de Fortaleza (Comissão de Participação Popular e Secretaria de Cultura Municipal) e Boitempo Editorial Rio (UFF) – 13/05, 18h30 Coordenação e apresentação de Giovanni Semeraro (UFF) Local: Auditório Florestan Fernandes, Bloco D, Campus do Gragoatá. Av. Visconde de Rio Branco, s/n Organização: Boitempo e Programa de PG em Educação e Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia Política e Educação (NUFIPE/UFF) Rio (UERJ) – 14/05, 18h Com a participação de Gaudêncio Frigotto (UERJ e UFF) Local: Capela Ecumênica. Rua São Francisco Xavier, 524. Organização: Boitempo, PPFH e LPP-UERG Boitempo Editorial Julio Delmanto Assessoria de Imprensa + 55 11 3875 7285 imprensa@boitempoeditorial.com.br www.boitempoeditorial.com.br Blog - http://boitempoeditorial.wordpress.com

ELEIÇÕES 2010

Jornal de Limeira X PT
Já que o debate está na boca do povo, democraticamente, quero estabelecer um canal de diálogo fraterno com os leitores e com o próprio jornal de Limeira. Vou exprimir apenas alguns pensamentos e espero ser bem compreendido. Penso que as agremiações políticas existem e devem ser as únicas responsáveis por suas decisões internas e externas. Compreendo, portanto, que as agremiações políticas mantêm ou mudam suas decisões e suas diretrizes de acordo com fatos conjunturais e/ou outros acontecimentos que as justifiquem. Vejo assim a trajetória do PT em nível nacional e em Limeira.Vejo assim a trajetória de outras agremiações que se fortaleceram e se enfraqueceram em consequência das suas práticas e decisões. Esse é o jogo em uma sociedade democrática, gostemos ou não dele. As agremiações mudam ou mantém seus programas e os cidadãos fazem o julgamento positivo ou negativo na hora que julgarem convenientes. Cabe a imprensa buscar equilíbrio para informar a sociedade, muito embora seja muito difícil para o jornal e para o jornal, manterem esse distanciamento das paixões que são capazes de movimentar mentes e corações dentro de uma agremiação partidária. Posso até discordar de muitas coisas que foram feitas e de muitas que continuam sendo realizadas no PT de Limeira, mas se eu tiver a pretensão de interferir internamente no PT de Limeira para esse ou aquele rumo devo antes de mais nada estar filiado a ele, participando e assumindo a responsabilidade por suas decisões. Penso que um veículo de comunicação ou um jornalista não podem tomar partido pró ou contra essa ou aquela decisão e passar a fazer campanha deliberada usando o veículo para destruir essa ou aquela posição. Misturar informações partidárias e relacioná-las às decisões de outras entidades para repassar a tese do jornalista ou do veículo para o leitor, o ouvinte, o telespectador ou internauta de que essa agremiação apodreceu, mudou, não tem mais jeito, tudo está perdido etc. é muito complicado. Respeito toda a história do Jornal de Limeira e seu compromisso com a cidade e com a democracia. Respeito os seus profissionais e o seu editor. Mas penso que o que aconteceu nas últimas semanas é um grande equívoco do jornal e do seu editor. Mas ao mesmo tempo, vejo que o caso de Limeira não se trata de um caso isolado e sim de algo que está, neste momento, acontecendo no jornalismo com muita frequência. Recentemente o sociólogo e cientista político Emir Sader escreveu um artigo no mínimo perturbador. Ele trouxe à tona a estratégia de um dos jornais mais importantes do Brasil para descredenciar a pré-candidatura governista ao Palácio do Planalto. Parafraseando Emir, o artigo sentencia: quando o jornal passa a confundir jornalismo com militância política, a coisa se complica e vira um jogo de interesses, distante dos interesses mais nobres da democracia. Essa postura dos profissionais do jornalismo em nível geral erguerem suas bandeiras e exigirem que dirigentes das mais diferentes agremiações, sigam suas vontades e crenças é algo muito complicado e que não ajuda a sociedade. Se os veículos de comunicação querem prestar um bom serviço para o avanço e o crescimento das instituições democráticas, creio que devam começar pelo respeito a essas mesmas agremiações e seus dirigentes. A história do PT é a história do PT. Ela foi construída por milhões e continua sendo construída por outros tantos. Cabe ao bom jornalismo jogar luz sobre os fatos, mas sempre com muito cuidado para não passar a ter a pretensão de substituí-las em seu papel e atribuições. Extraído: http://ow.ly/1EpaL . OBS: Texto endereçado ao Jornal de Limeira/SP

PUNIÇÃO AOS ASSASSINOS DO GOLPE DE 64

Lei de Anistia não perdoou crimes de torturadores, dizem especialistas Giovanna Gerin - A Lei de Anistia absolveu apenas crimes políticos ocorridos entre 1961 e 1979 e não pode servir para impedir a punição de torturadores. Especialistas ouvidos por Última Instância defendem que uma leitura técnica do texto da Lei não permite que ela seja aplicada para perdoar crimes comuns, como tortura, sequestro e assassinato, cometidos por agentes estatais durante a Ditadura Militar (1964-1985). O STF (Supremo Tribunal Federal) começa nesta quarta-feira (27/4) o julgamento de uma ação movida pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) que pretende levar os ministros a darem a interpretação definitiva para o artigo 1º da Lei 6.683/79: “É concedida anistia a todos quantos, no período compreendido entre 02 de setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979, cometeram crimes políticos ou conexo com estes (...)”. Para a procuradora Eugênia Fávero, o texto da lei "não diz expressamente que ela anistia os militares e os torturadores”. “E mesmo se dissesse, isso caracterizaria uma autoanistia", pondera. Segundo ela, o perdão aprovado pelo próprio Estado contra os seus crimes não é admitido pela Convenção Americana de Direitos Humanos, da qual o Brasil é signatário. Eugênia é uma das autoras da ação civil que pede a responsabilização dos ex-chefes do DOI-Codi, principal centro de tortura de São Paulo na década de 1970. Segundo Luiz Flávio Gomes, ex-juiz e especialista em direito penal, o Supremo deveria seguir o exemplo da Argentina e do Chile, que após decisões da Corte Interamericana de Direitos Humanos, órgão da OEA (Organização dos Estados Americanos), passaram a processar os acusados por crimes cometidos durante os chamados “anos de chumbo”. "Eu creio que o STF vai decidir na linha da Corte Interamericana. O Tribunal vai dizer que a lei de anistia não vale para militares que cometeram crimes de sequestro, tortura e assassinato”, afirma. Outro defensor da revisão, o professor Oscar Vilhena Vieira, da FGV, rejeita a tese de que a punição dos torturadores poderia levar a um quadro de instabilidade política. "Essa revisão poderia gerar insatisfação. Mas, um país que quer transitar completamente pela democracia —e eu acho que essa é a intenção do Brasil—não pode abdicar de reapreciar os crimes contra a humanidade que ocorreram no passado", argumenta. "Crimes contra a humanidade são imprescritíveis, e, portanto, a Lei de Anistia feita pelos próprios autores destas ações não deve prevalecer” Apesar de também concordar que o acerto de contas com o passado é inevitável, o constitucionalista Pedro Serrano se mostra mais cético em relação ao posicionamento do Supremo. “É difícil prever, mas o ministro Gilmar Mendes, por exemplo, já deu declarações que levam a entender que ele vai votar pela rejeição da ação da OAB”, diz Serrano. Para ele, o maior benefício da revisão da Lei de Anistia seria histórico, e não representaria necessariamente a prisão dos acusados, que na grande maioria já passaram dos 70 anos. "A função maior não é punir, é recuperar a história. As pessoas que cometeram crimes políticos assumiram, se apresentaram. Entretanto, ninguém sabe quem matou e torturou do lado da ditadura. É um pedaço da nossa história que precisa ser recuperado. É um direito da sociedade". Extraído: http://ow.ly/1E9qV .

