Seguidores

Arquivo do blog

domingo, 28 de fevereiro de 2010

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
Vamos iniciar com a coletânea Mulheres, que reuni textos do escritor Uruguaio Eduardo Galeano. A obra compõe escritos de vários livros do autor, como a trilogia Memória do Fogo, O livro dos Abraços, Vagamundo, Palavras Andantes, Dias e Noites de Amor e Guerra, entre outros. Galeano autor do best seller As veias abertas da América Latina, faz uma homenagem carinhosa a mulheres ilustres e anônimas que ajudaram a construir a História das Américas.
TEXTO
AS MOLAS DE SAN BLAS
As índias cunas fazem as molas, nas ilhas de San Blas, no Panamá, para exibi-las pregadas nas costas ou no peito. Com fio e agulha, talento e paciência, vão combinando retalhos de panos. Coloridos em desenhos que jamais se repetem. As vezes imitam a realidade; as vezes a inventam. E as vezes acontece que elas, querendo copiar, só copiar, algum pássaro que viram, se põem a recortar e costurar, ponto após ponto, e terminam descobrindo algo mais colorido e cantor e voadeiro que qualquer um dos pássaros do céu.

O BARCO VIKING

O Barco Viking em desenho animado.
Salve, ontem eu fui para a quebrada do Jardim Comercial, com os amigos ver o desenho baseado no meu conto, depois de tantos meses está pronto "O Barco Viking" baseado no conto do mesmo nome, publicado no livro Ninguém é inocente em em São Paulo.
O desenho já está no youtube no link: http://www.youtube.com/watch?v=H9tqH_gDJIk para ver o Making Off da animação, O barco viking e detalhes da produção do desenho só entrar no blog http://www.obarcoviking.blogspot.com/
o projeto e desenvolvimento é da turma talentosa: Henrique dos Santos, Marcelo Pitel, Tigone, Will Mangraf, Ana Torres, Beto Uchoa. Um ótimo trabalho que me deu muito orgulho, com parceria do Projeto Carmin e do VAI.
Férrez
Extraído: http://ow.ly/1c7bo .

PROJETO CANÇÕES À L'ACARTE

Mais um projeto da ACARTE em parceria com a Secretaria Municipal da Cultura.Trata-se de um projeto musical que irá abrir mais espaço para músicos de Limeira apresentarem seus trabalhos musicais no Teatro Vitória com início em 14/04/2010.
Serão 05 Bandas, músicos “Solo” ou duplas por noite.Cada um terá um espaço para apresentar 05 músicas, sempre com um tema pré definido. Com direito a cachê!Edital aberto para inscrições a partir do dia 01/03/2010 a 30/05/2010
Baixe o Edital, Ficha de inscrição e termo de compromisso.
EDITAL EM PDF: BAIXAR
FICHA DE INSCRIÇÃO DOC: BAIXAR
TERMO DE COMPROMISSO DOC: BAIXAR

CAMPANHA CONTRA OS PEDÁGIOS ABUSIVOS

O número de praças de pedágios nas rodovias paulistas cresceu absurdamente nos últimos anos. Mesmo em áreas da Grande S. Paulo, em locais a menos de 35 km do marco zero da capital (Praça da Sé) e que por lei deveriam ser proibidos. Até em rodovias que foram projetadas como rotas alternativas ao caótico trânsito da cidade, caso do Rodoanel, que hoje também é pedagiado.
Mas não é só na Grande S. Paulo que os pedágios trazem transtornos graves à população. Muitas cidades do interior foram cortadas e isoladas com a criação de pedágios que não levaram em conta a realidade local e o impacto na economia dos municípios atingidos.
Enquanto isso as concessionárias obtêm lucros exorbitantes, em dez anos, o lucro líquido auferido pelas concessionárias chegou a 3 bilhões de reais, um aumento de 1.053%. Matéria publicada pelo jornal Folha de S. Paulo de 25/12/2009 revelou que as concessionárias bateram recorde de lucro em 2009. R$ 4,55 bilhões, nível recorde, 17,3% superior ao arrecadado em 2008. Os dados são da Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo).
Convidamos você a manifestar sua indignação, assine o abaixo-assinado eletrônico e expresse sua opinião. Para assinar basta clicar aqui.
Junto com movimentos contra os pedágios que estão atuantes em vários bairros da capital, em cidades da Grande S. Paulo e nas cidades do interior do Estado atingidas pelos pedágios, queremos colher milhares de assinaturas para entregar à Assembléia Legislativa e ao governador do Estado de S. Paulo expressando a indignação na população paulista com os pedágios mais caros do país.
Para assinar é muito simples, basta clicar no link: http://www.apoiopopular.org/ e preencher o formulário (depois o site envia um e-mail automático de confirmação, não deixe de confirmar).

sábado, 27 de fevereiro de 2010

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
Vamos iniciar com a coletânea Mulheres, que reuni textos do escritor Uruguaio Eduardo Galeano. A obra compõe escritos de vários livros do autor, como a trilogia Memória do Fogo, O livro dos Abraços, Vagamundo, Palavras Andantes, Dias e Noites de Amor e Guerra, entre outros. Galeano autor do best seller As veias abertas da América Latina, faz uma homenagem carinhosa a mulheres ilustres e anônimas que ajudaram a construir a História das Américas.
TEXTO
SOBRE A PROPRIEDADE PRIVADA DO DIREITO DE CRIAÇÃO
Os compradores das ceramistas de Ocumicho querem que elas assinem seus trabalhos. Elas usam sinete para gravar o nome ao pé dos seus diabinhos. Mas muitas vezes esquecem de assinar, ou aplicam o sinete da vizinha se não encontram o seu, de maneira que Maria acaba sendo autora de uma obra de Nicolasa, ou vice-versa.
Elas não entendem este assunto de glória solitária. Dentro de sua comunidade de índios tarascos, uma é todas. Fora da comunidade, uma é nenhuma, como acontece ao dente que se solta da boca.

GREVE NA GRÉCIA

Grécia: Centenas de milhares se unem à greve do setor público contra os brutais planos de austeridade
Andros Payiatsos, Xekinima (CIT Grécia) O ‘resgate’ da UE vem com impiedosas “condições rigorosas” – a resistência dos trabalhadores deve continuar!
Centenas de milhares de trabalhadores do setor público entraram em greve na Grécia, na quarta 10 de fevereiro, em um impressionante demonstração de força contra o draconiano pacote de cortes sociais do governo do social-democrata PASOK.
Estima-se que 75% dos trabalhadores do setor público participaram, subindo para 90% entre as maiores empresas do setor estatal. Duas manifestações de sindicalistas e trabalhadores também foram realizadas em Atenas, apesar da forte chuva, com um total de 15 mil, o que são grandes manifestações comparadas a protestos similares nos anos recentes, especialmente dadas as más condições climáticas.
Uma greve dos trabalhadores do setor privado chamada para 24 de fevereiro se tornará uma greve geral de 24 horas, já que a Confederação Sindical dos Trabalhadores Públicos (ADEDY) decidiu se unir a mobilização.
Há uma raiva generalizada e profunda contra os planos de ataques aos empregos, salários, condições de trabalho, aposentadoria e aumentos de impostos. As medidas de austeridade incluem um congelamento dos salários do setor público e sérios cortes nos bônus, que constituem uma grande parte da remuneração do setor público grego (algumas vezes 90% do salário oficial); pesados impostos sobre combustíveis, tabaco e álcool; substituição de apenas um em cada cinco dos empregados que deixam o serviço publico; aumento da idade de aposentadoria em dois anos, em média acima dos 65 anos (agora a idade formal de aposentadoria), dando “incentivos” aos trabalhadores para ficarem mais tempo no trabalho (incentivo significa reduzir o número de aposentadorias para que os trabalhadores sejam forçados a trabalhar por mais tempo). Jornalistas estrangeiros descreveram as principais marchas da última quarta como um “rio de fúria”. Um trabalhador comentou: “O que eles estão tentando fazer é roubar nossos direitos duramente conquistados, direitos como a jornada de oito horas e uma aposentadoria decente depois de toda uma vida de trabalho. Essa é uma crise que vai tornar os pobres ainda mais pobres e os ricos mais ricos. É totalmente injusto”. Mas o sentimento é misto, com alguns trabalhadores também expressando resignação e até desespero. Muitos também estão aturdidos pelo rápido desenvolvimento e profundidade da crise econômica grega. Os líderes da federação sindical ADEDY (dos empregados públicos), que chamaram a greve, dizem que se opõem ao brutal pacote de austeridade do governo, mas não apresentam um programa concreto para os trabalhadores derrotarem os ataques ou oferecer uma verdadeira alternativa aos cortes. Muitos ativistas experientes dizem que a greve foi chamada principalmente para “diminuir um pouco a pressão”.
Leia a matéria na integra aqui: http://ow.ly/1bUb1 .

UMA NOVA CENTRAL SINDICAL EM DEBATE

Um debate agita o movimento sindical combativo, a construção de uma nova central classista. Qual o espaço político para a construção dessa central? Há rupturas pela base com os sindicatos pelegos e atrelados ao governo? Quem dela deve fazer parte? Como deve ser sua composição: a forma tradicional das centrais sindicais, ou aberta à participação de outros setores, como o movimento estudantil, por exemplo? Como deve ser a relação do PSOL com esse movimento? Como fazer para evitar o burocratismo sindical? Esse é um debate aberto que propomos neste espaço com todos aqueles que querem construir uma nova ferramenta de luta da classe trabalhadora. Participe!