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
O segundo livro desta secção é 111 AiS, do escritor Curitibano Dalton Trevisan. Trata-se de mais uma colêtanea de textos, micro contos, retirados de obras do autor: Ah é?, 234, e pico na veia. Dono de textos que em sua maioria tratam do cotidiano e de sua bela cidade natal, Dalton Trevisan, tem no curriculo obras do calibre de: Morte na Praça (1964), Cemitério de Elefantes (1964) e O Vampiro de Curitiba (1965), seu livro mais famoso.
TEXTO 33. O rei da terra, sim, quando a petiça ergue uma ponta da saia, exibe as voltas da coxa mais branquinha: - Aqui tem bastante, meu velho, para a tua fome?

ENTREVISTA

Historiador Eric Hobsbawm aponta questões cruciais do século 21 Aos 92 anos, o historiador britânico Eric Hobsbawm continua um feroz crítico da prevalência do modelo político-econômico dos EUA. Para ele, o presidente americano Barack Obama, ao lidar com as consequências da crise econômica, desperdiçou a chance de construir maneiras mais eficazes de superá-la. "Podemos desejar sucesso a Obama, mas acho que as perspectivas não são tremendamente encorajadoras", diz, na entrevista abaixo. "A tentativa dos EUA de exercer a hegemonia global vem fracassando de modo muito visível." Hobsbawm discute ainda questões globais contemporâneas --como as tentativas de criar Estados supranacionais, a xenofobia e o crescimento econômico chinês-- à luz do que expressou em livros como "Era dos Extremos" e "Tempos Interessantes" (ambos publicados pela Cia. das Letras). Pergunta - "Era dos Extremos" termina em 1991, com um panorama de avalanche global --o colapso das esperanças de avanços sociais globais da era de ouro [segundo Hobsbawm, 1949-73]. Quais são as mudanças mais importantes desde então na história mundial? Eric Hobsbawm - Vejo quatro mudanças principais. Primeiro, o deslocamento do centro econômico do mundo do Atlântico Norte para o sul e o leste da Ásia. Isso já estava começando no Japão nas décadas de 1970 e 80, mas a ascensão da China desde os anos 1990 vem fazendo uma diferença real. Em segundo lugar, é claro, a crise mundial do capitalismo, que vínhamos prevendo, mas que, mesmo assim, levou muito tempo para ocorrer. Em terceiro, a derrota retumbante da tentativa dos EUA de exercer a hegemonia global solo a partir de 2001 --e essa tentativa vem fracassando de modo muito visível. Em quarto lugar, a emergência de um novo bloco de países em desenvolvimento, como entidade política --os Brics [Brasil, Rússia, Índia e China]--, não tinha acontecido quando escrevi "Era dos Extremos". E, em quinto lugar, a erosão e o enfraquecimento sistemático da autoridade dos Estados: dos Estados nacionais no interior de seus territórios e, em grandes regiões do mundo, de qualquer tipo de autoridade de Estado efetiva. Isso pode ter sido previsível, mas se acelerou em um grau que eu não teria previsto. Pergunta - O que mais o surpreendeu desde então? Hobsbawm - Nunca deixo de me espantar com a pura e simples insensatez do projeto neoconservador, que não apenas fez de conta que a América fosse o futuro, mas chegou a pensar que tivesse formulado uma estratégia e uma tática para alcançar esse objetivo. Pelo que consigo enxergar, eles não tinham uma estratégia coerente, em termos racionais. Em segundo lugar --fato muito menor, mas significativo--, o ressurgimento da pirataria, algo que já tínhamos em grande medida esquecido; isso é novo. E a terceira coisa, que é ainda mais local: a derrocada do Partido Comunista da Índia (Marxista) em Bengala Ocidental [no leste da Índia], algo que eu realmente não teria previsto. Prakash Karat, seu secretário-geral, disse-me recentemente que o partido se sentiu sitiado e assediado em Bengala Ocidental. E está prevendo sair-se muito mal diante deste novo Congresso nas eleições locais. Isso depois de governar por 30 anos como partido nacional, por assim dizer. Leia a Matéria na Integra aqui: http://ow.ly/1E5xl .

MOVIMENTOS SOCIAIS EM MOVIMENTO

Duas mil famílias ocupam prédios em São Paulo Aproximadamente duas mil famílias ocuparam dois prédios abandonados na região central de São Paulo (SP) e um terreno localizado no M’Boi Mirim, na Zona Sul, na madrugada desta segunda-feira (26). Enquanto isso, outro grupo organizou um acampamento nas proximidades da Prefeitura para denunciar a falta de moradias na cidade. Carmen da Silva Ferreira, integrante da Frente de Luta por Moradia, revela que um dos principais objetivos é questionar as condições impostas para a participação em programas habitacionais, como o do governo federal, que exige uma renda de três salários mínimos para entrar nas linhas de financiamento. “Será que uma pessoa que paga 500, 600 reais de aluguel num quartinho espremido não teria condições de comprar sua casa própria? Não fazemos luta para pedir nada de graça. A gente quer pagar sim, mas dentro das nossas possibilidades.” Ela acredita que o problema não se justifica pela demora na construção de novas unidades, pois há muitos espaços que podem ser adaptados e transformados em moradias populares, como o prédio do Instituto Nacional de Seguridade Social, que também foi ocupado e tem potencial para abrigar 450 famílias. “No centro de São Paulo existem 450 mil imóveis vazios. São casarões, terrenos, fábricas e prédios desativados, como esse do INSS. Enfim, basta ter vontade política.” Em nota divulgada à imprensa, o movimento defende que o crédito imobiliário seja repassado de forma direta à população e não transferido para os estados e municípios. Somente na cidade de São Paulo, pelo menos 10 mil famílias aguardam ser contempladas nos programas existentes. De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo. Ouça esta noticia aqui: http://ow.ly/1E5cG .