ECONOMIA SOLIDÁRIA

Economia Solidária 1º Seminário movimenta Câmara Municipal O primeiro Seminário sobre “Economia Solidária” reuniu cerca de 80 pessoas no Plenário “Vereador Vitório Bortolan” nessa quinta-feira (dia 25). O evento foi organizado pela Comissão de Assuntos Relevantes que estuda as condições de trabalho informal do setor de joia e bijuteria na cidade, que é presidida pelo vereador Ronei Costa Martins (PT), e pelos vereadores Carlinhos Silva (PDT) – Relator e Nilce Segalla (PTB).
Entre os presentes estavam: vereador Mário Botion (PR), vereador Valmir Gonçalves de Almeida (Iracemápolis), vereador Marco Antônio Kim (Americana), vereador Breno Portela (Araras), secretário de planejamento Antonio Cordeiro (Artur Nogueira), representantes de sindicatos, do Conselho Tutelar, empresários, trabalhadores do segmento, representantes de diversas associações de moradores.
Vereador Ronei destacou que o objetivo do seminário foi para tratar a informalidade neste setor. “Este é o setor mais importante para a economia de Limeira, precisamos discutir e trazer soluções “práticas” para retirar as trabalhadoras desta situação de exploração, garantindo dignidade a todos” disse Ronei.
O Secretário Adjunto da Secretaria Nacional de Economia Solidária ligada ao Ministério do Trabalho, Fábio José Bechara Sanches explicou para o público presente a perspectiva da Economia Solidária. “É uma forma de cooperativa, com empreendimentos coletivos, participação democrática e partilha dos resultados que abrange uma diversificação de segmentos sendo uma boa alternativa de renda”, explicou. “A Economia Solidária dinamiza a economia, reduz as diferenças sociais, organiza o setor com condições de trabalho mais dignas, gerando desenvolvimento mais justo para o setor”, completou Bechara.
A cidade de Osasco já trabalha com projetos voltados para a “Economia Solidária” e vem obtendo resultados positivos, conforme apresentou Sandra Praxedes, Coordenadora do Programa Osasco Solidária.
“Este programa desenvolve trabalho e inclusão, é voltado para emprego, trabalho e renda”, citou Sandra. “Não é o “salvador da pátria”, é uma proposta que nos convida a olhar com outra perspectiva as mudanças, o novo modelo sócio produtivo, a nova realidade”, ressaltou Sandra.
Um ponto destacado por Sandra em sua explanação foi de Limeira ter a sua vocação local. “Em Limeira o setor está desenvolvido, mas precarizado, e pode ser desenvolvido com ações em conjunto, potencializando os trabalhadores, a administração pública, os empresários. Podem ser promovidas ações além de Limeira, preparando o trabalhador para sair desta atual situação”, disse Sandra.
Deputado estadual Simão Pedro (PT), que é especialista em Cooperativismo parabenizou a iniciativa da Comissão em organizar o Seminário. “A sugestão é que Limeira busque no exemplo de Osasco um caminho para mudar a atual realidade do setor de joias e folheados. A Economia Solidária é o caminho para superar problemas sociais”, destacou o deputado.
Vice-Presidente da Cáritas Limeira, José Aparecido Vidotti aprovou a realização do Seminário. “A proposta deste trabalho é resgatar as pessoas que estão a margem do trabalho, que estão sem condições de subsistir, o que compromete toda estrutura da família”, disse. “Iniciativa como esta é importante e esperamos que o legislativo apresente um Projeto de Lei que incentive o trabalho em cooperativas, que trabalhe mais políticas públicas no município que fomente a geração de empregos”, completou Vidotti. A Secretária de Promoção Social de Artur Nogueira, Maria Monteiro acompanhou o seminário. “Este trabalho é importante para Limeira e toda região, que deve se integrar e fazer um movimento para fortalecer a Economia Solidária, buscando para a nossa região alternativas para juntas fomentar a política pública”, destacou.
Douglas Diogo dos SantosAssessor - Mandato Coletivo do Vereador Ronei Costa Martins
Site: http://www.roneimartins.com.br/ (19) 3404-7548

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

CURSO: A ATUALIDADE DE ANTONIO GRAMSCI

Instituto Zequinha Barreto - "Socialismo e Democracia" CONVIDA PARA O CURSO A ATUALIDADE DE ANTONIO GRAMSCI Profº EDSON MIAGUSKO Doutor de Sociologia formado pela Universidade de SP ( USP ) O contexto das idéias de Gramsci A noção de hegemonia Sociedade Civil e Sociedade Politíca Bloco Histórico Idéias de Gramsci e o Brasil Sábado 06 de Março /2010 13h30 às 17 h Duração: 3 horas LOCAL Químicos Unificados - Regional Osasco Pça: Joaquím do Santo Ribeiro N 265 - Km 18 - Osasco PRóximo Antiga Praça do Samba INFORMÇÕES E INSCRIÇÕES (11) 3695-0661 - Pedrina (11) 3608-5411 - Kaká e-mail: http://br.mc511.mail.yahoo.com/mc/compose?to=socialismoedemocracia@gmail.com

CONVITE

CONVITE O Grupo de Estudos Jurídicos e Administrativos do IEG convida a todos os interessados para participar de uma reflexão sobre a Lei LEI Nº 7.716, DE 5 DE JANEIRO DE 1989 que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor. O estudo abrangerá a legislação, a doutrina e a jurisprudência a respeito do tema. Objetivo: discutir com operadores do direito, lideranças da sociedade civil e população em geral sobre estratégias e táticas de combate à discriminação racial. DATA: 03/03/2010, quarta-feira, 19:30 LOCAL: Rua Dr. Humberto Armbruster, 403 , Bairro Boa Vista, Limeira-SP. PROMOÇÃO: IEG – Instituto Educacional Ginga

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
Vamos iniciar com a coletânea Mulheres, que reuni textos do escritor Uruguaio Eduardo Galeano. A obra compõe escritos de vários livros do autor, como a trilogia Memória do Fogo, O livro dos Abraços, Vagamundo, Palavras Andantes, Dias e Noites de Amor e Guerra, entre outros. Galeano autor do best seller As veias abertas da América Latina, faz uma homenagem carinhosa a mulheres ilustres e anônimas que ajudaram a construir a História das Américas.
TEXTO
OS DIABINHOS DE OCUMICHO
Como as arpilleras Chilenas, nascem de mão de mulher os diabinhos de barro da aldeia mexicana de Ocumicho. Os diabinhos fazem amor, a dois ou em bando, e assim vão a escola, pilotam motos e aviões, entram de penetras na arca de noé, se escondem entre os raios do sol amante da lua e se metem, disfarçando-se de recém-nascidos, nos presépios de Natal. Insinuam-se os diabinhos debaixo da mesa da Ùltima Ceia, enquanto Jesus Cristo, cravado na cruz, come peixes do lago de Pátzcuaro junto a seus apóstolos índios. Comendo, Jesus Cristo ri de uma orelha a outra, como se tivesse descoberto que este mundo pode ser redimido pelo prazer mais que pela dor.
Em casas sombrias, sem janelas, as alfaieiras de Ocumicho modelam estas figuras luminosas. Fazem uma arte livre as mulheres atadas a filhos incessantes, prisioneiras de maridos que se embebedam e as golpeiam. Condenadas á submissão, destinadas á tristeza, elas acreditam cada dia numa nova rebelião, uma alegria nova.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

PORQUE O AVC NÃO È CASO DE SAÚDE PÚBLICA?

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) e o Brasil Escrito por Daniel Chutorianscy 25-Fev-2010 O Acidente Vascular Cerebral no Brasil não é causa grave para Saúde Pública, e sim Segurança Nacional. No Brasil, morrem por ano 250.000 pessoas de Acidente Vascular Cerebral (AVC) - ou "derrame". Quem sabia isso? E ainda mais, milhões de brasileiros ficam seqüelados, tornando-se "invisíveis" para a sociedade. Ninguém sabe, ninguém viu.... É a maior causa de mortes no país, superando infartos, câncer, acidentes de trânsito. Esses dados são fornecidos pelo canal oficial de informações do governo, a TV Globo (novembro 2009, "Bom Dia Brasil"). Talvez seja muito mais. Quem sabe? A cifra de 250.000 é um número assustador, corresponde ao tamanho das guerras e tragédias como furações ou "tsunamis". E ninguém sabe nada disso... Perguntamos: como é que pode, nenhuma informação ou prevenção? Para os governos atuais ou do passado, trata-se do fenômeno da "invisibilidade", não vê, não existe, não toma nenhuma medida e deixa rolar. Certamente existe uma vinculação imediata do AVC com as indústrias de fumo, álcool, drogas (lícitas ou ilícitas), alimentação (o Brasil é o maior consumidor mundial de agrotóxicos, o transgênico tomou conta do mercado do consumidor brasileiro), baixíssimos salários, hipertensão, diabetes e o "tigre nosso de cada dia" que é o estresse de enfrentar essa realidade alienadamente, uma espécie de "AVCerização" social. Um sistema de saúde (saúde?) moribundo, com a mídia propagando aos quatro ventos o consumo de bens pouco duráveis, repetindo a "invisibilidade" com o mesmo bordão: "não vê, não existe... e deixa rolar". A doença não traz lucros institucionais. O acidente vascular cerebral é uma interrupção do circuito cerebral. Pode ser de dois tipos: isquêmico (85% dos casos) e hemorrágico (15% dos casos). Saiba você que até quatro horas após um incidente de AVC isquêmico, pode-se usar medicamento específico (o trombolitico alteplase), cuja performance é de 50% de melhoras, não deixando seqüelas. Tal medicamento existe no Brasil, aprovado seu uso em protocolos do Ministério da Saúde. Você sabia? Não. É somente usado em alguns poucos hospitais particulares, a preço muito alto. Milhares de vidas podem ser salvas, milhares de pessoas podem dispensar a "invisibilidade ou AVCerização social", mas a que preço? Investir na doença ou na saúde? A opção pela saúde implica em remover a "AVCerização social" e começar a nos mexer. "Ninguém quer adoecer ou morrer", "ter saúde é o principal". Forcemos, já que é nosso direito, as campanhas nacionais de informação e prevenção, inclusive o diagnóstico rápido, os hospitais do SUS e conveniados, bem como os particulares, a ter o medicamento adequado; organizemos grupos nas unidades de saúde de pacientes avecerizados e seus familiares, repetindo o modelo dos grupos de hipertensos, diabéticos etc.; revisemos os critérios de aposentadoria para pacientes com AVC; forcemos o governo e o Ministério da Saúde a "verem" o que não querem "ver". Temos certeza absoluta de que, quando conseguirmos detonar essa campanha, o país inteiro cobrará as medidas, em vez do "avecê social", teremos um verdadeiro "pulando a cerca" de saúde, cidadania, solidariedade e justiça. "Pular a cerca" é dar visibilidade, não é a sacanagem habitual, aquela do fenômeno da invisibilidade "não vê, não existe...". Daniel Chutorianscy é médico, teve um AVC cerca de um ano atrás, não se manteve "invisível", voltou a trabalhar com algumas seqüelas, não fez uso, lamentavelmente, do alteplase, fundou o Grupo AVC-PULANDO A CERCA em agosto de 2009, que, neste pequeno período de tempo, continuou brigando pela Saúde, e "pulando a cerca" pela visibilidade, pela justiça e contra a "avecerização" social. Que o AVC, ou derrame, não mais seja um "derrame" de alienações e engodos. Exigimos Saúde, Educação, Justiça como instâncias primeiras. Daniel Chutorianscy é médico. CRM: 52-27646-7 E-mail:trenzinhocaipira@vnet.com.br
Extraído: http://ow.ly/1bjNG .

CONVITE

ACONTECE HOJE EM SÃO PAULO O LANÇAMENTO DO LIVRO: A REVOLTA DOS PARCEIROS NA IBICABA - THE REBELION OF THE SHARECROPPERS IN IBICABA - DE AUTORIA DO TOCO MEU COMPANHEIRO DE ROCK' ROLL DE OUTROS TEMPOS, NA BANDA CAMBIO NEGRO, NO TIME AINDA ESTAVAM, BETO GORDO, LOICE E O NANDO LENCIONE;
APARECEM NO FOLHETO DE DIVULGAÇÃO : O INSTITUTO MATIUS-SATADEM E O CARLOTA SHIMIDT MEMORIAL CENTER CELEBRANDO ESTE ACORDO EM NOME DA PRESERVAÇÃO E RESGATE DA MEMÓRIA HISTÓRICA;
OCORRE HJ ENTÃO A NOITE DE AUTÓGFRAFOS E COQUETEL, AS 19:30 NO INSTITUTO MARTIUS-STADEM NA RUA ITAPEÚNA,1335 - PANAMY -SÃOM PAULO, ENTRADA PELO PORTÃO DA UNIDADE III DO COLÉGIO VISCONDE DE PORTO SEGURO.
APESAR DE TER MOVIDO ESFORÇOS PARA ATENDER AO CONVITE DO AMIGO A BUROCRACIA PARA LEVAR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO QUER SEJA DA ECOLA PARTICULAR QUER SEJA DA ESCOLA ESTADUAL´DEMORA PELO MENOS QUINZE DIAS PARA TRAMITAR.
EMBORA ATÉ MESMO TRANSPORTE TENHA NOS SIDO OFERTADO MEUS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO TIVEÃM FURTADA DELES ESSA OPORTUNIDADE .
OBRIGADO TOCO

Extraído: http://ow.ly/1bjtm .

MOVIMENTOS SOCIAIS EM MOVIMENTO

Servidores em assembleia definem as próximas ações da categoria Os servidores públicos municipais de Limeira reunidos em assembleia promovida pelo Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos Municipais de Limeira (Sindsel) ontem, dia 24, às 18h30, no Salão da Casa da Criança, definiram as próximas ações da categoria. Entre as principais resoluções está a formatação da linha da campanha salarial deste ano, que visará à conscientização da população sobre a importância de investir no funcionalismo para um serviço público melhor. Nesse sentido, foi aprovada a distribuição de cartas-abertas nos bairros durante os finais de semana. Como no ano passado as ações se concentraram no centro, este ano a panfletagem será voltada aos bairros do município. A distribuição de cartas-abertas deverá ter início no começo de março. Durante a assembleia, os funcionários públicos municipais presentes também solicitaram a inclusão de dois novos itens à pauta de reivindicações, sendo: a readaptação de todas as funções enquadradas nas referências de 23 a 30 do Plano de Carreiras da Categoria; e a concessão de benefícios sociais ao auxiliares gerais, conforme prometido pelo governo municipal na campanha salarial 2009. Atendendo a resolução da assembleia, o Sindsel protocolou um ofício na prefeitura nesta quinta-feira, dia 25, requerendo a adesão dessas reivindicações na pauta protocolada no dia 1 de fevereiro. Outro destaque da assembleia foi a participação de funcionários da Câmara Municipal, que também apresentaram reivindicações específicas do setor, tais como: transformação da cesta-básica em vale alimentação, no valor reivindicado pela categoria de cento e cinqüenta reais; vale transporte; além do reajuste de 15%, entre outras reivindicações. O Sindsel protocolará um ofício na Câmara nesta sexta-feira, dia 26, solicitando uma reunião com o presidente da casa, Eliseu Daniel dos Santos, para tratar das reivindicações. Para a presidente do Sindsel, Eunice Ruth Araújo Lopes, a campanha salarial deste ano está mais representativa. “Além dos setores que já participaram em campanhas anteriores, este ano percebemos a participação de representantes de novos setores e funções, como é o caso da Câmara e da Guarda Municipal”, explica Eunice. Resumo O sindicato protocolou a pauta de reivindicações da categoria na prefeitura no dia 1º de fevereiro. A pauta foi definida na assembleia geral realizada no dia 29 de janeiro, e conta com 37 reivindicações. A data-base da categoria é dia 1º março. Att, Nádia Pêrego Assessora de Comunicação do Sindsel (19) 9157-3575

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
Vamos iniciar com a coletânea Mulheres, que reuni textos do escritor Uruguaio Eduardo Galeano. A obra compõe escritos de vários livros do autor, como a trilogia Memória do Fogo, O livro dos Abraços, Vagamundo, Palavras Andantes, Dias e Noites de Amor e Guerra, entre outros. Galeano autor do best seller As veias abertas da América Latina, faz uma homenagem carinhosa a mulheres ilustres e anônimas que ajudaram a construir a História das Américas.
TEXTO
AS BORDADEIRAS DE SANTIAGO
As crianças, que dormem três na mesma cama, estendem seus braços na direção de uma vaca voadora. Papai Noel traz um saco de pão, e não de brinquedos. Aos pés de uma arvore, mendiga uma mulher. Debaixo do sol vermelho, um esqueleto conduz um caminhão de lixo. Pelos caminhos sem fim, andam homens sem rosto. Um olho imenso vigia. No centro do Silêncio e do medo, fumega um caldeirão popular.
O Chile é este mundo de trapos coloridos sobre um fundo de sacos de farinhas. Com sobras de lã e velhos farrapos bordam as bordadeiras, mulheres dos subúrbios de Santiago. Bordam arpilleras, que são vendidas nas igrejas. Que exista quem as compre é coisa inacreditável. Elas se assombram: - Nós bordamos nossos problemas, e nossos problemas são feios.
Primeiro foram as mulheres dos presos. Depois muitas outras se puseram a bordar. Por dinheiro, que ajuda remediar; mas não só pelo dinheiro. Bordando arpilleras as mulheres se juntam, interrompem a solidão e a tristeza e por umas horas quebram a rotina da obediência ao marido, ao pai, ao filho macho e ao general Pinochet...