ACROBACIAS CIRCENSES

San e Acrobatico Fratelli no musical "O Traço"
Tipo: Música/artes - Show Horário de início: quinta, 29 de abril de 2010 às 21:00 Horário de término: sexta, 30 de abril de 2010 às 00:00 Localização: Memorial da América Latina San e a Cia de Circo Acrobático Fratelli apresentam a temporada do show “O Traço” no Memorial da América Latina, na Programação Circo Roda, durante os dias 22 e 29 de abril e 6 de maio às 21h00. Um espetáculo multimídia que une música, circo, contos e projeções feitas em tempo real por um artista. São canções próprias com influências que vão do samba ao rock, que passam pela salsa e chegam às baladas românticas. San é compositor, malabarista, percussionista e vocalista do grupo Sambô que tem se destacado no Brasil e Europa por criar o estilo “rock samba”. Recentemente se apresentou no Domingão do Faustão com a banda e fez um número de malabarismo com pandeiro, outro diferencial marcante em seus shows. O show “O Traço” une as artes para envolver a plateia em diferentes sensações dentro de um único espetáculo. Num primeiro momento as cores, imagens e movimentos enchem os olhos e depois impera o clima de descontração, aí é só levantar, dançar e fazer parte dessa mistura cheia de swing. *O preço populares R$20,00 inteira e R$10,00 pra estudantes.

terça-feira, 27 de abril de 2010

STALIN OU NÃO STALIN

DEBATE ABERTO Os cartazes de Stálin devem decorar as ruas de Moscou? O prefeito da capital russa tomou uma decisão que está dividindo o país, às vésperas das comemorações do 65º aniversário da vitória sobre o exército nazista. O administrador resolveu colocar, como parte das ilustrações da marcha que celebrará a data histórica, dez painéis com imagens de Stálin. Breno Altman O prefeito da capital russa, Iuri Luzhkov, tomou uma decisão que está dividindo o país, às vésperas das comemorações, no dia 9 de maio, do 65º. aniversário da vitória sobre o exército nazista. O administrador, integrante do partido situacionista Rússia Unida, resolveu colocar, como parte das ilustrações da marcha que celebrará a data histórica, dez grandes painéis com imagens de Stálin, dirigente do país quando os alemães foram batidos. Ao atender, com sua polêmica iniciativa, à insistente reivindicação da associação dos veteranos de guerra, provocou duras reações. Tanto setores políticos hostis à experiência soviética quanto organizações de direitos humanos protestaram, denunciando desrespeito às vítimas do período staliniano. Luzhkov, ele próprio ácido em suas opiniões sobre o antigo líder comunista, rechaçou as críticas: “Pretende-se livrar a história de um importante nome, ligado à etapa que foi, provavelmente, a mais dramática na história do país. Estou contra isso.” O tema é delicado por vários motivos. Talvez a mais destacada dessas razões seja porque o papel de Stálin na 2ª. Guerra Mundial (ou Grande Guerra Patriótica, como a chamam os russos, preservando denominação reinante na velha URSS) se constitua no calcanhar de Aquiles da longa política de demonização do chefe soviético. Afinal, se continuasse a receber votos de respeito e admiração pelo protagonismo no combate ao nazismo, seu retrato como vilão dos povos não ficaria de pé. No mínimo, as apreciações acerca de sua trajetória teriam que ser mais equilibradas e contextualizadas. Leia Matéria na Integra aqui: http://ow.ly/1DUsQ .

SHOW DAS ÁGUAS

Música e Água Evento musical celebra o meio ambiente Projeto inédito reúne artistas de Limeira dos mais diferentes gêneros Música e dança se misturam no palco do Teatro Vitória para tratar do meio ambiente. É o “Show das Águas” que traz artistas limeirenses para sensibilizar a população quanto à importância da água em nossas vidas nesta quarta-feira, 28 de abril, às 20h. O evento é realizado pela Humaniza, com patrocínio da Foz do Brasil (Lei Rouanet - MEC) e apoio da Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria da Cultura. A direção artística é assinada pelo professor José Farid Zaine. Para cantar, estão convocados os músicos Elton Fontanin, Danilo Mendes, Leandro Pfeifer, Domingos de Salvi, Débora Vidoretti, Coral Municipal Afro Thulany, Emanuel Massaro, Júlio Zannini, July Guerrero Garcia e a banda Toc Percussivo. Para dançar, a professora da Escola Municipal de Cultura e Artes, Aline Savazzi, prepara apresentação solo, com participação do professor Robson Barboza. “Um tema tão importante aliado às manifestações artísticas de gente da nossa terra promete encantar o público”, acredita Farid. A entrada para o evento é franca, sendo necessária a retirada dos ingressos antecipadamente, que já estão disponíveis na bilheteria do Vitória. Para mais informações, os telefones do teatro são: (19) 3451 2675 e 3451 6679. Ronald Gonçales (19) 8138 6093

INCLUSÃO SOCIAL DE ARTISTAS E MODELOS NEGROS

Artistas e modelos negros terão mais espaço em peças e filmes publicitários patrocinados pelo Município Os vereadores de Limeira aprovaram por unanimidade durante a sessão camarária desta segunda-feira (dia 19) o Projeto de Lei de autoria do vereador Ronei Costa Martins (PT), que “dispõe sobre a inclusão de artistas e modelos negros nos filmes e peças publicitárias patrocinadas pela Prefeitura”. Em sua justificativa o vereador ressalta que a população brasileira tem um expressivo número de negros. “49,4% da população é negra e esta maioria não tem presença nas campanhas publicitárias, pretendemos com este projeto proporcionar a inclusão destas pessoas no mercado de trabalho com a igualdade social em nosso município”. JUSTIFICATIVAS
Vereador Antonio Braz do Nascimento – Piuí (PR) parabenizou pelo projeto. “A cota de negros tem que existir sim e tem que ser cumprida. O negro faz parte da sociedade”. Vereador José Farid Zaine (PDT) informou que sempre buscou, como Secretário da Cultura, apoiar projetos voltados para a cultura afro-brasileira com a participação de artistas da cidade, que trouxe espaço para artistas, modelos negros. “Esta Lei vem só acrescentar um dado. Esta é uma atividade que é respeitada em nossa cidade. Temos aqui muitos e grandes talentos da raça negra. Parabéns”. “A necessidade e cumprimento das cotas é um direito a questão do cumprimento das leis já existentes”, justificou o vereador Mário Botion (PR). “Esta é uma questão muito importante que tem de ser tratada. Cada vez mais é preciso mostrar que somos iguais, e que os meios de comunicação e a publicidade de uma forma geral nos trate como iguais. Assim haverá menos desigualdade”, disse o Vereador Paulo Hadich (PSB). “Temos uma dívida histórica com a raça negra e temos sim que criar algumas alternativas que mexam com o dia-a-dia, para que se dê o espaço devido a todos, para derrubar os preconceitos. Somos frutos de um balaio cultural e racial, que nos torna diferentes do resto do mundo”, justificou Raul Nilsen Filho (PMDB). O autor da propositura, Ronei Costa Martins, citou que a discriminação racial é uma ferida histórica e social que precisa ser tratada. “Políticas afirmativas para nossos irmãos negros são medidas paliativas até que a ferida seja curada. A partir do momento que nossos irmãos negros tiverem igualdade de condições de disputar qualquer coisa na sociedade com relação ao branco as políticas afirmativas perderão a sua efetividade”, justificou Ronei. O presidente da Câmara, vereador Eliseu Daniel dos Santos (PDT) explicou que não vota, mas se votasse, seria favorável ao projeto. “A Câmara cumpre a lei de cotas. Como diz a máxima de Rui Barbosa, “tratar desigualmente os desiguais até que nós nos igualemos”, é isso que pretendemos, fazer políticas públicas voltadas para a maioria de nossa sociedade que é afrodescendente”. A votação foi acompanhada por representantes do DECADIE, COMICIN.Esta Lei entrará em vigor após a publicação no Jornal Oficial do Município.
Júnia Mariano Depto. Assessoria de Imprensa imprensa@camaralimeira.sp.gov.br 19 3404.7522 Rua Pedro Zaccaria, 70 Fone/Fax: 19 3404.7500 CEP: 13484.350 LIMEIRASP -- Douglas Diogo dos Santos Assessor - Mandato Coletivo do Vereador Ronei Costa Martins Site: http://www.roneimartins.com.br/ (19) 3404-7548