LITERATURA MARGINAL DE VOLTA AO AR

Site da L.M no ar. Salve, colocamos o site da literatura marginal novamente no ar, ainda estamos pondo conteúdo mas já da para ir dando uma sacada, o site é feito aqui na quebrada.
Quem quiser por textos e tal só mandar que agente vai abrir uma sessão de novos textos em breve, assim como as biografias dos grandes autores da l.m. vida longa a cultura de rua.
Ferréz

BOCA ROXA AO VIVO

1-BLOWIN IN THE WIND
2-MR TAMBOURINE MAN
3-LIKE A ROLLING STONE
4-BOURDON PRA NOIS E PINGA
5-VOMITARAM NO TREM
6-BLUES DA PAMONHA
7-PATRICIA FAST FOOD
8-LAST NIGHT
9-LILLIE MAE
10-VILA MARIETA
11-REBELIAO NO CARANDIRU
12-VOU TE VIRAR DE PONTA CABECA
13-VEM QUENTE QUE EU ESTOU FERVENDO
14-O JASPION E BUNDAO
15-BORN TO BE WILD
Eu estive lá, e foi muito bom! apesar da voizinha do Dylan Cover, ( bem próximo do original) mesmo ele foi bom de ouvir e curtir dentro do contexto eheheheh.
O Boca com essa formação foi uma puta banda, melhor se tivesse um cantor com finalidade primeira de cantar e não baixista que canta e guitarrista que canta. Deixe-me explicar, melhor se fosse um cantor que tocasse!!!
Mas os solos do Dedi, são fóda, de arrepiar mesmo, as letras do Paulão são sempre temperas com um bom senso de humor e criatividade que lhe são característicos .
Vandão nos teclados , na minha opinião melhor ao vivo, qdo podemos ouvir seus improvisos! batera nervosa , Polonis , super competente, mantendo o volume e o peso necessários à dinamica do blues e R'R dito Caipira segundo Paulo Levy, o barato mesmo é que além deles o público além de heterogêneo, modéstia à parte, foi um público cult, tinha musico de várias gerações, digamos " tutti bona gente"...e de cabeça feita pro R'R.
Estae disco diferente do anterior, tinha menos identidade BX e mais personalidade de R'R paulista, contando com a participação do Made, do Tutti Frutti, Patrulha.
Meu! não foi pouca coisa não!
Saudades dos meus amigos!
E como diria o Vinivius de Moraes: " o cachorro é o melhor amigo do homem, logo, o uisque é o cachorro engarrafado"
Extraído: http://ow.ly/1b8Tw .

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

PUNIÇÃO AOS ASSASSINOS E TORTURADORES DO GOLPE DE 64

Quem era terrorista?
À falta de outros argumentos e propostas, com um mínimo de consistência, os opositores reiteram a imagem de “terrorista” de Dilma. Quem era terrorista: a ditadura militar ou os que lutávamos contra ela? Dilma estava entre estes, o senador José Agripino (do DEM, ex-PFL, ex-Arena, partido da ditadura militar), entre os outros.
O golpe militar de 1964, apoiado por toda a imprensa (com exceção da Última Hora, que recebeu todo o peso da repressão da ditadura), rompeu com a democracia, a destruiu em todos os rincões do Brasil, e instaurou um regime de terror – que depois se propagou por todo o cone sul do continente, seguindo seu “exemplo”.
Diante do fechamento de todo espaço possível de luta democrática, grandes contingentes de jovens passaram à clandestinidade, apelando para o direito de resistência contra as tiranias, direito e obrigação reconhecidos pela Declaração Universal dos Direitos Humanos. Enquanto nos alinhávamos do lado da luta de resistência democrática contra a ditadura, os proprietários das grandes empresas de comunicação – entre eles os Frias, os Marinhos, os Mesquitas -, os políticos que apoiavam a ditadura – agrupados na Arena, depois PFL, agora DEM, como, entre tantos outros, o senador José Agripino –, grandes empresários nacionais e estrangeiros, se situavam do lado da ditadura, do regime de terror, da tortura, dos seqüestros, dos fuzilamentos, das prisões arbitrárias, da liquidação da democracia.
Quem era terrorista? Os que lutavam contra a ditadura ou os que a apoiavam? Os que davam a vida pela democracia ou os que se enriqueciam à sombra da ditadura e da repressão? Os que apoiavam e financiavam a OBAN ou aqueles que, detidos arbitrariamente, eram vitimas da tortura nas suas dependências, fuzilados, desaparecidos?Quem era terrorista? José Agripino ou Dilma? Os militares que destruíram a democracia ou os que a defendiam? Quem usava a picanha elétrica, o pau-de-arara, contra pessoas amarradas, ou quem lutava, na clandestinidade, contra as forças repressivas? Quem era terrorista: Iara Iavelberg ou Sergio Fleury? Quem estava do lado da Iara ou quem estava do lado do Fleury? Dilma ou Agripino? Quem estava na resistência democrática ou quem, por ação ou por omissão, estava do lado da ditadura do terror?
Extraído: http://ow.ly/1aYzL .

EXEMPLO DE COSMÓPOLIS A SER SEGUIDO

No dia 27 de fevereiro de 2010 (SÁBADO) os Conselheiros Municipais de Cultura de Cosmópolis serão apresentados à comunidade artistica, às 15 horas - na Escola Rodrigo Otávio Langaard Menezes. O grupo formado na I Conferência Municipal de Cultura, foi eleito por votação durante os trabalhos da I Conferência e representam os vários segmentos artísticos culturais entre eles as Comissões de: - MÚSICA - TEATRO / DANÇA / CIRCO - ARTES PLÁSTICAS E ARTESANATO - LIVROS E LITERATURA - PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL / CARNAVAL - ARTES VISUAIS - AUDIOVISUAIS - CINEMA - TV. Para que se desenvolva a política cultural no município de forma efetiva, é necessário que os artístas se façam conhecer. Na ocasião será aberto oportunidade de se elaborar um cadastro individual para cada segmento , onde os conselheiros terão uma visão detalhada do trabalho cultural e artístico desenvolvido e também a formação e trajetória de cada artísta presente ao encontro. COM A ORGANIZAÇÃO DA CLASSE ARTÍSTICA COSMOPOLENSE ATINGIREMOS NOSSA META QUE É A DE LEVAR ALEGRIA E INSTRUÇÃO CULTURAL A TODOS! Um abraço, Antonio Sergio dos Santos Diretor de Cultura 19 - 3872.2575 / 3812.3101 Visite o site: www.cosmopolis.sp.gov.br leia as notícias, as matérias e veja as fotos dos eventos realizados pela Prefeitura de Cosmópolis - SP.

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
Vamos iniciar com a coletânea Mulheres, que reuni textos do escritor Uruguaio Eduardo Galeano. A obra compõe escritos de vários livros do autor, como a trilogia Memória do Fogo, O livro dos Abraços, Vagamundo, Palavras Andantes, Dias e Noites de Amor e Guerra, entre outros. Galeano autor do best seller As veias abertas da América Latina, faz uma homenagem carinhosa a mulheres ilustres e anônimas que ajudaram a construir a História das Américas.
TEXTO
O NOME ROUBADO
A ditadura do general Pinochet, muda os nomes de vinte favelas, casas de lata e papelão, nos arredores de Santiago do Chile. No rebatismo, Violeta Parra recebe o nome de algum militar heróico. Mas seus habitantes se negam a usar esse nome não escolhido: eles são Violeta Parra ou não são nada.
Faz tempo, numa unânime assembléia, tinham decidido se chamar como aquela camponesa cantora, de voz gastadinha, que em suas canções briguentas soube celebrar os mistérios do chile.
Violeta era pecante e picante, amiga do violeiro e da viola e da conversa e do amor, e por dançar e gracejar deixava queimar suas empanadas. Gracias a La vida, que me ha dado tanto, cantou em sua última canção; e uma reviravolta de amor atirou-a na morte.

CONVITE

Hip-Hop até quando americanizados?
Salve, Hip-Hop até quando americanizados? é o título da palestra que vou fazer em São José do Rio Preto, dia 25 de fevereiro. as 20:00 horas, é dentro do festival Olho da Rua.são duas horas de evento, que for da região só chegar.amanhã (quarta-feira) vou estar no Valo-Velho no Centro de juventude, que fica no Rondon, lá em 1999 foi onde fiz meu primeiro evento literário, e agora estarei de volta, as 14 Horas.quem estiver distante e tem um tempo,dá uma olhada no site da literatura marginal, http://www.literaturamarginal.com.br/, foi feito aqui no capão, tem pouca coisa, mas já dá para ler algumas coisas lá.literatura na cena.
vamo que vamo,FZ
Extraído: http://ow.ly/1aGVy .

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
Vamos iniciar com a coletânea Mulheres, que reuni textos do escritor Uruguaio Eduardo Galeano. A obra compõe escritos de vários livros do autor, como a trilogia Memória do Fogo, O livro dos Abraços, Vagamundo, Palavras Andantes, Dias e Noites de Amor e Guerra, entre outros. Galeano autor do best seller As veias abertas da América Latina, faz uma homenagem carinhosa a mulheres ilustres e anônimas que ajudaram a construir a História das Américas.
TEXTO
O SEMPRE ABRAÇO
Não faz muito que foram descobertos, na sequidão do que antigamente foi a praia de Zumpa, no Equador. E aqui estão, a todo sol, para quem quiser ve-los: um homem e uma mulher descansam abraçados, dormindo amores, há uma eternidade.
Escavando o cemitério dos índios, uma arqueóloga encontrou este par de esqueletos de amor atados. Há oito mil anos que os amantes de Zumpa, cometeram a irreverência de morrer sem se desprender, e qualquer um que se aproxime pode ver que a morte não lhes provoca a menor preocupação.
È surpreendente sua esplêndida formosura, tratando-se de ossos tão feios no meio de tão feio deserto, pura aridez e cinzentice; e mais surpreendente é sua modéstia. Esses amantes, adormecidos no vento, parecem não ter percebido que eles tem mais mistério e grandeza que as pirârimides de Teotihuacán ou o santuario de Machu Picchu ou as cataratas do Iguaçu.