INCLUSÃO SOCIAL

Mercado de trabalho Preconceito e desinformação travam contratação de deficientes
De acordo com a Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência (Avape), a contratação de deficientes no mercado brasileiro de trabalho formal caiu 7% entre 2007 e 2008. Algumas empresas justificam que há falta de mão-de-obra para que seja possível cumprir a chamada Lei de Cotas, que estabelece uma determinada proporção das vagas de trabalho em uma empresa reservadas para portadores de deficiência. A Avape, por sua vez, diz que não há falta de mão-de-obra para preencher as vagas estabelecidas pela Lei de Cotas. A entidade ressalta também que a discriminação contra portadores de deficiência melhorou, mas ainda há preconceitos, como a não realização de investimentos nas instalações para dar acessibilidade aos deficientes. Outro fator que prejudica a contratação de portadores de deficiência, no caso a deficiência intelectual, é a confusão entre esse problema e doenças mentais, criando estereótipos negativos que inibem a contratação pelas empresas. Extraído: http://ow.ly/1DyK9 .

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
O segundo livro desta secção é 111 AiS, do escritor Curitibano Dalton Trevisan. Trata-se de mais uma colêtanea de textos, micro contos, retirados de obras do autor: Ah é?, 234, e pico na veia. Dono de textos que em sua maioria tratam do cotidiano e de sua bela cidade natal, Dalton Trevisan, tem no curriculo obras do calibre de: Morte na Praça (1964), Cemitério de Elefantes (1964) e O Vampiro de Curitiba (1965), seu livro mais famoso.
TEXTO
32. - È refinada feiticeira. Coração comido de bichos, ela tem um buraco no peito. Sabe, no dia em que me deixou? - Não me diga. - Só de traidora degolou o casal de garnisés. - Puxa. - Estrangulou o canário no arame da gaiola. -.... - E furou o olho do peixinho vermelho.

PARABÉNS A EMPREGADA DOMÉSTICA. CONHEÇA SEUS DIREITOS

“Dia da Empregada Doméstica”.
(Fontes: www.ibge.gov.br ). Segundo o Ministério do Trabalho, cozinheiro, governanta, babá, lavadeira, faxineira, vigia, motorista particular, enfermeira do lar, jardineiro, copeira são os profissionais considerados domésticos, desde que o local onde trabalham não seja comercial. Quem não tem tempo para os afazeres domésticos como passar, lavar, cozinhar e limpar a casa sabe como é necessário contratar alguém que execute esses serviços em troca de remuneração. E, como nossa casa é um ambiente que desejamos que seja o mais agradável possível, é importante que a empregada doméstica saiba cuidar de um lar como se fosse seu. É um trabalho difícil e, por estas e outras, as empregadas domésticas vêm sendo cada vez mais valorizadas hoje em dia. Com isso, conseguem fazer valer seus direitos. A recente conquista do depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS - mesmo que opcional para o empregador, é sinal de que os tempos mudaram. Quém é o profissional do lar? Pela Lei 5.859 de 11 de dezembro de 1972, que ampara a profissão, doméstico é toda e qualquer pessoa, homem ou mulher, que presta serviços de modo contínuo em local residencial, sem fins lucrativos para o empregador. O caseiro também é considerado doméstico se o local onde trabalha não possui fins lucrativos. Já o zelador e o porteiro de condomínios residenciais ou comerciais não são considerados empregados domésticos. Quanto ao sexo predominante na profissão, as mulheres saem na frente se comparada aos homens. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, em 2001, dos 5.584.228 trabalhadores domésticos, 93,7% eram mulheres. Porém, quando o assunto é carteira assinada, há mais homens do que mulheres. Segundo a Síntese de Indicadores Sociais 2004, em 2003 a proporção de trabalhadores domésticos com carteira assinada era de 40,2% entre os homens e de apenas 26,1% das mulheres. Empregada doméstica ou diarista? - De acordo com a Justiça do Trabalho, a empregada doméstica só estabelece vínculo empregatício com o empregador quando trabalha mais de duas vezes por semana no mesmo local, para a mesma pessoa e recebe salário pelos serviços prestados. As características são as mesmas para a diarista, com exceção da continuidade. Ela geralmente presta serviços em locais e dias diferentes, não configurando assim o vínculo. SEUS DIREITOS - Quem já não teve dúvidas sobre os direitos trabalhistas ao contratar os serviços de uma empregada doméstica? Afinal, ela não tem os mesmos direitos que o trabalhador comum como o seguro desemprego, salário família, pagamento de hora extra, jornada de trabalho fixada por lei, adicional por trabalho noturno e estabilidade. O assunto é complexo e cada caso deve ser analisado a parte. Caso a empregada tenha vínculo empregatício, terá alguns direitos assegurados pela Constituição Federal como pagamento de salário fixo, INSS, 13º salário, férias, repouso semanal remunerado, aposentadoria, auxílio doença e licença maternidade de 120 dias. Deve exigir recibo do empregador cada vez que receber o salário e este não pode ser inferior ao mínimo. Um contrato por escrito, especificando horário de entrada e saída, valor do salário, dia da folga semanal e as funções a serem exercidas é importante para que dúvidas não apareçam. Quanto ao registro na carteira profissional, não só pode como deve tê-lo, sendo providenciado em até 48 horas após sua admissão, mesmo tendo sido estabelecido contrato de experiência. Em 1999, dos 5.334.533 trabalhadores domésticos brasileiros, apenas 25% tinham carteira assinada, contra 75% sem o direito concedido (dados da PNAD 2000). Alguns anos depois, pouco mudou. Segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais 2004, em 2003 este percentual subiu para 27,1%, com larga diferença entre homens e mulheres (40,2% e 26,1%, respectivamente). Na Região Sudeste, este índice é um pouco mais elevado (33,0%). Os piores indicadores estão nas regiões Norte e Nordeste: respectivamente 10,6% e 15,0% dos trabalhadores domésticos têm carteira assinada. SEUS DEVERES - A empregada doméstica não tem só direitos, mas deveres que devem serem lembrados e cumpridos. De acordo com a cartilha do Ministério do Trabalho, ao ser admitida, ela deve apresentar alguns documentos como a carteira de trabalho, o carnê de pagamento do INSS, atestado de saúde (se o empregador exigir) e carta de boas referências. Se for demitida ou pedir demissão, deverá entregar a carteira de trabalho ao empregador para que ele faça os procedimentos legais. Em caso de gravidez, deve comprovar, através de atestado, o mês de gestação e apresentar este documento, além do carnê do INSS e carteira de trabalho para dar entrada ao salário-maternidade. CONQUISTAS - A empregada doméstica tem direito de receber o FGTS. Porém, este direito não é obrigatório, ou seja, o empregador concede se achar que deve. Neste caso, o ideal é que haja um acordo entre ambas as partes. O pagamento do FGTS é de 8% sobre o salário da empregada e deve ser depositado pelo empregador numa conta aberta na Caixa Econômica Federal. E a partir do momento em que o recolhimento é feito, a empregada passa a ter direito a seguro desemprego até três meses após a demissão e pode requerer 40% de multa caso seja demitida. Extraído: http://ow.ly/1Dy84 .

O MURO DA VERGONHA

EUA - México: A fronteira da morte O governo de Barack Obama continua com a política do seu antecessor de usar a morte como medida de dissuasão.
Por Jeb Sprague, da IPS Nogales, México, 26/4/2010 - "Tenho que voltar ao Arizona, é o meu lar", diz o mexicano Sergio, de 26 anos, enquanto coloca a sua última pastilha purificadora num copo de água suja. O seu filho vive nesse estado norte-americano, onde ele mesmo passou a maior parte da sua vida. Sem documentos, Sergio, como outros imigrantes, não pode tirar a carteira de motorista. Quando usava uma identificação falsa foi detido num controle rotineiro de trânsito e, após ficar quatro meses preso, foi deportado. Em inglês fluente explica que imediatamente após a sua deportação tentou cruzar o deserto, mas agentes da patrulha de fronteira dos Estados Unidos capturaram-no e colocaram-no na prisão por oito meses. Ele não tem vínculos familiares nos Estados da fronteira mexicana; toda a sua vida está no Arizona, ressalta Sergio. No dia 13 deste mês, o Legislativo desse Estado aprovou um projeto de lei mais duro contra os imigrantes, que agora está em estudo pela governadora republicana, Jan Brewer. Punindo as pessoas que não tiveram identificação adequada, o projecto exige que a polícia reveja o estatuto legal de qualquer suspeito de não ter documentos legais. Apenas dois dias depois, numa enorme operação com 800 polícias de nove agências federais e locais, foram presas 50 pessoas que trabalhavam no sector de transporte. Funcionários da Imigração dos Estados Unidos disseram que a medida incluiu "uma cooperação sem precedentes com a Secretária de Segurança Pública do México", numa investigação que "implicou membros de alto nível de organizações de tráfico de seres humanos". No mesmo dia, integrantes da organização anti-imigrantes Tea Party fizeram várias manifestações no condado de Maricopa, também no Arizona. O ex-congressista republicano Tom Tancredo culpou os imigrantes ilegais de assassinatos, e usou como exemplo o crime de Rob Krentz, um fazendeiro do Estado, ocorrido no mês passado e ainda não esclarecido. "O sangue dessas pessoas está nas mãos de cada político que administra uma cidade santuário", disse Tancredo na cidade de Tempe. Chama-se cidade santuário aquela onde não há normas federais nem estaduais em matéria de imigração. Isabel García, copresidente da Coligação para os Direitos Humanos, com sede em Tucson, disse na Rádio Pacifica que ela culpa os governos federal e estadual por "fazerem do Arizona o laboratório para todas estas medidas anti-imigrantes'. Com pontos urbanos de cruzamento de fronteiras, como Nogales, uma cidade muito fortificada, os migrantes deportados para o México que desejam retornar com as suas famílias ao Arizona fazem perigosas travessias pelo deserto. Segundo organizações norte-americanas de direitos humanos, a quantidade de migrantes que morrem por ano tentando entrar no Estado aumentou de nove, em 1990, para 200, em meados de 2000. O governo de Barack Obama continua com a política do seu antecessor de usar a morte como medida de dissuasão, o que, segundo o direito norte-americano e internacional, é ilegal. Em 1994, com a aprovação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), o então presidente Bill Clinton (1993-2001) militarizou oficialmente a fronteira com a Operação Guardião e a Operação Defender as Linhas de Combate. Leia a matéria na integra aqui: http://ow.ly/1DxUx .

segunda-feira, 26 de abril de 2010

CONVITE

Conselho das Pessoas com Deficiência de Limeira realiza 3º Programa de Sensibilização O Conselho Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência realiza nesta quarta-feira, 28 de abril, o 3º Programa de Sensibilização Social e Empresarial para colocação de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Será no auditório do Senac, a partir das 8h30, com entrada franca. O objetivo do encontro é derrubar os mitos sobre as pessoas com deficiência, além de mostrar as potencialidades e estimular as contratações dessas pessoas. Outro objetivo é ampliar o respeito aos direitos desses cidadãos. Podem participar empresas, sindicatos, escolas, entidades especializadas e órgãos públicos, membros de CIPAs e profissionais de RH, entre outros. No evento, haverá palestra de esclarecimento e experiências de inclusão no município de Limeira. O Senac fica na rua Quadros Sobrinho, nº 1, Centro. Mais informações podem ser obtidas nas entidades Aril (3404-8900), Apae (3404-1569) e Ainda (3443-2144). As vagas são limitadas. Ricardo Wollmer – Diretor de Imprensa, Rádio e TV (Mtb. 46.243) Assessoria Geral de Comunicações Prefeitura de Limeira/SP (19) 3404-9622 imprensa@limeira.sp.gov.br www.limeira.sp.gov.br

JUSTIFICATIVA DO SECRETÁRIO

SECRETÁRIO JUSTIFICA AUSÊNCIA DE SEMINÁRIO Recebi e-mail do meu amigo Secretário Municipal de Cultura, o Jornalista Adalberto Mansur a respeito de sua Ausência no Seminário sobre mudanças na Lei Rounet, organizado pela ACARTE, SENAC e a própria Secretária. Fico feliz pela justificativa, pois isto demonstra a seriedade com que um homem público da relevância de um secretário, encara as criticas, que no caso apenas este articulista achou estranho a ausência, mas entende que foi por uma boa causa. Abaixo então na integra a mensagem: Janjão: Li seu artigo no blog Jornalistas sobre o debate envolvendo a questão da Lei Rouanet. Informo que não compareci porque estava participando, no mesmo horário, do Seminário sobre a Saúde da População Negra, organizado pelo Decadie, departamento afro-descendente ligado à Secretaria da Cultura, no qual eu representava o Prefeito, como representaria Silvio também se pudesse comparecer ao evento da ACARTE. O evento do Decadie ocorreu na Câmara Municipal. Apesar de minha ausência, o Lima é testemunha que, na sexta-feira, adiantei a ele que poderia não ir ao Senac, em razão do seminário do Decadie, bem como a Secretaria da Cultura apoiou a iniciativa. Se possível, gostaria que você esclarecesse junto aos leitores do blog. Grato, Adalberto Mansur