FORA KASSAB JÁ

Quinta feira 25.02 às 12h00 Em Frente à Prefeitura Municipal (Vale do Anhangabaú)
Uma das maiores doadoras da campanha do Kassab, e que também financiou 27 vereadores eleitos, é a AIB, a Associação Imobiliária Brasileira. Ela é uma entidade fantasma, que não tem funcionários, mas que doou milhões para campanhas eleitorais, pelo sindicato dos donos de imobiliárias (SECOVI-SP).Além da AIB, a campanha milionária de Kassab que custou quase 30 milhões de reais, teve como maiores doadores grandes construtoras e empreiteiras.
Essas mesmas empresas tem influência neste governo e seus interesses atendidos contra os interesses da maioria da população. A decisão que cassou Kassab também inclui a vice e mais 9 vereadores do DEM, PSDB, PT, PV e PRPT, PSDB e DEM apresentaram petição ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar impedir que sejam identificados os doadores de recursos captados pelo partidos e transferidos para os candidatos e comitês financeiros de campanha.
A Especulação imobiliária dita as regras- Plano Diretor foi revogado para se implementar outro que torna a cidade um tabuleiro para o jogo do setor imobiliário- As concessões urbanísticas, mesmo sendo inconstitucionais, transformam tudo que o governo Kassab toca em ouro para empreiteiras e imobiliárias, expulsando a população pobre para as periferias.
O que pode ser feito?É importante defender a decisão do Ministério Público que rejeitou as contas do prefeito e lutar por transparência nas eleições de 2010. O financiamento privado de campanha política é o ponto de partida da corrupção na política brasileira. Para que esse balcão de negócios desapareça das eleições, é preciso que o financiamento público e exclusivo de campanhas seja aprovado. Só assim o poder econômico não vai decidir as eleições nesse país.

UMA CRÔNICA

O ônibus, mais conhecido como “busão” entre os jovens, é um meio de locomoção do qual várias pessoas dependem diariamente. Isso é, de certa forma, um fato positivo até porque se todos que andam de ônibus também tivessem carro, o trânsito que já está ruim ficaria ainda pior... e isso ninguém merece. Enquanto leva trabalhadores e estudantes para lá e para cá, os ônibus são palco de comentários e histórias e situações engraçadas e inusitadas.
Da Praça do Museu até a Avenida Campinas, em Limeira, são cerca de 10 ou 15 minutos de ônibus, um trajeto relativamente rápido dependendo da linhas que se escolhe para ir de um ponto ao outro. Na noite de hoje, subi no primeiro ônibus que apareceu no principal ponto do Centro, o linha “02 - Olga Veroni”. Junto comigo, cerca de 10 pessoas também tomaram seus acentos no veículo para voltar para a casa, dois deles eram dois trabalhadores da Viação Limeirense, provavelmente um motorista e uma cobradora.
O veículo que peguei era um desses novos, adaptados para cadeirantes. Os assentos ainda estão bonitos, tudo muito limpo, o letreio que informa a linha e o destino final bem visível. Tudo muito bonito e que fique assim por um bom tempo e que os vândalos não resolvam atacá-los. Depois de descer a Rua Boa Morte, o motorista, assim como uma parte considerável dos motoristas do transporte coletivo de Limeira, precisou passar pelo Terminal Urbano Rodoviário.Do projeto que o ex-secretário de Transportes, José Augusto Ferreira Camargo, me apresentou para uma matéria sobre o tema há cerca de um ano e meio para o que se encontra no local, diria que falta metade do que foi prometido.
Na planta que ele apresentou certa vez na sua sala da secretaria, o local deveria ter uma cobertura geral, e não apenas pontos cobertos, lojas e uma prédio para a administração das empresas do transporte coletivo. A justificativa da prefeitura para que o local não esteja como o prometido ainda é que as empresas que fazem o serviço público é que devem concluir a obra. Se cumprirem tudo bem...Depois de ter passado a rotatória que fica ao lado do terminal, o motorista finalmente entrou em uma das vias de acesso para o local.
Logo da entrada dava para ver todos os pontos vazios. Por outro lado, as ruas que compõe esse terminal estavam cheias de carros dos estudantes de uma escola que fica bem em frente ao terminal. Apesar de não ter nenhuma placa impedindo o estacionamento no local, pelo menos não consegui avistar nenhuma a noite, esses motoristas não têm muito senso de espaço. O ônibus sendo um veículo grande consequentemente precisa de espaço para fazer suas curvas. E não é que bem em uma das curvas mais “acentuadas” que o motorista do ônibus precisa fazer para sair do terminal não tinha um carro estacionado? Não sou bom com marcas de carro, mas diria que era um Monza azul marinho parado bem em frente a uma das saídas das ruas, uma via que o motorista deveria entrar para voltar ao seu trajeto normal.
E foi com maestria que o condutor do veículo conseguiu fazer sua curva sem encostar em nenhum dos carros estacionados dos dois lados da via. Lógico que o cobrador colocou a cabeça para fora da janela para verificar se o ônibus encostaria ou não no carro. Enquanto isso os passageiros do lado oposto olhavam pela janela para conferir o espaço entre o lado esquerdo e um carro cinza parado a menos de dois metros da saída.
Se fosse eu ali estaria todo suado de virar o volante e depois de várias rés e primeiras marchas conseguiria voltar normalmente para o meu caminho...O motorista que estava de passageiro ainda brincou. “Ainda bem que fui eu que te ensinei!” Risos do restante dos passageiros, claro.Outro fato curioso foi a reação de uma mulher sentada bem na minha frente, em um daqueles bancos altos em cima da roda do veículo. Ao passar pelo terminar todo iluminado, mas sem nenhum passageiro ela disse: “Ai motorista, olha quantos fantasminhas para você pegar de passageiro. Olha ai os fantasminhas do (prefeito Silvio) Félix.
Tem até um dormindo”, disse se referindo a um mendigo que estava deitado em um dos pontos cobertos do local. Se não serve para passageiros, pelo menos alguém encontrou um quarto bem iluminado...

O NOVO DE SARAMAGO

Titúlo: "Caim"
Escritor: José Saramago
Gênero: Romance
Lançamento: 2009
Páginas: 176
Acabamento: Brochura
Selo: Companhia das Letras
Continuando o Projeto “Resenhas de Livros”, hoje apresento a vocês a primeira resenha enviada por um leitor. A contribuição foi do Edison Junior. Muito boa por sinal. Confiram abaixo.Por Edison JuniorTerminei nesta semana a leitura do último livro de saramago, com minúscula mesmo, que é como ele escreve os nomes de todos os seus personagens, inclusive deus.
De todos os livros que eu li dele, esse é sem dúvida o mais engraçado. Irreverente ao extremo com os temas religiosos, saramago não deixa por menos nesse romance, o qual não recomendo a leitores religiosamente mais sensíveis, mesmo os que tenham gostado ligeiramente de o evangelho segundo jesus cristo.
Apesar do personagem principal, caim, ter uma passagem relativamente curta na bíblia, saramago o faz passear por várias épocas do velho testamento, ou diversos presentes, como caim os percebe, utilizando essas passagens para, através dos olhos e da boca de caim, travar as suas próprias discussões com deus (e algumas nossas também).
Começa pela criação do próprio mundo e da vida (não, aqui por enquanto caim ainda não estava presente), adão, eva, o paraíso, abel, caim (agora sim), o fraticídio, e a partir daí já a primeira discussão com deus, quando este diz a caim que não havia impedido o assassinato de seu irmão para o por a prova (e tu quem és para por a prova o que tu mesmo criaste?). Daí, sai caim pelo mundo até o final do livro, quando uma ação premeditada de caim ameaça mudar a história da humanidade, pelo menos na visão criacionista.
Caim está presente quando deus dizima sodoma e gomorra por não ter encontrado naquelas cidades sequer 10 inocentes (e as crianças? pergunta caim). Passa por jericó, torre de babel, arca de noé e outras paragens.
Presencia quando abraão leva seu filho isaac para ser sacrificado a mando de deus, ocasião em que intefere ligeiramente na história:“(…) chegando assim ao lugar de que o senhor lhe havia falado, abraão construiu um altar e acomodou a lenha por cima dele. Depois atou o filho e colocou-o no altar, deitado sobre a lenha.
Acto contínuo, empunhou a faca para sacrificar o pobre rapaz e já se dispunha a cortar-lhe a garganta quando sentiu que alguém lhe segurava o braço, ao mesmo tempo que uma voz gritava, Que vai você fazer, velho malvado, matar o seu prórpio filho, queimá-lo, é outra vez a mesma história, começa-se por um cordeiro e termina-se por assassinar aquele a quem mais se deveria amar, Foi o senhor que o ordenou, foi o senhor que o ordenou, debatia-se abraão, Cale-se, ou quem o mata aqui sou eu, desate já o rapaz, ajoelhe-se e peça-lhe perdão, Quem é você, Sou caim, sou o anjo que salvou a vida a isaac.
Não, não era certo, caim não é nehum anjo, anjo é esse que acabou de pousar com grande ruído de asas e que começou a declamar como um actor que tivesse ouvido finalmente a sua deixa, Não levantes a mão ao menino, não lhe faças nenhum mal, pois já vejo que és obediente ao senhor, disposto, por amor dele, a não poupar nem sequer o teu filho único, Chegas tarde, disse caim, se isaac não está morto foi porque o impedi. O anjo fez cara de contrição, Sinto muito ter chegado atrasado, mas a culpa não foi minha, quando vim para cá surgiu-me um problema (…) se cá cheguei foi por milagre do senhor.
Tarde, disse caim, Vale mais tarde que nunca, respondeu o anjo com prosápia (…) Enganas-te, nunca não é o contrário de tarde, o contrário de tarde é demasiado tarde, respondeu-lhe caim. O anjo resmungou, Mais um racionalista (…)”Definitivamente, não é para pessoas sensíveis.Que talvez possam preferir a versão gráfica do livro de Gênesis, de autoria de Robert Crumb , que também li recentemente e da qual reproduzo o mesmo capítulo acima, sem Caim, é claro.
Extraído: http://ow.ly/1au5a .

AÇÕES GOVERNAMENTAIS

Resultado da Ordem do Dia da Câmara Municipal de Limeira Sessão Ordinária 22 de Fevereiro de 2010 I – Projeto de Lei n°418/09, de autoria do Senhor Prefeito Municipal, que cria o projeto "Produtor de Águas", autoriza o Poder Executivo a prestar apoio financeiro aos proprietários rurais e dá outras providências. (Prejudicado por apresentação de emendas) II – Redação Final do Projeto de Lei n°321/09, de autoria da Vereadora Nilce Segalla, que dispõe sobre a disponibilidade de copos descartáveis aos frequentadores de bares, restaurantes e similares, e dá outras providências. (Aprovado) III – Projeto de Lei n°326/09, de autoria do Vereador Carlos Eduardo da Silva, que dispõe sobre a afixação de recomendações para os estabelecimentos e as pessoas que exercem atividade de venda ou aluguel de karts, bicicletas, skates e patins, e dá outras providências. (Aprovado o Substitutivo) IV – Projeto de Lei Complementar n°442/09, de autoria do Senhor Prefeito Municipal, que autoriza o Poder Executivo Municipal a receber, a título de doação em pagamentos, bens imóveis, por conta de débitos tributários de quaisquer naturezas, inscritos ou não em dívida ativa, devidos à Prefeitura Municipal de Limeira e ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto - SAAE, e dá outras providências. (Prejudicado por apresentação de emendas) V – Projeto de Lei n°23/10, de autoria do Vereador Silvio Marcelo Francisco Brito, que dispõe sobre a normatilização e a utilização de vigilância em todas as Casas Lotéricas, existentes no Município de Limeira, e dá outras providências. (Aprovado o Substitutivo) VI – Projeto de Lei Complementar nº40/10, de autoria do Senhor Prefeito Municipal, que desafeta uma área de propriedade do Município de Limeira e autoriza a concessão de uso à Associação de Amigos do Jardim Aquarius, e dá outras providências. (Aprovado) VII – Projeto de Lei nº41/10, de autoria do Vereador Almir Pedro dos Santos, que dispõe sobre as normas aplicáveis à instalação de balanços infantis no âmbito do município de Limeira, e dá outras providências. (Aprovado) Carla Pizani Depto. Assessoria de Imprensa
Rua Pedro Zaccaria, 70 Fone/Fax: 19 3404.7500 CEP: 13484.350 LIMEIRASP

ATENÇÃO MENINADA: O CIRCO VEM AÍ

Festival Paulista de Circo espera 50 mil pessoas
As secretarias Municipal e Estadual da Cultura realizaram nesta quinta-feira, 18 de fevereiro, uma nova reunião para discutir o 3º Festival Paulista de Circo, que será realizado de 7 a 11 de abril em Limeira. O evento, que ocorrerá no terreno localizado na Via Antônio Cruanes Filho, em frente ao Parque Cidade; será gratuito e para todas as idades, contando com o circo tradicional, circo contemporâneo, circo teatro, grupos, trupes e artistas independentes.
A realização é da Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria Municipal da Cultura e demais secretarias municipais, Cooperativa Paulista de Circo, e com co-produção da APAA – Associação Paulista dos Amigos da Arte. Desde a 1ª edição, em 2008, Limeira tem sido escolhida como a sede estadual do festival.
Estiveram presentes ao encontro representantes das secretariais municipais envolvidas e do governo estadual. Foram definidos os últimos detalhes referentes à estrutura do evento, visando aprimorar a qualidade do Festival e oferecer mais conforto aos participantes.Joana Giannella, representante da Secretaria de Estado da Cultura na reunião, explica que a expectativa para a 3ª edição é maior, pois haverá um aumento na infra-estrutura do local e no número de espetáculos. “Estimamos atrair um público de 50 mil pessoas, superior ao do ano passado, que foi de 34 mil”, afirma ela. Além disso, Joana conta que haverá mais espaço para oficinas e atividades, destinado a entidades e escolas municipais.
O secretário da Cultura de Limeira, Adalberto Mansur, ressaltou a parceria. “Recebemos do prefeito Silvio Félix todo apoio para que essa união com o governo estadual seja aprimorada”, afirmou Mansur. Esse ano, além da estrutura, Limeira colaborará também com profissionais da área da cultura.
Em breve, a programação final dos cinco dias de Festival será divulgada. Mais informações podem ser obtidas na Secretaria da Cultura, pelo telefone (19)3451.0502
Thayla Ramos – Estagiária de Jornalismo Prefeitura de Limeira/SP Secretaria Municipal da Cultura (19)3451.0502 culturalimeira@yahoo.com.br www.culturalimeira.blogspot.com www.twitter.com/culturalimeira

PUNIÇÃO AOS TORTURADORES E ASSASSINOS DO GOLPE DE 64

Jobim, Vannuchi e a memória brasileira Escrito por Frei Betto 20-Fev-2010 Indignados com o 3º. Programa Nacional de Direitos Humanos, lançado em solenidade oficial presidida por Lula, em dezembro, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e os comandantes das Forças Armadas teriam apresentado suas renúncias, recusadas pelo presidente da República. Lula teria prometido rever três ou quatro pontos do programa, como os que exigem a instalação de uma Comissão da Verdade, a abertura dos arquivos militares e a retirada, de vias públicas, de nomes de pessoas notoriamente coniventes com a repressão da ditadura. O ministro Paulo Vannucchi, da Secretaria Especial de Direitos Humanos, cumpre honradamente seu dever de cidadão e autoridade pública: empenha-se para que a verdade venha à tona. O Brasil é o único país da América Latina, assolado no passado por ditadura militar, que prefere manter debaixo do tapete crimes cometidos por agentes públicos. A Lei da Anistia, aprovada pelo governo do general Figueiredo, é uma aberração jurídica. Anistia se aplica a quem foi investigado, julgado e punido. O que jamais ocorreu, no Brasil, com os responsáveis por torturas, assassinatos e desaparecimentos. Aqueles que lutaram contra o regime militar e pela redemocratização do país foram, sim, severamente castigados. Que o digam Vladimir Herzog e Frei Tito de Alencar Lima. Tortura é crime hediondo, inafiançável e imprescritível. Ao exigir que se apure a verdade sobre o período ditatorial, o ministro Vannucchi e todos nós que o apoiamos não somos movidos por revanchismo. Jamais pretendemos fazer a eles o que eles fizeram a nós. Trata-se de justiça: descobrir o paradeiro dos desaparecidos; entregar às suas famílias os restos mortais dos que foram assassinados e enterrados clandestinamente; comprovar que nem todos os militares foram coniventes com as atrocidades cometidas pelo regime, em nome da segurança nacional; livrar as Forças Armadas da influência de figuras antidemocráticas que exaltam a ditadura e acobertam a memória de seus criminosos. O presidente Lula não merece tornar-se refém dos saudosistas da ditadura. É a impunidade que favorece, hoje, a prática de torturas por parte de policiais civis e militares, como ocorre em blitzes, delegacias e cadeias Brasil afora.
Leia a matéria na Integra aqui: http://ow.ly/1at4w .

SOM DA TERRA EM COSMÓPOLIS

Os Cosmopolenses irão desfrutar de momentos de descontração e apreciar a boa música sertaneja raiz nesse domingo dia 28 de fevereiro. O Projeto "Café com Viola" da Secretaria de Cultura de Cosmópolis, sempre animado por Oscar da Silva Neto, nesta edição, traz de Limeira o grupo "Som da Terra" juntamente com duplas cosmopolenses para começar muito bem o domingão na cidade. Tudo isso regado a café caipira quentinho e os irresistíveis "bolinhos de chuva". Tudo grátis! O evento acontece no último domingo de cada mês, com início às 9 horas da manhã. Nas dependências da Escola Dr. Luis Nicolau Nolandi, na Rua Monte Castelo, nº 1.039 - Jardim De Fáveri. Um abraço, Antonio Sergio dos Santos Diretor de Cultura 19 - 3872.2575 / 3812.3101 Visite o site: http://www.cosmopolis.sp.gov.br/ leia as notícias, as matérias e veja as fotos dos eventos realizados pela Prefeitura de Cosmópolis - SP.
PS: O Grupo Som da Terra, tem como fundador meu parceiro em várias canções Wilson Cerqueira e sua linda filha Raquel. Vale a pena conferir o som regional deste grupo.