CONVITE

16º. BATEPAPO CULTURAL Pontos de Cultura: o Brasil de baixo para cima Des-elitizar a cultura e reconhecer a cultura popular como elemento necessário para o reconhecimento de constituição de um povo tem sido o mote que movimenta Célio Turino e suas ‘andanças’ e criações por esse país afora. O convidado caracteriza- se por ser grande idealizador e articulador de políticas públicas que promovem a participação da população, bem como sua inserção na vida sociocultural de pequenas e grandes comunidades por meio de proposições políticas na formulação de meios de expressão artístico-culturais necessárias e esse momento histórico que vivemos. Os Pontos de Cultura, o maior programa de política pública de arte-cultura que esse país já teve, foi concebido e viabilizado pelo Ministério da Cultura sob a batuta de Célio Turino. Os Pontos de Cultura agregam todas as formas de expressão - música, poesia, produção audiovisual, literatura, artes plásticas, dança -, e estão espalhados por todos os pontos do país. A sensibilidade de seu criador pode ser visitada no livro Pontos de Cultura – O Brasil de Baixo Para Cima , que reúne relatos pessoais das experiências vividas pelo autor, bem como o reflexo desse contato próximo com a população dentro da sua trajetória como homem social e político. Passagens pela tribo Yawalapíti, que vive no Parque Nacional do Xingu com mais de 13 etnias ou pela Casa de Cultura Tainã, em Campinas, interior de São Paulo, que nasceu de modo independente após uma série de iniciativas tímidas na cidade, são algumas das viagens que podem ser feitas a partir dessa leitura. Além da apresentação de Célio Turino o livro de sua autoria poderá ser adquirido pelos interessados ao preço de R$ 35,00. O Batepapo Cultural é um evento mensal que acontece desde fevereiro de 2009 numa parceria entre a Prefeitura Municipal e a UNESP, com organização do Arquivo Público e da Secretaria de Cultura. A proposta é proporcionar o encontro entre pesquisadores de diferentes áreas e a comunidade, sempre com a preocupação de apresentar um outro olhar para a realidade com novos desafios a serem aprendidos. Depois de olhar, saber que temas importantes estão sendo estudados e podem nos ajudar a construir uma história diferente, onde posicionar-se como agente de seu tempo seja a tônica do nosso dia-a-dia. O 16º. Batepapo Cultural será no dia 28 de Abril de 2010 às 20h, no piso inferior do Centro Cultural. Como tem acontecido nos encontros anteriores, a mediação deste Batepapo será feita pelo Prof. Romualdo Dias da UNESP-Rio Claro. Essa edição do Batepapo conta também com a parceria do Ponto de Cultura Cidade Viva, situado no Centro de Voluntariado de Rio Claro. Será fornecido certificado emitido pela UNESP. RENÊ MAINARDI -artista multimídia- artes plásticas, música e cinema 19 - 92008908 renemainardi@hotmail.com

IMPRENSA TUCANA

Até você Heródoto? Nas últimas semanas o debate pré-eleitoral Serra x Dilma tem esquentado e com ele a força da manipulação grosseira da mídia, sempre com interesses muito claros. É interessando a gente notar e procurar percebar como pessoas e jornalistas de respeito se deixam levar pela onda. Hoje, 26/04, foi a vez de Heródoto Barbeiro no Jornal da CBN. Ele foi enfático e em tom de ironia afirmou mais ou menos assim: a pré-candidata Dilma Rousseff admitiu ontem no Rio de Janeiro que aceita até Garotinho no seu palanque".
Logo em seguida colocaram a fala de Dilma e em nenhum momento a pré-candidata confirma tal posição anunciada pelo âncora. Esse tipo de coisa só vem confirmara denúncia do jornalista Mauro Carrara no texto "Tempestade no Cerrado", disponível em: http://esquerdopata.blogspot.com/2010/03/operacao-tempestade-no-cerrado.html . Nele, Carrara diz o que foi combinado pelos donos da mídia tupiniquim para borbardear e tentar anaquilar a cadidatura Dilma Rousseff. Ainda sobre esse assunto vale a pena ler texto de Emir Sader: a folha de são paulo é partido tucano - mente desesperadamente. Vamos acompanhar de perto essas e outras ocorrências.
Extraído: http://ow.ly/1Digq .

V FEIRA NACIONAL DO LIVRO DE POÇOS DE CALDAS

ARMAS NUCLEARES NO IRÃ? VERDADE OU FICÇÃO?

Chomsky: "Os mulás não são suicidas" Em entrevista à publicação alemã Freitag, Noam Chomsky fala da pressão dos EUA e de Israel sobre o Irão e seu significado geopolítico. Por David Goeßmann e Fabian Scheidler.
Barak Obama obteve o Prémio Nobel da Paz em 2009, numa altura em que enviava mais tropas para o Afeganistão. O que aconteceu à «mudança» prometida? Sou dos poucos que não está desiludido com Obama, porque não tinha muitas expectativas em relação a ele. Escrevi acerca das posições de Obama e das suas perspectivas de sucesso antes do início da sua campanha eleitoral. Conhecia a sua página web e, para mim, era evidente que se tratava de um democrata moderado ao estilo de Bill Clinton. Há, claro, muita retórica sobre a esperança e a mudança. Mas isso é como uma folha em branco onde se pode escrever o que se quiser. Aqueles que se desesperaram com o rescaldo da era Bush tentaram encontrar esperanças. Mas não existe nenhuma base para quaisquer expectativas, depois de analisada correctamente a substância dos discursos de Obama. O governo norte-americano tratou o Irão como uma ameaça devido ao seu programa de enriquecimento de urânio, enquanto países que possuem armas nucleares como a Índia, o Paquistão e Israel escapam a essa pressão. Como encara esta actuação? O Irão é encarado como uma ameaça porque não obedeceu às ordens dos Estados Unidos. Militarmente esta ameaça é irrelevante. O Irão não teve comportamentos agressivos fora das suas fronteiras durante séculos. O único acto agressivo verificou-se nos anos setenta sob o Xá da Pérsia quando, com o apoio dos Estados Unidos, foram invadidas duas ilhas árabes. Naturalmente, ninguém deseja que o Irão ou qualquer outro país disponha de armas nucleares. Evidentemente, sabe-se que esse país é governado, incontestavelmente, por um regime abominável. Mas apliquem-se os standards exigidos ao Irão a aliados dos americanos como a Arábia Saudita ou o Egipto e, nesse caso, apenas se pode criticar o Irão em matéria de direitos humanos. Em 30 anos, Israel invadiu o Líbano cinco vezes, com o beneplácito e a ajuda dos Estados Unidos. O Irão não fez nada que se lhe assemelhe. No entanto, este país é considerado uma ameaça porque seguiu um caminho independente e não se subordina a nenhuma ordem das autoridades internacionais. O seu relacionamento com o Chile dos anos setenta não foi diferente. Quando este país passou a ser dirigido pelo socialista Salvador Allende, os Estados Unidos apostaram na sua desestabilização para gerar «estabilidade». Não se trata de nenhuma contradição. Era preciso derrubar o governo de Allende - a força «desestabilizadora» - para manter a «estabilidade» e poder ser restaurada a autoridade dos Estados Unidos. Verificamos agora o mesmo fenómeno na região do Golfo. Teerão opõe-se a essa autoridade. Leia a matéria na Integra aqui: http://ow.ly/1Dhz3 .

UMA CRÔNICA

O JORNALISMO ESPORTIVO NO BRASIL O Jornalismo Esportivo no Brasil, com raríssimas exceções, resume-se em divulgar apenas noticias que lhes tragam ibope e mais do que isto, mostra-se claramente o atrelamento de profissionais e mesmo de empresas de comunicação á clubes, e em especial os de futebol. Há denuncias de que vários Jornalistas fazem parte da folha de pagamento ou dos times, ou dos Jogadores, ou de algum cartola e claro dos empresários de atletas. Alem disto o Merchant nos últimos anos tem baixado ainda mais a qualidade do trabalho dos Jornalistas, principalmente nas mídias eletrônicas, TV e Radio, onde se perde um enorme tempo, falando do patrocinador e aí sobra-se pouquíssimo tempo para falar de esportes propriamente dito. Este comprometimento político e lucrativo, faz com que as pautas jornalísticas sejam não só reduzidas com de péssima qualidade. São crônicas que não analisam tática ou esquemas de jogo e muito menos, questionam ou colocam em debate assuntos administrativos e políticos que envolvem o esporte. Não é a toa que o Presidente da CBF Ricardo Teixeira se perpetua no poder, após sucessivas denuncias de corrupção e de beneficio próprio do patrimônio da entidade. Ou escândalos como a da parceria Corinthians e MSI são abafados ou sequer esclarecidos como se deveria. O comprometimento com este ou aquele clube é tanto, que chega a dar urticária quando vejo um ou outro Jornalista, a puxar o saco da equipe que lhe faz agrados. Nossa imprensa esportiva deixa muito a desejar, em quase todos os aspectos. Não faz um jornalismo de analise técnica e tática profunda e isenta sem partidarismos, é limitada nas reportagens, faz quadros principalmente na TV, enaltecendo demasiadamente um boleiro. Dificilmente faz criticas ao posicionamento social e econômico dos Atletas. Jornalismo investigativo então, nunca existiu, poucos abnegados o fazem. Já tivemos vários momentos em que a investigação era necessária, como os escândalos da Loteria Esportiva, os milhões que os clubes de futebol devem á Previdência Social, transações de jogadores que envolvem milhões, dos quais nunca se sabe como foi feita e por aí adiante. Recentemente um caso me chamou a atenção e foi inspirador deste texto. O zagueiro Danilo da Sociedade Esportiva Palmeiras, agrediu verbalmente dentro de campo um outro zagueiro, Manoel do Atlético Paranaense, o chamou de macaco, após uma trombada em uma disputa de bola. O jogador do time paranaense denunciou a policia a agressão e promete acionar o Zagueiro Palmeirense judicialmente, por crime de racismo. Com raras exceções, mas raras mesmo a maioria da mídia se limitou a informar do ocorrido e o que é mais grave, teve jornalista que afirmou ser necessário por uma pedra sobre o assunto. Ora, enquanto agirmos feitos avestruzes, não só casos como este se repetiram, como nunca teremos a oportunidade de fazer com que o esporte seja sinônimo de cidadania e ética e estas qualidades são sinônimos de respeito e de modernidade. Outro caso o qual a mídia esportiva correu para botar panos quentes foi o caso de agressão do atacante Adriano do Flamengo a sua mulher, bem como a declaração do goleiro Bruno do mesmo time, que justificou o fato de que todos já bateram em suas mulheres e os jornalistas esportivos se calaram tamanha besteira que se ouviu naqueles dias. E olha que a Presidente do time carioca é uma mulher heim?. È preciso que nossa crônica esportiva, deixe de lado o criminoso ato de receber jabás e ajudazinhas de custo, que cresça na sua qualidade de investigar as irregularidades, de denunciar as injustiças- 90% dos atletas de futebol, ganham abaixo de mil reais e alguns vivem em condições de trabalho escravo e completa miséria-, tratar os clubes com insenção, e não com paixão ou o olho no ibope e no patrocinador. O dia em que nossa imprensa Esportiva cumprir o papel educativo e de informação, acreditarei que o Esporte pode ser ainda mais um caminho de formação de seres humanos éticos e com responsabilidade com seu País. Alem de que uma crônica esportiva com estes preceitos ajudará que sejamos uma potência olímpica nos moldes dos Americanos, Russos e Europeus.

LUTA PELOS DIREITOS HUMANOS

QUE TODOS TENHAM O DIREITO DE SEREM FAMOSOS O telefone tocou- Janjão, Kely pelo amor de Deus, o Zé Carlos precisa vir urgente na Santa Casa- perguntei- O que aconteceu?- Os meninos morreram- Choro no outro lado da rua e silêncio de minha parte. A Assistente Social do CEDECA- Centro de Defesa da Criança e do Adolescente “David Arantes- Isabel Candido, a Bel, não se conformava com o falecimento no setor de queimados do Hospital Santa Casa de Misericórdia, dos adolescentes Christofer Maycon Scavassani e Thomas Jéferson Feliciano. Os dois com nome de gente famosa. O primeiro uma homenagem que ao chegar no cartório, saiu com y a um ícone da música pop, Maicon Jackson. O segundo não sei se os pais conheciam a História ou não trata-se de uma referencia na integra ao terceiro Presidente dos Estados Unidos, autor da Declaração de Independência Americana. Ao contrario dos dois heróis de nossa História mundial, os dois meninos não eram personalidades do Show Business ou da política. Eram dois adolescentes que cometeram erros, os quais estavam pagando por eles. Mas um incêndio criminoso, os fez ficarem famosos, não com o brilho das máquinas fotográficas ou com apupos de fãs, ou ainda passarem para os anais deste País como responsáveis por mudanças políticas. Foram manchete de jornal sim. Porem como assunto de profunda tristeza e revolta, que na ultima semana a Justiça dos homens resolveu reparar o descaso das autoridades, que deveriam cuidar com ternura nossas crianças e adolescentes, principalmente, os que cometem infrações e que tem o direito constitucional de uma segunda chance. Naquele dia após o telefonema da Assistente Social do CEDECA, o Vereador José Carlos Pinto, na oportunidade Presidente da Comissão Permanente de Direitos Humanos da Câmara de Limeira, iniciou um processo de apuração do caso e juntamente com o Centro de defesa fez a denuncia ao Ministério Público do que realmente ocorreu. A custódia para adolescentes infratores, é um local, onde o garoto ou garota ficam por no máximo 45 dias aguardando a decisão do Juiz da Vara da Criança e do Adolescente qual a medida sócio educativa será a ele aplicada, de acordo com o Estatuto, o ECA. Cabe ao município fornecer local, alimentação e um programa educativo, cultural e esportivo, para que o adolescente não passe o tempo na Custódia sem nada a fazer. Ocorre que naquele ano de 2006, a antiga casa de custódia passava por eternas reformas, que já duravam vários meses. Aí o Estado que na verdade tem responsabilidade primeira sobre a questão, recolheu os meninos, na velha cadeia do São Cristóvão desativada em Lei e ativa na pratica. As condições do cadeião eram horríveis, onde recebíamos denuncias de que os adolescentes dividiam cela com adultos, passavam fome e outras mazelas. A morte de Maycon e Thomas, fez com que parte da sociedade e até o poder público, discuti-se o assunto com maior atenção. Foi daí que se debateu a necessidade de se ter um programa de prevenção as infrações e que as medidas sócio educativas sejam cumpridas na própria cidade. Então nasceu a idéia da implementação do NAI- Núcleo de Atendimento Integrado- que hoje funciona na antiga casa da laranja. Se ainda tem problemas de funcionamento, quanto a concepção de recuperar os adolescentes para a inclusão na sociedade, não deixa de ser uma vitória sua criação. Vitória que infelizmente foi impulsionada pelo descaso do Estado e do Município, com nossas crianças e Adolescentes. A morte dos dois garotos, queimados, após um curto circuito na cela onde estavam, foi fundamental para que as autoridades pelo menos no município, parecem com discurso de retórica e factóides, para pelo menos discutir uma política pública voltada a este universo. A decisão em primeira instancia de obrigar o Estado a pagar indenização as famílias dos garotos, demonstra que, os lutadores da defesa dos Direitos Humanos na cidade, estavam e estão certos de cobrar dos homens públicos que cumpram suas responsabilidades. Segundo, demonstra que a Justiça pode funcionar perfeitamente na defesa dos DH, punindo aqueles que desrespeitam o ser humano. As indenizações não trarão de volta os meninos, nem diminuirá a dor das famílias pela ausência de seus filhos. Mas na certa serve como lição de que outros meninos e meninas podem sim ser famosos como o cantor Pop e o revolucionário Americano. Para isto é preciso que as autoridades constituídas em todos os níveis, façam sua parte.