FORÇA ARGENTINA NO OSCAR

DEBATE ABERTO Força Argentina! Mesmo sem brasileiros no páreo, já há por quem torcer no Oscar deste ano. Concorre na categoria "Melhor filme estrangeiro” o argentino "O segredo dos seus olhos”, de Juan José Campanella. Um primor. Laurindo Lalo Leal Filho
Mesmo sem brasileiros no páreo, já há por quem torcer no Oscar deste ano. Concorre na categoria "Melhor filme estrangeiro” o argentino "O segredo dos seus olhos”, dirigido por Juan José Campanella com interpretações magistrais de Ricardo Darín e Soledad Villamil. Um primor.Campanella se supera.
Depois de dirigir "O Filho da Noiva", um sucesso em 2001 e o razoável "Clube da Lua" em 2004, ele vai além do que já fez nessas produções quando conseguiu tornar universais alguns aspectos marcantes do cotidiano argentino recente. “O segredo dos seus olhos” parte desse patamar e avança para a ousadia. Tem o mérito de mostrar a rotina de um tribunal de justiça portenho, adicionando a ela as emoções da tragédia, do humor, do amor, do suspense e da luta política dos últimos trinta e cinco anos naquele país.
Podia não dar certo, tantas as possibilidades abertas pela trama. Mas deu, graças principalmente à direção segura de Campanella, capaz de extrair o máximo possível de um bom roteiro e de excelentes atores.
Adaptado do livro de Eduardo Sacheri, co-roteirista do filme junto com o diretor, “O segredo dos seus olhos” trata da investigação de um estupro seguido de assassinato ocorridos em 1974, pouco antes do golpe de Estado, sem conotações politicas.
Leia a matéria na Integra: http://ow.ly/1asBj .

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

PNDH 3

I Fórum Municipal de Debate sobre o Plano Nacional de Direitos Humanos III (PNDH 3) Cerca de 50 pessoas acompanharam o I Fórum Municipal de Debate sobre o Plano Nacional de Direitos Humanos III (PNDH 3) que aconteceu neste sábado (dia 20), no Plenário Vereador Vitório Bortolan, na Câmara Municipal de Limeira. Este evento foi organizado pelo Vereador Ronei Costa Martins (PT), presidente da Comissão Permanente de Defesa dos Direitos Humanos, dos Direitos do Consumidor e dos Direitos da Criança e do Adolescente .
Na direção dos trabalhos estavam o professor e Economista Marcelo Soares de Carvalho, professor e Sociólogo Antonio Luis de Carvalho e Silva, vereador Ronei e o escritor e poeta João Geraldo Lopes (Janjão).
Vereador Ronei esclareceu ao público presente que o PNDH 3 não é um plano eleitoreiro, deste ou daquele partido político, é o resultado de ações desenvolvidas, por exemplo, a Conferência Nacional dos Direitos Humanos ocorrida no ano passado em Brasília. “Este plano é de suma importância para a sociedade e está em discussão há 15 anos e é um plano que surge da necessidade da sociedade brasileira se organizar, resgatar sua memória, trabalhar os Direitos Humanos”, esclareceu.
Entre os temas abordados neste fórum foram citados a Ditadura Militar (1964-1985), tortura, drogas, prostituição, descriminalização do aborto, violência, o limite da liberdade de imprensa. “Com este Fórum não estamos propondo nenhuma transformação radical e sim uma consolidação da democracia”, ressaltou professor Antônio.
“Falta clareza ao PNDH3. Precisamos tratar assuntos polêmicos como aborto, regulamentação da prostituição. No caso do aborto, é preciso ser tratado como problema de saúde pública e quanto a regularização da prostituição como uma forma de impedir a exploração criminosa de posse e trafico de seres humanos, são questões que precisam ser tratadas de forma mais clara”, sugeriu professor Marcelo.
Janjão levou informações sobre a necessidade da Comissão Nacional da Verdade, o direito da memória. Deixou a reflexão sobre a necessidade de trabalhar o resgate da história. “Não podemos sepultar nossa história, nossas manifestações culturais, nossa memória”, apelou o poeta.
Entre o público presente estava Francisca Félix, que trabalha voluntariamente em programas sociais há 20 anos. “O que aprendo neste Fórum eu levo para a periferia. É o meu dever como cidadã participar deste Fórum, porque sozinho ninguém faz nada. Vou levar para minha comunidade as informações sobre as mudanças que poderão ocorrer nos Direitos Humanos e quem sabe para um próximo encontro eu consiga trazer mais pessoas”, disse Francisca.
Entre os presentes estavam o vereador Mário Celso Botion (PR), o ex-prefeito de Cosmópolis, José Pivatto, ex-vereador José Carlos Pinto, professores, sindicalistas, estudantes, representantes de associação de bairro.
Júnia Mariano - Assessora de Imprensa
Douglas Diogo dos Santos Assessor - Mandato Coletivo do Vereador Ronei Costa Martins
Site: www.roneimartins.com.br (19) 3404-7548

COPIANDO E REPASSANDO

"Esta secção, tem como objetivo socializar através da leitura dos posts uma obra literária de vulto. Todo dia será postado um texto do livro a ser abordado. Quem tiver sugestões e queira colaborar, envie nome das obras ou as mesmas para este exercício de compartilhar arquivos e conhecidos. Endereço Eletrônico: revupoeta@yahoo.com.br ou revupoeta@gmail.com “.
A OBRA
Vamos iniciar com a coletânea Mulheres, que reuni textos do escritor Uruguaio Eduardo Galeano. A obra compõe escritos de vários livros do autor, como a trilogia Memória do Fogo, O livro dos Abraços, Vagamundo, Palavras Andantes, Dias e Noites de Amor e Guerra, entre outros. Galeano autor do best seller As veias abertas da América Latina, faz uma homenagem carinhosa a mulheres ilustres e anônimas que ajudaram a construir a História das Américas.
TEXTO
TAMARA VOA DUAS VEZES
Enquanto se desintegra a ditadura militar na Argentina, as Avós da Praça de Maio andam em busca dos netos perdidos. Esses bebês, aprisionados com seus pais ou nascidos em campos de concentração, foram repartidos como butim de guerra; e varios tem como pais os assassinos de seus pais. As Avós investigam a partir do que houver, fotos, dados soltos, uma marca de nascimento, alguem que viu alguma coisa, e assim, abrindo passo a golpes de sagacidade e de guarda-chuva, já recuperaram alguns.
Tamara Arze, que desapareceu com um ano e meio de idade, não foi parar em mãos militares. Esta numa aldeia suburbana, na casa da boa gente que a recolheu quando foi jogada por aí. A pedido da mãe, as avós empreendem a busca. Contavam com poucas pistas. Após um longo e complicado rastrear, a encontraram. Cada manhã, Tamara vende querosene num carro puxado por um cavalo, mas não se queixa da sorte, e a princípio não quer nem ouvir falar de sua mãe verdadeira. Muito aos pouquinhos as avós vão lhe explicando que ela é filha de Rosa, uma operária boliviana que jamais a abandonou. Que uma noite sua mãe foi capturada na saída da fábrica, em Buenos Aires...
Rosa foi torturada, sob o controle de um médico que mandava parar, e violentada, e fuzilada com balas de festim. Passou oito anos presa sem processo nem explicações, até que no ano passado a expulsaram da Argentina. Agora, no aeroporto de Lima, espera. Por cima dos Andes, sua filha Tamara vem voando rumo a ela.
Tamara viaja acompanhada por duas avós que a encontraram. Devora tudo que servem no avião, sem deixar nem uma migalha de pão ou um grão de açucar.
Em Lima, Rosa e Tamara se descobrem. Olham-se no espelho, juntas, e são idênticas: os mesmos olhos, a mesma boca, as mesmas pintas nos mesmos lugares.
Quando chega a noite, Rosa banha a filha. Ao deita-la, sente um cheiro leitoso, adocicado; e torna a banha-la. E outra vez. E por mais que esfregue o sabonete, não há maneira de tirar-lhe esse cheiro. È um cheiro raro...e de repente, Rosa acorda. Este é o cheiro dos bebês quando acabam de mamar: Tamara tem dez anos e nesta noite tem cheiro de recém nascida.