UM FERNANDO VERISSIMO

"Os Espiões" (Luis Fernando Verissimo) Título: "Os Espiões Escritor: Luis Fernando Verissimo Gênero: Romance Lançamento: 2009 Páginas: 142 Acabamento: Brochura Editora: Objetiva / Alfaguara “Os Espiões” é o mais novo romance do Luiz Fernando Verissimo e traz uma trama eletrizante do inicio ao fim. A leitura é descomplicada e agradável. Apesar de não ser um livro longo, o escritor consegue prender nossa atenção logo nas primeiras páginas e nos apresenta no decorrer da história uma dose de espionagem, desilusões amorosas, disfarces engraçados, conversas descontraídas em uma mesa de bar e uma jovem mulher misteriosa. O personagem principal é um editor frustrado na vida profissional, desiludido com as mulheres e que busca afogar suas mágoas na bebida. Trabalha em uma pequena editora de Porto Alegre, sua função é examinar os originais de vários livros que chegam todo dia pelo correio, uma verdadeira enxurrada de novos escritores com a esperança de ter sua obra publicada. Não é uma tarefa muito agradável, ainda mais as segundas quando o editor está no auge da sua ressaca pós-fim de semana e por isso os originais tem o lixo como destino, porém quando resolve escrever uma carta de rejeição é ainda mais implacável e áspero nas suas respostas. A Editora só passou a ser procurada dessa forma depois de publicar o livro “Astrologia e Amor – Um Guia Sideral Para Namorados”, um guia duvidoso, mas que tem lá seus leitores e com isso um certo sucesso, porém o autor Fulvio Edmar nunca recebeu um centavo de direitos autorais do Marcito (dono da Editora). É nesse ambiente que tudo começa a mudar na manhã de uma terça feira quando a editora recebe um envelope em branco, com uma letra trêmula e uma florzinha no lugar do pingo do i. O editor fica fascinado pelo texto, que é assinado por uma certa Ariadne e que ameaça contar sua história com um amante secreto e depois disso se suicidar. O livro chega por partes, porém sem maiores informações da autora. Nessa altura o editor começa a ser atormentado por sonhos românticos e que depois resulta em uma atitude: descobrir quem é Ariadne e, se possível, salvá-la da morte anunciada. O editor que é um frequentador assíduo do bar do Espanhol e começa a contar a história de Ariadne aos colegas que aos poucos se envolvem com o caso, porém sempre com a mesma dúvida: Seria o texto verdadeiro ou apenas uma obra fictícia?. A essa altura o editor consegue convencer os colegas de que precisa ir até a jovem para descobrir tudo e salvá-la. Então o grupo passa a estudar algumas maneiras para chegar até a cidade sem levantar suspeitas e para isso criam disfarces engraçados e por fim batizam a operação de “Teseu”. Na mitologia grega Ariadne é filha de Minos, rei de Creta, e ajuda Teseu a sair do labirinto depois que ele mata o Minotauro. Já em “Os Espiões” Luis Fernando Verissimo cria o mesmo universo, porém ao contrário. No livro é Ariadne quem vai enfeitiçando o protagonista e seus amigos de bar. Em uma história onde a comédia e o drama caminham lado a lado, os espiões convidam o leitor para que juntos possam ingressar na “Operação Teseu” com apenas uma única missão: Salvar a jovem Ariadne. Leia trechos do livro aqui: http://ow.ly/1D37z .

UMA DENÚNCIA

Ameaça de apresentador a estudante de jornalismo
Após incorporar o Twitter, o blog passará agora a adotar a ferramenta vídeo. Na estreia, para quem não viu ainda, assistam a ameaça feita por um apresentador de TV do Paraná a um estudante de jornalismo, que escreveu uma crítica ao programa. Veja o Vidêo e o Blog do Jornalista Rafael Sereno aqui: http://ow.ly/1D30o .

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
O segundo livro desta secção é 111 AiS, do escritor Curitibano Danton Trevisan. Trata-se de mais uma colêtanea de textos, micro contos, retirados de obras do autor: Ah é?, 234, e pico na veia. Dono de textos que em sua maioria tratam do cotidiano e de sua bela cidade natal, Dalton Trevisan, tem no curriculo obras do calibre de: Morte na Praça (1964), Cemitério de Elefantes (1964) e O Vampiro de Curitiba (1965), seu livro mais famoso.
TEXTO
31. Amanhã faz um mês, ai não, a Senhora longe de casa. Primeiro dia, na verdade, falta não senti. Bom chegar tarde, esquecido na conversa de esquina. Não foi ausência por uma semana: o batom ainda no lenço, o prato na mesa por engano, a imagem de relance no espelho. Com os dias, Senhora, o leite primeira vez coalhou. A noticia de sua perda veio aos poucos: a pilha de jornais ali no chão, ninguém os guardou debaixo da escada. Toda a casa um corredor vazio, até o canário ficou mudo. Não dar parte de fraco, ah, Senhora, fui beber com os amigos. Uma hora da noite eles se iam. Ficava só, onde o perdão de sua presença, ultima luz na varanda, a todas as aflições do dia? Sentia falta da pequena briga pelo sal no tomate – meu jeito de querer bem. Acaso é saudade, Senhora? As suas violetas, na janela, não poupei água e elas murcham. Não tenho botão na camisa. Calço a meia furada. Que fim levou o saca-rolha? Nem um de nós sabe, sem a Senhora, conversar com os outros: bocas raivosas mastigando. Venha para casa, Senhora, por favor.