REDUÇÃO DA JORNADA PARA 40h JÁ

Redução da jornada de trabalho. Uma nova relação com o tempo. Entrevista especial com Ana Cláudia Cardoso Em ano eleitoral, a discussão em torno da redução da jornada de trabalho volta ao cenário nacional e, segundo a supervisora doDieese, “o Brasil tem condições e necessidade para aderir à redução da jornada de trabalho”. A socióloga informa que o ganho de produtividade adquirido na última década pode ser utilizado, neste momento, para reduzir a jornada de trabalho, sem redução de salários. “Se observarmos o período de 1988 – quando ocorreu a última redução da jornada de trabalho - até 2008, percebemos que houve um ganho de produtividade de 84%, ou seja, um ganho que não foi distribuído para os salários”.
Na entrevista que segue, concedida por telefone à IHU On-Line, Ana Cláudia frisa que a discussão em torno da redução da jornada de trabalho possibilita que todos tenham governabilidade de uma parte de seu tempo. “A redução da jornada faz com que as pessoas revejam seus valores. Não estou dizendo que esta medida tem unicamente o poder de transformar a realidade atual, mas ela possibilita a implementação de um processo de redução gradativa da jornada de trabalho para 40, 35, 30 horas. Ela nos ajuda a construir uma nova relação com o tempo de trabalho e tempo de não trabalho”.
Ana Cláudia Moreira Cardoso é graduada em Ciências Sociais e mestre em Ciência Política pela Universidade de São Paulo – USP. Também cursou o doutorado em Sociologia na USP e na Universidade de Paris 8, na França.
Confira a entrevista.
IHU On-Line - Como se configurou a construção social do tempo de trabalho até a concepção que temos nos dias atuais? Ana Cláudia Moreira Cardoso – Temos uma noção contemporânea de tempo de trabalho e de tempo de não trabalho – esses conceitos estão sempre juntos -, que é fruto do processo da Revolução Industrial. Se antes tínhamos um tempo de trabalho, onde os artesãos eram donos do seu tempo, no sentido de que a família toda trabalhava junta num determinado espaço e, portanto, definia aquele ambiente, a partir da Revolução Industrial, os trabalhadores vão perdendo seus meios de produção e a capacidade de gerir o seu próprio tempo. Antes da Revolução, existiam vários feriados católicos, as pessoas praticamente não trabalhavam no inverno ou quando estavam doentes. Com o processo da Revolução, isso foi mudando radicalmente e se passou a ter não só um espaço, como um tempo de trabalho determinado pelos trabalhadores e pelo empregador. Parece que o processo da Revolução Industrial foi simples, que os capitalistas implementaram um novo tempo de trabalho, e os trabalhadores aceitaram. Mas não foi nada disso. Como todo processo de construção social, ele implica em lutas longas, com resistência, argumentos e uso da violência. Foi um longo processo de disputa em torno do tempo, onde os trabalhadores continuavam a buscar uma liberdade de uso do seu tempo, e o capital foi demonstrando que, já que os operários não detinham os meios de produção, eles também não tinham mais liberdade sobre o seu próprio tempo. Podemos observar no livro de Weber, A ética protestante e o espírito do capitalismo, que não adiantava pagar pouco aos trabalhadores para obrigá-los a trabalharem todos os dias. Na realidade, era necessário refazer o processo de educação dos trabalhadores para que o trabalho passasse a ser visto como uma ética: a ética do trabalho. Então, passou-se a pagar muito pouco para que eles fossem à fábrica todos os dias e, assim, iniciou um processo de ressocialização.
Leia a Matéria na Integra aqui: http://ow.ly/19ON0 .

ELEIÇÕES 2010

O PT virou um partido de caciques’
Fundador do PT diz que o lulismo destruiu o partido e desvirtuou suas metas ENTREVISTA - Plínio Sampaio Tatiana Farah – SÃO PAULO O jurista e professor Plínio de Arruda Sampaio completa 80 anos em julho. Autor dos primeiros documentos da história do PT, Plínio deixou o partido em 2005, depois de sentir que, internamente, a minoria de esquerda não “chegaria à maioria”. É um dos principais nomes do PSOL e faz campanha como pré-candidato a presidente da República pelo partido.É apoiado por uma lista de intelectuais que faria inveja a qualquer universidade. Com saudade do PT que ajudou a fundar, Plínio afirma que o petismo deu lugar ao lulismo, e que o partido já se desviava de sua rota desde a primeira campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, em 1989. “Tenho orgulho de ter fundado o PT. Não assinei a ata de fundação, mas, a pedido do Lula, fiz a primeira proposta de estatuto do partido”.
O GLOBO: Analistas dizem que a posição de concessão caracteriza o presidente Lula. O lulismo venceu o petismo?
PLÍNIO DE ARRUDA SAMPAIO: Totalmente. O lulismo destruiu o petismo. Quem não destruiu, sugou. O ‘petista petista’ está traumatizado. Se eu pudesse, empacotava o manifesto de lançamento do partido e mandava para eles. Falava: o PT propôs isso, e, em 30 anos, desviou-se. É um belo documento, dos explorados contra os exploradores, apresenta um socialismo democrático. Desviou-se para ser esse partido de caciques.
O GLOBO: O senhor saiu do PT em 2005, depois do mensalão.
PLÍNIO: Não saí por causa do mensalão. Disputei a presidência do PT no meio do mensalão, contra Berzoini. Saí porque, numa democracia, a minoria pode virar maioria; mas constatei que, do jeito que está o PT, ninguém vence a direção.
Qual sonho o PT abandonou?
PLÍNIO: Essas coisas não são de uma vez: o sujeito não é honesto hoje e amanhã fica desonesto. O sujeito concede. O começo do desvio foi uma análise equivocada da eleição de 1989, quando perdemos por 2%. Em 1994, a análise era a de que ‘perdemos porque nosso discurso é radical e não fazemos alianças que não sejam de esquerda. Temos de nos entender com todo o empresariado do capital e precisamos rebaixar o programa’.
Que papel o mensalão tem nesse processo?
PLÍNIO: Ele é consequência. A política burguesa não se faz sem caixa dois. Só que, no PT, não souberam fazer isso. Alguns se corromperam pessoalmente, outros se corromperam só politicamente; e a reação a isso foi péssima, cínica: ‘Fiz porque todos fazem’. É inaceitável.
Quando vê o trabalho do governo Lula, pensa que, num governo de direita, seria igual?
PLÍNIO: Não tem diferença substancial, mas tem uma diferença importante. Você tem 70 milhões de brasileiros em situação melhor. Uns 20 milhões, porque a renda aumentou, com acesso aos eletrodomésticos. E tem 50 milhões de pessoas que pelo menos estão recebendo R$ 100 por mês. Essas pessoas estão satisfeitas; e isso explica os 80% de aprovação do Lula. É a cultura do favor: esse que recebeu atribui a um favor do Lula e quer pagar esse favor, com o quê? Com o voto. É um assistencialismo muito bem colocado. E, para a burguesia, é uma mão na roda: a população tranquila e ela mamando à vontade.
Na questão agrária, como foi o governo?
PLÍNIO: Um descalabro, uma coisa perigosa. A perpetuação da pobreza no Brasil começa no campo e reforça-se na educação.Lula fez clara opção pelo agronegócio. Fiz o plano de reforma agrária do governo, que não foi cumprido. Cortaram pela metade, para 500 mil. Aí maquiam, inventam que titulação de terra é reforma agrária. Título de terra é questão jurídica, não política de Estado.
Não tem saudade do PT?
PLÍNIO: Como não? Tenho enorme saudade. Foi o primeiro partido que o povo construiu. O povo levou 500 anos para conseguir um grau de paciência e articulação que permitiu fazer um partido. No começo do PT, era uma delícia. Acabou.
Mantém amigos no PT, mesmo José Dirceu?
PLÍNIO: Sim, sempre separei as coisas. Eu e José Dirceu somos antípodas. Sempre um esteve de um lado e o outro, de outro. Menos na questão do vice do Lula em 89, em que nos unimos para boicotar o Gabeira. Nós dissemos: eleição é coisa séria, não vamos colocar o Gabeira (diz, rindo).
O professor Helio Bicudo disse que, num segundo turno, votaria em José Serra. E o senhor?
PLÍNIO: Quero votar em mim. Mas, se estiverem os dois (Dilma e Serra), voto nulo.
Extraído: http://ow.ly/19OA5 .

domingo, 21 de fevereiro de 2010

PENA BRANCA, SEMPRE PRESENTE

Pena Branca: encantador de cuitelinhos Ao lado do irmão Xavantinho, Pena Branca é dono de um invejável cancioneiro sobre o homem do campo. Leia a seguir um perfil recheado por entrevistas recentes em que Pena Branca fala da vida e das cantorias 19/02/2010 Aloisio Milani de São Paulo (SP)
A varanda da casa no Jaçanã, no caminho da Serra da Cantareira, em São Paulo, era um pequeno paraíso: “lugar das ‘prantinha’ e dos ‘passarim’”, dizia Pena Branca. “Ali, também toco minha viola”. O instrumento de dez cordas era de estimação, cravado no tampo seu nome, preso ao pescoço com corda fina. O braço da viola ainda era outra farra. O cantor foi fotografado certa vez com o truque matuto de pendurar na viola um bebedouro de beija-flor. Então, só aguardava os “cumpanheiro”. “Mano, cuitelinho é um bichinho sem-vergonha, qualquer água com açúcar ele vem mesmo”, comentava às risadas. Pena Branca nunca ficou rico com sua música, mas vivia exclusivamente dela desde a década de 80, quando abriu com o irmão Xavantinho uma nova trilha entre os caipiras. Morreu no dia 8, depois de um infarto fulminante, dentro de casa. Aos 70 anos, com alma de criança, Pena Branca partiu e findou a história de uma das principais duplas da música raiz.
José Ramiro Sobrinho – nome de batismo de Pena Branca – nasceu no dia 4 de setembro de 1939, poucos dias depois da invasão da Alemanha sobre a Polônia, na Segunda Guerra Mundial. Mas a pequena Igarapava, no interior paulista, era bem longe. As notícias só chegavam pelo rádio na colônia de trabalhadores da fazenda Usina Junqueira onde o pai de Pena Branca morava. Família de negros fortes, frondosos, bonitos. Na mesma cidade, no mesmo ano, havia nascido Jair Rodrigues, outro negro da música. Em entrevistas gravadas com o autor deste artigo nos últimos anos, Pena Branca contou sua história. “Com 10 dias de vida, meu pai se mudou com a gente para Cruzeiro dos Peixotos, uma vilinha perto de Uberlândia”, dizia. Pena Branca se tornou mineiro de criação. “Comecei a falar muito uai, né", brincava, “e meu irmão Xavantinho é mineiro de inocente”. Ambos conheceram cedo as festas religiosas enfeitadas de música. Acompanhavam o pai, tocador de cavaquinho, nas folias de reis para adorar o menino Jesus e nas congadas em devoção à Nossa Senhora do Rosário.
Leia a Matéria na Integra aqui: http://ow.ly/19BEA .